Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Adrielly dos Santos Vieira (Bala Perdida)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 24/12/2012

Localização: Rio de Janeiro (RJ)

Data de Nascimento: 00/00/2003 (10 anos)

Data de Falecimento: 04/01/2013

Sexo: Feminino Feminino
 

A menina Adrielly dos Santos Vieira, de 10 anos, morreu na tarde de 04/01/2013, no Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro. A informação foi confirmada pela Secretaria Municipal de Saúde. Adrielly teve morte cerebral confirmada no domingo (30/12/2012).

A criança havia sido atingida por uma bala perdida com a boneca que ganhou nos braços, a menina atravessava a rua para mostrar o presente aos pais quando caiu no chão, na comunidade Urubuzinho, em Piedade, Zona Norte, no Rio de Janeiro.

Adrielly estava desde o dia 26  de dezembro em estado grave na unidade, após ser transferida do Salgado Filho, no Méier, onde esperou oito horas para ser operada. O neurocirgurgião Adão Crespo Gonçalves, que estava de plantão na ocasião, faltou ao trabalho.
 
O chefe de neurocirurgia do Hospital Municipal Salgado Filho, José Renato Paixão, prestou depoimento na 23 ª DP (Méier), no começo da tarde de sexta-feira (04/01). Ele informou que recebeu um telefonema de Adão Gonçalves, onde o médico confirmou que não iria trabalhar.
 
"Não conseguimos substituí-lo, porque não temos profissionais suficientes na unidade. Ele deveria ter ido a plantão", afirmou Paixão.
 
‘Demissão para o médico é pouco’, desabafou Marco Antônio Betim Vieira, de 36 anos, sobre a falta do médico. “A gente é tratado como ‘João ninguém’, um nada”, lamentou, ao visitar a filha.
 
“Infelizmente, minha filha faleceu. Eu soube às 17h (de domingo), quando o pediatra me chamou na hora da visita. Ela ainda respira no aparelho, mas teve morte cerebral. Não há mais nada a se fazer, estou transtornado”, afirmou Marco.
 
O velório da pequena Adrielly  aconteceu no sábado (05/01) ao meio-dia, na capela Santa Rita, do Cemitério e o enterro às 14h no Cemitério de Inhaúma, na Zona Norte do Rio de Janeiro. 
 
Equipes da Delegacia Fazendária foram ao Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, Subúrbio do Rio, na tarde de 10/01/2013, ouviram testemunhas e concluiram que o médico Adão Crespo, que faltou ao plantão na noite de Natal, fraudava a folha de ponto e recebia sem trabalhar. 
De acordo com a delegada Izabela Rodrigues Santoni, em novembro Adão Crespo faltou todos os dias, mas assinou a folha com apenas uma falta. O médico será indiciado por falsidade ideológica e estelionato.
 
Ainda segundo a delegada Izabela Rodrigues Santoni, o chefe do plantão, Ênio Lopes, havia lançado no livro de presenças as faltas do médico Adão. Mas caberia a chefe da emergência comunicar essas faltas ao setor de Recursos Humanos e isto não aconteceu. A polícia agora vai investigar o motivo de esta falta não ter sido comunicada ao RH.
 
Além do crime de omissão de socorro, o neurocirurgião Adão Crespo também responderá por estelionato contra administração pública e falsidade ideológica. Isso porque, segundo a Polícia Civil, o médico assinava as folhas de ponto no Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, zona norte do Rio, sem comparecer ao trabalho e ainda recebia os salários. 
 
Em 10/01, a delegada Izabela Santoni, da Delfaz (Delegacia Fazendária) esteve no Salgado Filho, onde constatou que o médico, durante todo o mês de novembro, faltou ao trabalho, porém assinou a folha de ponto com apenas uma falta. A delegada quer ouvir o chefe da emergência do hospital, que não comunicou as faltas do neurocirurgião lançadas no livro de ocorrências à direção da unidade.
 
Por Sandra Domingues, com informações do Tabocas Noticias, Extra Globo, O Dia e G1

Pais da pequena Adrielly, vítima de Bala Perdida e da demora no Socorro Médico

Mãe da pequena Adrielly chora com a demora dos médicos - Foto O Dia / Paulo Araújo

A menina Adrielly dos Santos Vieira, de 10 anos, morreu na tarde de 04/01/2013, no Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro. A informação foi confirmada pela Secretaria Municipal de Saúde. Adrielly teve morte cerebral confirmada no domingo (30/12/2012).

Adrielly estava desde o dia 26  de dezembro em estado grave na unidade, após ser transferida do Salgado Filho, no Méier, onde esperou oito horas para ser operada. 
 
A criança havia sido atingida por uma bala perdida na comunidade Urubuzinho, em Pilares, Zona Norte do Rio, e ficou no hospital sem atendimento na noite do Natal.
 
O neurocirgurgião Adão Crespo Gonçalves, que estava de plantão na ocasião, faltou ao trabalho.
 
O chefe de neurocirurgia do Hospital Municipal Salgado Filho, José Renato Paixão, prestou depoimento na 23 ª DP (Méier), no começo da tarde de sexta-feira (04/01). Ele informou que recebeu um telefonema de Adão Gonçalves, onde o médico confirmou que não iria trabalhar.
 
"Não conseguimos substituí-lo, porque não temos profissionais suficientes na unidade. Ele deveria ter ido a plantão", afirmou Paixão.
 
Equipes da Delegacia Fazendária foram ao Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, Subúrbio do Rio, na tarde de 10/01/2013, ouviram testemunhas e concluiram que o médico Adão Crespo, que faltou ao plantão na noite de Natal, fraudava a folha de ponto e recebia sem trabalhar. 
De acordo com a delegada Izabela Rodrigues Santoni, em novembro Adão Crespo faltou todos os dias, mas assinou a folha com apenas uma falta. O médico será indiciado por falsidade ideológica e estelionato.
 
Ainda segundo a delegada Izabela Rodrigues Santoni, o chefe do plantão, Ênio Lopes, havia lançado no livro de presenças as faltas do médico Adão. Mas caberia a chefe da emergência comunicar essas faltas ao setor de Recursos Humanos e isto não aconteceu. A polícia agora vai investigar o motivo de esta falta não ter sido comunicada ao RH.
 
Além do crime de omissão de socorro, o neurocirurgião Adão Crespo também responderá por estelionato contra administração pública e falsidade ideológica. Isso porque, segundo a Polícia Civil, o médico assinava as folhas de ponto no Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, zona norte do Rio, sem comparecer ao trabalho e ainda recebia os salários. 
 
Em 10/01, a delegada Izabela Santoni, da Delfaz (Delegacia Fazendária) esteve no Salgado Filho, onde constatou que o médico, durante todo o mês de novembro, faltou ao trabalho, porém assinou a folha de ponto com apenas uma falta. A delegada quer ouvir o chefe da emergência do hospital, que não comunicou as faltas do neurocirurgião lançadas no livro de ocorrências à direção da unidade.
 
Por Sandra Domingues, com informações do Tabocas Noticias, Extra Globo, O Dia e G1


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Luana de Jesus Amorim Miranda Marcela Aragão Sérgio Lopes Souza Júnior Thiago do Nascimento Braz Amaro Tavares da Silva Amanda Rossi Thiago da Costa Correia da Silva Suênio Rocha Melo Nataly S.S Louise Sayuri Maeda Matheus Favaro Freire Antônio de Pádua Guerra Ramalho Fabian Ernesto Rubilar Luiz Henrique de Andrade Quênia Rosa Santos César Dias de Oliveira Vitor Gurman Adriele Camacho de Almeida André Barros dos Santos Júnior Marcos Sidlauskas Luana Rodrigues de Sousa
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS