Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Flávia da Costa Silva (Bala Perdida)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 21/12/2012

Localização: Rio de Janeiro (RJ)

Data de Nascimento: 00/00/1986 (26 anos)

Data de Falecimento: 21/12/2012

Sexo: Feminino Feminino
 

Flávia da Costa Silva, 26 anos, foi vítima de bala perdida, atingida na cabeça por um tiro na rua Araújo Leitão, no Engenho Novo, quando estava no ônibus da linha 232 (Praça XV-Lins), no Rio de Janeiro.

Ela chegou às 9h ao Hospital do Andaraí, onde foi operada, e só saiu do centro cirúrgico às 17h de 21/12/2012. A informação foi confirmada pelo pai dela, Luiz Gustavo da Silva, que disse que a vítima não respondia mais a estímulos e foi diagnosticada com morte cerebral com quadro irreversível. Ele afirmou que o coração de Flávia batia com força, mas o cérebro não respondia.

A Polícia Militar acredita que a bala partiu de um tiroteio entre traficantes de favelas do Lins, no subúrbio da cidade. Flávia saiu do Méier, na zona norte, e ia para o Centro, o mesmo trajeto que faz há nove meses desde que começou a trabalhar. O ônibus passa por um dos acessos ao complexo das favelas do Lins.

Por Sandra Domingues, com informações do Terra 

Flávia da Costa Silva, 26 anos, foi vítima de bala perdida, atingida na cabeça por um tiro na rua Araújo Leitão, no Engenho Novo, quando estava no ônibus da linha 232 (Praça XV-Lins), no Rio de Janeiro. 

Ela chegou às 9h ao Hospital do Andaraí, onde foi operada, e só saiu do centro cirúrgico às 17h de 21/12/2012. A informação foi confirmada pelo pai dela, Luiz Gustavo da Silva, que disse que a vítima não respondia mais a estímulos e foi diagnosticada com morte cerebral com quadro irreversível. Ele afirmou que o coração de Flávia batia com força, mas o cérebro não respondia.

A Polícia Militar acredita que a bala partiu de um tiroteio entre traficantes de favelas do Lins, no subúrbio da cidade. Flávia saiu do Méier, na zona norte, e ia para o Centro, o mesmo trajeto que faz há nove meses desde que começou a trabalhar. O ônibus passa por um dos acessos ao complexo das favelas do Lins.

Por Sandra Domingues, com informações do Terra 


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Juliene Gonçalves Anunciação Bruno Soares e Silva Rafael Pereira da Silva Rafael de Paiva Freitas Patriota Jacqueline Ruas Kerolly Alves Lopes Igor Moraes da Silva André Luis Gusmão de Almeida Joanna Cardoso Marcenal Marins Kátia Fernandes Karatanasov Ilda Vitor Maciel Marcela da Silva Xavier Edson Rogério Silva dos Santos Diego da Rosa Hammes Kameko Assato Nakamatsu Thiago Pinheiro Castro Renata de Cássia Yoshifusa Pedro Augusto Santos Prates Beltrão Cínthia Lívia de Araújo Marcos Monis Monteiro de Lima Robson Eduardo Carriel De Lima
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS