Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Marcelo Henrique Prade (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 03/05/2012

Localização: Porto Alegre (RS)

Data de Nascimento: 00/00/1966 (46 anos)

Data de Falecimento: 03/05/2012

Sexo: Masculino Masculino
 

O bancário Marcelo Henrique Prade, 46 anos, foi encontrado morto na noite de 3 de maio de 2012 por enforcamento com fios elétricos na casa onde morava com a psicóloga Lisiane Rocha Menna Barreto, de 36 anos, no bairro Teresópolis, em Porto Alegre-RS. Ele havia voltado às 19 horas de um voo de São Paulo, a trabalho.

Foi a própria mulher quem avisou a Polícia sobre o crime. Ela declarou que voltou do supermercado e deparou o marido morto. O corpo estava enrolado em um tapete no chão da sala, com mãos e pés amarrados e boca e olhos cobertos com fita adesiva.
No velório e enterro, em Estância Velha, a viúva mostrava-se abalada. Manteve contato com a família da vítima, no Vale do Sinos.
 
Após mais de cinco meses de investigação a psicóloga foi presa como mandante do homicídio em sua loja de moda feminina no Centro da capital. Disse que só falaria em juízo e foi conduzida à Penitenciária Feminina Madre Pelletier.
 
No mesmo dia, agentes da 5.ª DP de Porto Alegre foram atrás de três homens que teriam sido contratados e pagos por Lisiane para a execução do crime. Continuam foragidos.
A viúva foi detida por meio de prisão preventiva, decretada também contra Elisandro Rocha Castro da Silva, 35. Os outros dois procurados estão com prisão temporária decretada. 
 
Em 10 de julho de 2013, a ré Lisiane Rocha Menna Barretto foi solta pela Justiça esta semana após audiência realizada na Capital sobre o assassinato do noivo dela, Marcelo Henrique Prade. Ela, que é acusada de ser a mandante do crime, foi presa logo depois do fato, solta em outubro de 2012 e presa novamente em janeiro de 2013. Em fevereiro teve habeas corpus negado, mas agora a Justiça entendeu que a liberdade dela não põe em risco o andamento do processo.
 
Por Sandra Domingues, com informações do Jornal NH e ClicRBS

O bancário Marcelo Henrique Prade, 46 anos, foi encontrado morto na noite de 3 de maio de 2012 por enforcamento com fios elétricos na casa onde morava com a psicóloga Lisiane Rocha Menna Barreto, de 36 anos, no bairro Teresópolis, em Porto Alegre-RS. Ele havia voltado às 19 horas de um voo de São Paulo, a trabalho.

Foi a própria mulher quem avisou a Polícia sobre o crime. Ela declarou que voltou do supermercado e deparou o marido morto. O corpo estava enrolado em um tapete no chão da sala, com mãos e pés amarrados e boca e olhos cobertos com fita adesiva.
No velório e enterro, em Estância Velha, a viúva mostrava-se abalada. Manteve contato com a família da vítima, no Vale do Sinos.
 
Após mais de cinco meses de investigação a psicóloga foi presa como mandante do homicídio em sua loja de moda feminina no Centro da capital. Disse que só falaria em juízo e foi conduzida à Penitenciária Feminina Madre Pelletier.
 
No mesmo dia, agentes da 5.ª DP de Porto Alegre foram atrás de três homens que teriam sido contratados e pagos por Lisiane para a execução do crime. Continuam foragidos.
A viúva foi detida por meio de prisão preventiva, decretada também contra Elisandro Rocha Castro da Silva, 35. Os outros dois procurados estão com prisão temporária decretada. 
 
Em 10 de julho de 2013, a ré Lisiane Rocha Menna Barretto foi solta pela Justiça esta semana após audiência realizada na Capital sobre o assassinato do noivo dela, Marcelo Henrique Prade. Ela, que é acusada de ser a mandante do crime, foi presa logo depois do fato, solta em outubro de 2012 e presa novamente em janeiro de 2013. Em fevereiro teve habeas corpus negado, mas agora a Justiça entendeu que a liberdade dela não põe em risco o andamento do processo.
 
Por Sandra Domingues, com informações do Jornal NH e ClicRBS


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Sandra Domingues em 11/07/2013 01:43
A polícia prende e a "justiça" solta... Brasil...PAÍS DA IMPUNIDADE !!!! Afinal...ela só matou UM e no Brasil todo mundo tem direito a matar um e responder o processo em liberdade!!!

Cláudio Carvalho Tenório  Fabiana Aparecida de Souza Valdir Marques Luíza Delinger dos Santos Abdias Felício de Souza  Ketlin Bortoloso Lukas Wesley Barbosa André de Souza Daniel Jéssica Picolo Maycon Peterson Rodrigues Pantoja Julyana Siqueiros Palomino Caio Bianchini Thamires Gomes Leão Machado Carlos Gustavo Russo Jaqueline Madeira do Nascimento Marcela Aragão Aidir Pinagé de Lima Sérgio Lopes Souza Júnior José Edmilson Costa dos Reis Deibi Willians dos Santos Giordano Romeu Gabriel Muninhas Coutinho de Carvalho
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS