Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Cleonice Marinho de Araújo (Estupro)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 15/01/2013

Localização: Cristalina (GO)

Data de Nascimento: 00/00/1969 (44 anos)

Data de Falecimento: 15/01/2013

Sexo: Feminino Feminino
 
A empresária Cleonice Marinho de Araújo, 44 anos, foi esfaqueada e queimada viva dentro do próprio carro na zona rural de Cristalina, a 270 quilômetros de Goiânia. Em 15/01/2013 ela havia sido capturada por três homens em Valparaíso de Goiás (GO), que fica 90 quilômetros de Cristalina.
 
Segundo a delegada Karina Duarte, titular do Grupo de Investigações de Homicídios (GIH) de Luziânia, os suspeitos abordaram Cleonice com o objetivo de roubar as rodas do carro dela, um Renault Mégane, em um crime por encomenda. A empresária foi estuprada pelos três homens antes de ser morta.
 
A delegada afirmou que o corpo de Cleonice estava 100% carbonizado. A mulher "foi esfaqueada, mas eles desistiram de matar ela a facadas e atearam fogo", disse a chefe do GIH de Luziânia.
 
Dois dos três homens acusados pelo crime foram presos em Luziânia, que fica a 25 quilômetros de Valparaíso de Goiás e a 80 quilômetros de Cristalina. A polícia ainda procura o terceiro suspeito. Também foi detido um homem acusado de comprar as rodas do carro de Cleonice.
 
Um dos acusados de violentar e assassinar brutalmente a empresária Cleonice Marinho de Araújo conta, em detalhes como ela foi morta.
 
— Eu dei uma facada nela. Acho que foi na nuca. Ela estava deitada. Ela só falou "ai" e caiu.
 
Cleonice teria sido carbonizada ainda viva, após ter sido violentada, por causa das quatro rodas do carro. Um deles teria sido o mandante. O outro suspeito e um adolescente teriam recebido, cada um, R$ 60 para cometer o roubo.
 
— Aí ele pegou a garrafa de álcool, jogou em cima dela e riscou o fósforo.
 
O homem que seria o mandante do crime ainda não foi encontrado. Ele que teria oferecido dinheiro aos demais para levar as rodas.

Cleonice foi abordada ainda dentro do carro, em frente à casa de uma funcionária que trabalhava com ela. De acordo com a políca, eles estavam embriagados e não se contentaram em apenas levar as rodas do carro. Eles fugiram com a vítima para Luziânia, cidade goiana que fica no Entorno do DF, e, no meio do caminho, ainda pararam em um posto de gasolina para comprar preservativos.
 
A vítima foi abusada sexualmente em uma fazenda que fica entre Luziânia e Novo Gama. Após o abuso, eles resolveram matar Cleonice, porque ela teria visto "coisa demais".
 
A delegada responsável pelo caso, Karina Duarte, conta que, após ser queimada, a empresária foi colocada, ainda viva, no porta-malas do carro.
 
Segundo a polícia, os dois acusados em companhia do menor envolveram uma quarta pessoa no crime. Ele também foi preso, mas nega participação no assassinato.
 
Nenhum dos suspeitos tem passagem pela polícia, mas, na casa de um deles, a polícia encontrou armas, supostamente de fabricação caseira, pregadas na parede, como se fossem artigos de decoração.
 
A Polícia Civil prendeu em 18/01 o último suspeito de matar a empresária Cleonice Marinho de Araújo, “Ela foi queimada viva”, confirmou o rapaz.
 
A delegada que cuida do caso, Carina Duarte, acredita que o jovem de 21 anos é o líder do grupo que cometeu o crime. Após ser preso na casa onde mora em Luziânia (GO), ele confessou a participação no assassinato. Agora, as quatro pessoas envolvidas no caso estão detidas, dentre eles, um menor de idade.
 
Por Sandra Domingues, com informações do Terra e Polícia Civil GO

A empresária Cleonice Marinho de Araújo, 44 anos, foi esfaqueada e queimada viva dentro do próprio carro na zona rural de Cristalina, a 270 quilômetros de Goiânia. Em 15/01/2013 ela havia sido capturada por três homens em Valparaíso de Goiás (GO), que fica 90 quilômetros de Cristalina.

Segundo a delegada Karina Duarte, titular do Grupo de Investigações de Homicídios (GIH) de Luziânia, os suspeitos abordaram Cleonice com o objetivo de roubar as rodas do carro dela, um Renault Mégane, em um crime por encomenda. A empresária foi estuprada pelos três homens antes de ser morta.
 
A delegada afirmou que o corpo de Cleonice estava 100% carbonizado. A mulher "foi esfaqueada, mas eles desistiram de matar ela a facadas e atearam fogo", disse a chefe do GIH de Luziânia.
 
Dois dos três homens acusados pelo crime foram presos em Luziânia, que fica a 25 quilômetros de Valparaíso de Goiás e a 80 quilômetros de Cristalina. A polícia ainda procura o terceiro suspeito. Também foi detido um homem acusado de comprar as rodas do carro de Cleonice.
 
O homem que seria o mandante do crime ainda não foi encontrado. Ele que teria oferecido dinheiro aos demais para levar as rodas.

Cleonice foi abordada ainda dentro do carro, em frente à casa de uma funcionária que trabalhava com ela. De acordo com a políca, eles estavam embriagados e não se contentaram em apenas levar as rodas do carro. Eles fugiram com a vítima para Luziânia, cidade goiana que fica no Entorno do DF, e, no meio do caminho, ainda pararam em um posto de gasolina para comprar preservativos.
 
A vítima foi abusada sexualmente em uma fazenda que fica entre Luziânia e Novo Gama. Após o abuso, eles resolveram matar Cleonice, porque ela teria visto "coisa demais".
 
A delegada responsável pelo caso, Karina Duarte, conta que, após ser queimada, a empresária foi colocada, ainda viva, no porta-malas do carro.
 
Segundo a polícia, os dois acusados em companhia do menor envolveram uma quarta pessoa no crime. Ele também foi preso, mas nega participação no assassinato.
 
Nenhum dos suspeitos tem passagem pela polícia, mas, na casa de um deles, a polícia encontrou armas, supostamente de fabricação caseira, pregadas na parede, como se fossem artigos de decoração.
 
A Polícia Civil prendeu em 18/01 o último suspeito de matar a empresária Cleonice Marinho de Araújo, “Ela foi queimada viva”, confirmou o rapaz.
 
A delegada que cuida do caso, Carina Duarte, acredita que o jovem de 21 anos é o líder do grupo que cometeu o crime. Após ser preso na casa onde mora em Luziânia (GO), ele confessou a participação no assassinato. Agora, as quatro pessoas envolvidas no caso estão detidas, dentre eles, um menor de idade.
 
Por Sandra Domingues, com informações do Terra e Polícia Civil GO


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Eduardo Soares em 22/11/2013 16:26
O assassino Edinei Hilder Manoel fugiu do Presídio de Cristalina por volta das 5h da madrugada de 22/11/13. http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2013/11/22/interna_cidadesdf,399767/detentos-de-alta-periculosidade-fogem-da-penitenciaria-de-cristalina.shtml


Roseli Cardoso em 17/06/2013 17:03
Gente um crime barbaro desse,me diga que pena merece uns malditos desses?Eu peco que publiquem minha indignacao pq aqui no Pr tbm ocorrem crimes ediondos e nada e feito por essa bendita presidente que fica so viajando pra la e pra ca ao inves de punir menor vagabundo com prisao perpetua naaao deixa eles livres para formar quadrilha e tira vidas de pessoas honestas e batalhadoras prisao perpétua pra esses vagabundos E POR FAVOR publiquem meu comentario eu me responsabilizo pelo que falo

 Fátima de Lourdes Lopes Correia Lima Emelly Ketlen Ferrari Campos Ezequiel Silva de Souza Willian de Souza Marins Jeniffer Corneau Viturino Danghlie Vieira de Andrade Leandro Bossi Ana Beatriz de Souza Antônio Marcos Alves de Oliveira Humberto José Figueiras Barrense Angelito Barros Correia de Mello Eduardo Antônio Lara Rafael de Jesus Maiara Natalie da Silva Marcelo Caetano José Deilson de Oliveira Giovanna Cremon André Barros dos Santos Júnior Pedro Branco Couto Rodrigues Darlla Dutra Rodrigues Pedro Pinheiro Fabbri
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS