Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Dorothy Stang (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 12/02/2005

Localização: Anapu (PA)

Data de Nascimento: 07/06/1931 (73 anos)

Data de Falecimento: 12/02/2005

Sexo: Feminino Feminino
 

Irmã Dorothy Stang, 73 anos, vítima do conflito agrário no Brasil, foi assassinada por encomenda com 6 tiros na cabeça em Anapu - PA, em 12/02/2005.

Irmã Dorothy Stang ingressou na vida religiosa em 1948, emitiu seus votos perpétuos – pobreza, castidade e obediência – em 1956. De 1951 a 1966 foi professora em escolas da congregação: St. Victor School (Calumet City, Illinois), St. Alexander School (Villa Park, Illinois) e Most Holy Trinity School (Phoenix, Arizona).

Em 1966 iniciou seu ministério no Brasil, na cidade de Coroatá, no Estado do Maranhão.

Irmã Dorothy estava presente na Amazônia desde a década de setenta junto aos trabalhadores rurais da Região do Xingu. Sua atividade pastoral e missionária buscava a geração de emprego e renda com projetos de reflorestamento em áreas degradadas, junto aos trabalhadores rurais da área da rodovia Transamazônica. Seu trabalho focava-se também na minimização dos conflitos fundiários na região.

Atuou ativamente nos movimentos sociais no Pará. A sua participação em projetos de desenvolvimento sustentável ultrapassou as fronteiras da pequena Vila de Sucupira, no município de Anapu, no Estado do Pará, a 500 quilômetros de Belém do Pará, ganhando reconhecimento nacional e internacional.

A religiosa participava da Comissão Pastoral da Terra (CPT) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) desde a sua fundação e acompanhou com determinação e solidariedade a vida e a luta dos trabalhadores do campo, sobretudo na região da Transamazônica, no Pará. Defensora de uma reforma agrária justa e conseqüente, Irmã Dorothy mantinha intensa agenda de diálogo com lideranças camponesas, políticas e religiosas, na busca de soluções duradouras para os conflitos relacionados à posse e à exploração da terra na Região Amazônica.

Dentre suas inúmeras iniciativas em favor dos mais empobrecidos, Irmã Dorothy ajudou a fundar a primeira escola de formação de professores na rodovia Transamazônica, que corta ao meio a pequena Anapu. Era a Escola Brasil Grande.

Irmã Dorothy recebeu diversas ameaças de morte, sem deixar intimidar-se. Pouco antes de ser assassinada declarou: "Não vou fugir e nem abandonar a luta desses agricultores que estão desprotegidos no meio da floresta. Eles têm o sagrado direito a uma vida melhor numa terra onde possam viver e produzir com dignidade sem devastar".

Ainda em 2004 recebeu premiação da Ordem dos Advogados do Brasil (secção Pará) pela sua luta em defesa dos direitos humanos. Em 2005, foi homenageada pelo documentário livro-DVD Amazônia Revelada.

A Irmã Dorothy Stang foi assassinada, com seis tiros, um na cabeça e cinco ao redor do corpo, aos 73 anos de idade, no dia 12 de fevereiro de 2005, às sete horas e trinta minutos da manhã, em uma estrada de terra de difícil acesso, à 53 quilômetros da sede do município de Anapu, no Estado do Pará, Brasil.

Segundo uma testemunha, antes de receber os disparos que lhe ceifaram a vida, ao ser indagada se estava armada, Ir. Dorothy afirmou "eis a minha arma!" e mostrou a Bíblia. Leu ainda alguns trechos deste livro para aquele que logo em seguida lhe balearia.

No cenário dos conflitos agrários no Brasil, seu nome associa-se aos de tantos outros homens, mulheres e crianças que morreram e ainda morrem sem ter seus direitos respeitados.

O corpo da missionária está enterrado em Anapu, Pará, Brasil, onde recebeu e recebe as homenagens de tantos que nela reconhecem as virtudes heróicas da matrona cristã.

O fazendeiro Vitalmiro Moura, o Bida, acusado de ser o mandante do crime, havia sido condenado em um primeiro julgamento a 30 anos de prisão. Num segundo julgamento, contudo, foi absolvido. Após um terceiro julgamento, foi novamente condenado pelo júri popular a 30 anos de prisão.

O advogado Janio Siqueira, que representa o fazendeiro Regivaldo Pereira Galvão, acusado de ser um dos mandantes da morte da missionária Dorothy Stang, em 2005, disse que o cliente se apresentou à Polícia Civil de Altamira (PA), às 14h de terça-feira (06/09/2011), após a 1ª Câmara Criminal Isolada do Tribunal de Justiça do Pará ter decretado a prisão preventiva dele horas antes. A prisão só foi efetivada por volta das 18h, segundo a polícia.

Segundo Siqueira, o fazendeiro não foi preso no primeiro momento porque o documento expedido pela Justiça não tinha chegado até a polícia para que a corporação pudesse cumprir o mandado de prisão. "Ele [Galvão] conversou com o delegado e disse que estava à disposição da polícia para ser preso", afirmou o advogado.
 
A Câmara negou em 06/09/11 o recurso para anular o júri do fazendeiro, conhecido como "Taradão". Ele responde pelo crime em liberdade e a defesa informou que vai recorrer da decisão.
O advogado afirmou que vai entrar com um pedido de habeas corpus no STJ (Superior Tribunal de Justiça) após ter conhecimento do pedido de prisão preventiva expedido pela Justiça. Segundo ele, “o tribunal não fundamentou a prisão, não houve nenhum fato novo, decretaram sem nenhum motivo. Ele sempre atendeu a todas as necessidades da Justiça. A decisão foi uma surpresa para nós”, disse Siqueira.
Ainda de acordo com o advogado, ele vai entrar com recurso especial no STJ contra a condenação do fazendeiro e pedir a anulação do julgamento. "Também vou entrar, ao mesmo tempo, com um recurso extraordinário no Supremo Tribunal Federal (STF). Nesta esfera, entendo que cabe o recurso porque entendemos que houve garantias dos direitos constitucionais ao meu cliente durante o processo, principalmente quando se fala da ampla defesa", afirmou Siqueira.
 
De acordo com informações do TJ do Pará, o recurso foi negado por unanimidade. A defesa do fazendeiro pretendia anular sua condenação de 30 anos de prisão pelo crime.
A defesa do fazendeiro alegou que ele deveria ser submetido a novo júri, em razão da condenação superior a 20 anos de prisão. Uma reforma no Código de Processo Penal de 2008 extinguiu essa possibilidade. Os advogados também alegaram cerceamento de defesa, porque não puderam sentar-se ao lado do réu durante o julgamento em que foi condenado, e argumentaram que a sentença de condenação foi mal redigida pelo juiz.
 
A juíza convocada Nadja Cobra Meda, que julgou o recurso do fazendeiro, negou as alegações. Ela afirma que ficou comprovada a premeditação do crime, com visível hierarquia entre os participantes, cada um desempenhando seu papel com o objetivo de acabar com a vida da vítima.
A magistrada também não considerou a pena exagerada e determinou a prisão preventiva do réu para impedir a intimidação de testemunhas e evitar a fuga do acusado em decorrência de seu grande poder econômico, de acordo com informações do TJ.
 
 
                                   Eu sou MOVIDA pela justiça

Irmã Julia, irmã da missionária Dorothy Stang e Carlos Santiago, pai de Gabriela do Movimento Gabriela Sou da Paz

A missionária norte-americana Dorothy Stang foi morta a tiros em 12 de fevereiro de 2005, em Anapu (PA). Segundo a Promotoria, a missionária foi assassinada porque defendia a implantação de assentamentos para trabalhadores rurais em terras públicas que eram reivindicadas por fazendeiros e madeireiros da região.

Outros quatro acusados de participação no caso, entre executores e mandantes, foram julgados e condenados a penas que variam de 17 a 27 anos de reclusão.
O fazendeiro Regivaldo Pereira Galvão foi condenado a 30 anos reclusão no dia 30 de abril de 2010. Na sentença, o juiz Raimundo Alves Flexa, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, decretou a prisão preventiva do réu.
 
O fazendeiro foi beneficiado por uma liminar da desembargadora Maria de Nazaré Gouvêa para aguardar o julgamento do recurso de apelação em liberdade provisória. A decisão foi confirmada, em junho de 2010, pelas Câmaras Criminais Reunidas do Pará.


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Michellyne Rocha Araújo Danilo Ryden Viana Merlini Camila Magalhães Lima Mutzenbecher Priscila Machado Simão Patricia Leal dos Santos Janaína Brito Conceição Michelle Domingos da Silva Alexandre Andrade Reyes Kassia Karinne Magalhães Jhony Azeredo da Silva Coutinho Mirela Rabelo Portugal Arnaldo Martino Dobscha Natália Marina De Carli Ary Barbosa Martins Thiago do Nascimento Braz Márcia Andréia do Prado Constantino Hércules Araújo Lima Priscila Tavares Ramos Quênia Rosa Santos Sérgio Luis Mendes Paulo Jorge de Freitas
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS