Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Lewdo Ricardo Coelho Severino (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 11/11/2014

Localização: Fortaleza (CE)

Data de Nascimento: 14/01/2005 (9 anos)

Data de Falecimento: 11/11/2014

Sexo: Masculino Masculino
 
O pequeno Lewdo Ricardo Coelho Severino, de apenas 9 anos, que era autista, foi morto, envenenado com chumbinho, colocado no sorvete, pela própria mãe, Cristiane Renata Coelho. Além de matar o filho envenenado, Cristiane também envenenou o marido, o subtenente do Exército Francileudo Bezerra Severino. Os viu agonizar e quando estava certa de que estavam mortos chamou o resgate. Com a chegada da polícia, uma vez que o subtenente ainda estava vivo, foi dado a ele voz de prisão, mesmo em coma, diante das falsas acusações da esposa, que imputou a esse a autoria do crime, ocorrido na madrugada de 11/11/2014, no bairro Dias Macedo, em Fortaleza-CE.
 
O inquérito policial, presidido pelo delegado Dr. Wilder Brito, foi finalizado e entregue ao Ministério Público no dia 27 de abril, sendo Cristiane indiciada por matar um dos filhos do casal e tentar assassinar o marido. No dia 04 de maio promotor de Justiça Humberto Ibiapina a pronunciou e no dia 07 a juíza Daniela Lima da Rocha, da 3ª Vara do Júri do Fórum Clóvis Beviláqua, em Fortaleza  acatou a denuncia e expediu o mandado de prisão. Cristiane foi presa no dia 08 de maio de 2015, atualmente, está no presídio feminino Auri Moura Costa, em Itaitinga e deve aguardar o julgamento presa.

Em 22/07/2015 aconteceu a 2ª oitiva de testemunhas e o juiz tem um prazo de 5 dias para decidir se a acusada será pronunciada à júri popular.

Cristiane Renata Coelho responderá por homicídio e tentativa de homicídio triplamente qualificados e pode pegar de 12 a 30 anos de prisão, em regime fechado.

p

>

Amigos e familiares do Subtenente Francileudo Bezerra Severino na 2ª Oitiva para ouvir testemunhas, realizada em 22/07/2015, em Fortaleza.

Artes: Solange Vieira 

O pequeno Lewdo Ricardo Coelho Severino, de apenas 9 anos, que era autista, foi morto, envenenado com chumbinho, colocado no sorvete, pela própria mãe, Cristiane Renata Coelho. Além de matar o filho envenenado, Cristiane também envenenou o marido, o subtenente do Exército Francileudo Bezerra Severino. Os viu agonizar e quando estava certa de que estavam mortos chamou o resgate. Com a chegada da polícia, uma vez que o subtenente ainda estava vivo, foi dado a ele voz de prisão, mesmo em coma, diante das falsas acusações da esposa, que imputou a esse a autoria do crime, ocorrido na madrugada de 11/11/2014, no bairro Dias Macedo, em Fortaleza-CE.
 
O inquérito policial, presidido pelo delegado Dr. Wilder Brito, foi finalizado e entregue ao Ministério Público no dia 27 de abril, sendo Cristiane indiciada por matar um dos filhos do casal e tentar assassinar o marido. No dia 04 de maio promotor de Justiça Humberto Ibiapina a pronunciou e no dia 07 a juíza Daniela Lima da Rocha, da 3ª Vara do Júri do Fórum Clóvis Beviláqua, em Fortaleza  acatou a denuncia e expediu o mandado de prisão. Cristiane foi presa no dia 08 de maio de 2015, atualmente, está no presídio feminino Auri Moura Costa, em Itaitinga e deve aguardar o julgamento presa.
 
Cristiane Renata Coelho responderá por homicídio e tentativa de homicídio triplamente qualificados e pode pegar de 12 a 30 anos de prisão, em regime fechado.


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Sandra Domingues em 23/07/2015 12:48
Alguns dos motivos pelos quais a assassina deve ser pronunciada à júri popular: - Cristiane articulou, planejou e premeditou o crime contra o marido e o filho; - Envenenou a criança e o marido com chumbinho; - Viu a criança agonizar e morrer e não fez nada para salvá-lo; - Se autoflagelou para imputar ao marido a autoria do crime; - Mentiu para a polícia e em depoimentos; - Alegou que foi obrigada a ingerir vinho e tranquilizantes, quando os laudos apontam ela não ingeriu uma gota sequer da medicação ou do produto alcoólico; - Dificultou o trabalho da polícia e da perícia; - Não colaborou com as investigações, visto que faltou em audiências, destruiu e forjou provas... Queremos que a assassina aguarde o julgamento presa, seja julgada, condenada e cumpra o tempo de pena determinada, sem brechas, sem atenuantes, pois para o pequeno Lewdinho não foi dada uma segunda chance. QUEREMOS JUSTIÇA POR LEWDO E LEWDINHO!

Ana Lidia Sousa Gomes Renata Melo do Amaral Orlando Enriquez Alves Gomes Leonardo Zanotti Cavalcante Ana Elizabeth de Oliveira Dayanne Mendonça Maglione Stephanie dos Santos Teixeira Ignez Barbosa de Oliveira Brayan Yanarico Capcha Maria Andreia Soares da Silva Eliérica Augusto de Lima Fábio Paulus Wagner Marques dos Santos Eduardo Antônio Lara Raimundo Nonato Bezerra  Tayná Adriane da Silva Angelito Barros Correia de Mello Mayara Rasmussen Luis Renato Menina Ventura Ribeiro Silvia Maria Arnaut da Costa Nísio Gomes
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS