Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Viviane Alves Guimarães Wahbe (Outro)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 03/12/2012

Localização: São Paulo (SP)

Data de Nascimento: 00/00/1991 (21 anos)

Data de Falecimento: 03/12/2012

Sexo: Feminino Feminino
 

A Polícia Civil investiga a morte da estudante de Direito Viviane Alves Guimarães Wahbe, de 21 anos, estagiária do escritório Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados, na capital paulista. Inicialmente tratado como suicídio - pois ela se jogou, no dia 3 de dezembro, da sacada do 7º andar do prédio onde morava, na Zona Sul de São Paulo - o registro da investigação foi mudado pela polícia para "morte suspeita", após Viviane, ainda viva, relatar à mãe que teria sido estuprada por um colega de trabalho.

A mãe da vítima disse em depoimento à polícia, segundo a SSP, que a jovem mudou de comportamento depois de uma festa no dia 24 de novembro. Na data, ela havia voltado para casa em um táxi na companhia de um amigo de trabalho. Dois dias depois, no dia 26 de novembro, a jovem voltou do trabalho transtornada. Segundo a mãe, o colega teria espalhado que manteve relações sexuais com a jovem e ela dizia não se lembrar.
 
Viviane Alves Guimarães Wahbe disse para a mãe que havia sido estuprada, mas que se lembrava apenas de “flashes”, de acordo com a SSP. Com a filha abalada, a mãe a levou a um hospital, onde ela foi medicada no dia 1º de dezembro. Viviane foi encontrada morta dois dias depois.
 
Na casa da jovem, a polícia apreendeu, segundo a SSP, um notebook e o celular de Viviane, além de manuscritos da jovem. Após a apreensão de objetos pessoais, entre os quais uma anotação com trechos como "me drogaram" e "me estupraram", a polícia passou a tratar o caso como "morte suspeita".
 
O escritório informou, em nota, que "já está contribuindo para o entendimento do caso". 

Cerca de 20 pessoas já foram interrogadas pela Polícia Civil de São Paulo, que investiga o suicídio de Viviane Alves Guimarães Wahbe. Até a noite de quinta-feira (3), familiares, amigos e colegas de trabalho da univesitária prestaram depoimento. Chefes do escritório Machado Meyer Advogados, onde ela estagiava, também foram ouvidos, de acordo com informações do 15º DP (Departamento de Polícia).
 
Por Sandra Domingues, com informações do Estadão, R7 e G1.

A Polícia Civil investiga a morte da estudante de Direito Viviane Alves Guimarães Wahbe, de 21 anos, estagiária do escritório Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados, na capital paulista. Inicialmente tratado como suicídio - pois ela se jogou, no dia 3 de dezembro, da sacada do 7º andar do prédio onde morava, na Zona Sul de São Paulo - o registro da investigação foi mudado pela polícia para "morte suspeita", após Viviane, ainda viva, relatar à mãe que teria sido estuprada por um colega de trabalho.

Na casa da jovem, a polícia apreendeu, segundo a SSP, um notebook e o celular de Viviane, além de manuscritos da jovem. Após a apreensão de objetos pessoais, entre os quais uma anotação com trechos como "me drogaram" e "me estupraram", a polícia passou a tratar o caso como "morte suspeita".

O escritório informou, em nota, que "já está contribuindo para o entendimento do caso". 
 
Por Sandra Domingues, com informações do Estadão, R7 e G1.


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Rúbia em 04/01/2013 08:22
Sandra obrigada por sua atenção e continue sendo esse exemplo de luta, fé e esperança. Vc faz a diferença tratando esses casos terríveis como os da Flávia, Viviane e outros com muito respeito. Infelizmente em nosso país as leis não punem os réus mas sim as vítimas e as suas famílias. Esse site é o clamor dos injustiçados, dos assassinados, dos órfãos, das viúvas, dos pais que perderam seus filhos e dos que por algum momento foram violentados e perderam seu direito e ir e vir, perderam o direito de viver. Continue Sandra sempre avançando e no que precisar estou aqui para apoiar esta causa. Te admiro, um forte abraço. Obrigada


Sandra Domingues em 03/01/2013 14:47
Rubia, já localizei o caso, trata-se da jovem Flavia da Costa Silva. Estou fazendo a retificação da foto e incluindo também o caso da jovem, que foi vítima de bala perdida, no memorial. Obrigada por sua colaboração. Segue o link da foto com a matéria: http://noticias.terra.com.br/brasil/policia/rj-mulher-atingida-por-bala-perdida-tem-morte-cerebral,0948b9ec472cb310VgnVCM3000009acceb0aRCRD.html


Sandra Domingues em 03/01/2013 14:16
Rúbia, essa a foto está sendo divulgada na net como sendo a jovem Viviane Alves Guimarães Wahbe, confira nesse link: http://www.noticiasdepentecoste.com/2013/01/policia-apreende-laptop-de.html Se possível me envie o link sobre o caso da moça, vítima de bala perdida, para que eu possa conferir e fazer as correções, caso seja necessário. Obrigada


Rúbia em 03/01/2013 13:47
A moça da foto morreu vítima de bala perdida e não é a Viviane Alves. Favor colocar a foto correta, pois tenho acompanhado os dois casos. Obrigada

Lilian Maria dos Santos Hozana Rodrigues Matheus Cavalcanti Ramalho Carlos Antonio de Paula Dorothy Stang Fábio Galhota Tereza Maria Nogueira Cobra Maria Vitória Oliveira de Souza Marcela Aragão Jéssica Carline Ananias da Costa Jacqueline Ruas Matheus Abvragov Dalvit Ana Cleide Macedo Silva Mariele da Silva Araújo Renné Senna Gil Melo Sicuro Luiz Vinicius Purkott Tábata Conrado Talita Juliane Peixoto Paiva Luis Renato Menina Ventura Ribeiro Marcelo Henrique Prade
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS