Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Jhonata Oliveira (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 25/11/2013

Localização: Cambé (PR)

Data de Nascimento: 24/08/1994 (19 anos)

Data de Falecimento: 25/11/2013

Sexo: Masculino Masculino
 

Meu home é Jaqueline, e vou contar a história do meu primo Jhonata Oliveira

Jhonata era meu primo, mas fomos criados como irmãos pois é assim meu amor por ele. Jhonata tinha 19 anos morava com a mãe, era uma pessoa tranquila, simples, humilde, bem humorado, cheio de amigos, carinho, brincalhão, não fumava, não bebia, não se envolvia em confusão, só queria ver as pessoas bem e felizes e não tinha nenhum inimigo até que um belo dia ele conheceu uma garota de 15 anos, que se dizia ''ser afim dele'' depois que ele terminou o seu longo namoro ele no intuito de refazer sua vida ele começou a conhecer conversar com essa garota de 15 anos.

No começo tudo parecia comum, até que no dia 01 de novembro de 2013 o ex namorado dessa menina descobriu que eles estavam ''ficando'' e começou ameaçar meu primo, Ele achava que a menina era só dele e ninguém mais podia chegar perto e pra ajudar o circo a pegar fogo, a tal menina dizia para seu ex que meu primo era melhor que ele, que meu primo era mais bonito que ele, ela chegou a dizer que ele não chegava aos pés do meu primo. Mas meu primo não contou essas ameaças a ninguém, e quando foi no dia 25 de novembro as 21h, como todos os dias meu primo de costume, foi para a academia, ao sair no portão repetiu duas vezes a sua mãe. -Mãe fica com Deus! E assim foi, ele ficou na academia até as 22:30 quando sua ex namorada passou na academia com a bis que tinham juntos pegou ele e eles foram pra casa dela, lá ele deixou ela pegou a bis e seguiu pra sua casa, mas nisso ele não sabia que o ex namorado daquela menina que ele havia se envolvido e que o ameaçava estava o seguindo, o viu na academia e quando meu primo saiu ele foi com mais dois comparças em um gol vermelho ficou esperando meu primo chegar em casa.  Numa rua muito escura, meu primo chegou no portão da sua casa, desceu da bis e foi surpreendido, sem dizer nenhuma palavra perguntar nada, o ex namorado da menina disparou 6 tiros contra meu primo, sendo 4 perfurados seu corpo 1 sua bis e 1 de raspão. Meu primo sem gritar sem entender continuou entrando em sua casa, bateu na porta da sala e quando sua mãe abriu a porta suas últimas palavras foram  - Mãe eu fui baleado me salva,  sua mãe sem entender sem ver sangue começou a procuram em seu corpo enquanto ele foi deitando no chão e nisso começou a sair sangue da sua boca e do seu nariz. Então ele se foi. Na noite do crime e no dia do velório minha família chorava, porque não sabia qual o motivo de tanta crueldade com uma pessoa tão boa, tão inocente, depois do enterro de chorar e não saber o porque, fomos descobrindo toda a verdade. 

Aquela garota de apenas 15 anos foi quem contou toda a história a policia, em menos de 12 horas o assassino monstro estava preso. 

já se passaram quase 3 meses e todo o dia acordo com a dor ainda maior vendo minha família sofrer sem eu pode fazer nada, no sétimo dia de falecimento depois da missa junto com uma outra família aqui de Cambé que também teve uma filha morta por ciumes absurdo realizamos uma passeata, pedindo paz e justiça, mas eu não quero eu não posso parar eu preciso eu quero lutar por mais e mais justiça, porque eu sei o monstro ele vai ser julgado, mais ele tá la no bem bom, comendo bebendo protegido e mal ou bem a minha família contribui para o sustento dele com tantos impostos a ser pagos. Meu único desejo é lutar para que novas famílias não passe por isso, porque no Brasil é muito fácil matar alguém porque ficar lá na cadeia fazendo nada, esperando até o dia de sair, se ele está preso foi porque ele escolheu está la e o certo seria ele trabalha para ter o que comer e ainda assim ficar lá para pagar pelo que fez. Quanto a menor que nada se pode fazer pelo simples fato de ser menor.  Todos os dias eu ligo a tv e vejo gente morrendo mas morrendo porque alguém tira a vida dessas pessoas, até quando cemitérios vão ser lotados por inocentes e cadeias lotadas de assassinos que estão ai continuando suas vidas. 

Eu queria dizer se pudesse pra que as autoridades olhassem para essa população que tanto chora por crimes que a pena é simples perto dos atos, porque Direitos Humanos nenhum foi procurar a minha tia que enterrou um filho, que hoje não tem mais seu filho, ninguém veio procurar para defende-lo, se todos temos direitos iguais por que o criminoso tem tanta coisa que o protege e esquecem de olhar para que o tal fez. 

Bom eu agradeço pelo espaço isso é um desabafo de uma irmã que chora, que sente a dor da perda pela injustiça cometida, é um desabafo de uma cidadã que deseja que isso mude para que as pessoas pensem antes de tirar a vida de outra porque ninguém merece passar essa dor.

Jhonata Oliveira, 19 anos, foi assassinado com seis tiros na noite de 25 de novembro de 2013, em Cambé-PR, pelo ex namorado de uma garota que ele estava namorando. O acusado está preso aguardando julgamento.



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Antônio Marcos Alves de Oliveira Júlio César Rodrigues Hugo Ronca Cavalcanti Raquel Mota Rodrigues Ana Alice Moreira de Melo Thaís Muniz Mendonça Rufino Gomes Araújo Neto Rebecca Cristina Alves Simões Márcia Andréia do Prado Constantino Ryan Alves Camargo Petrus Soares da Silva George Alexandre Queiroz Lisboa Maria Helena Priscila Fernandes Quênia Rosa Santos Diego de Almeida Silva Shara Ruana Reis Graziele Marçal Franco Luiz Vinicius Purkott Kamilly Rodrigues Sales Kerolly Alves Lopes Kaio Lucas Garcia Negris
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS