Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Sidney Júnior Andrade Souza (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 11/07/2007

Localização: Montes Claros (MG)

Data de Nascimento: 00/00/1997 (10 anos)

Data de Falecimento: 11/07/2007

Sexo: Masculino Masculino
 

O garoto Sidney Júnior Andrade Souza, de apenas 10 anos, que estava desaparecido desde o dia 07 de julho de 2012, foi encontrado morto  num matagal, no dia 12 de julho de 2007, com sinais de violência sexual.

Sidney foi morto com pedradas na cabeça. O corpo do menino, que estava com um dedo da mão direita cortado, sem um olho e com um corte profundo no pescoço, foi localizado por volta de 14h pelo auxiliar de serviços gerais Walison Pereira de Azevedo, 25 anos.

Segundo informações da mãe de Sidney, Cláudia Andrade de Souza, que foi hospitalizada ao saber da notícia de que tinham encontrado seu filho morto, o menino sempre teve notas boas na escola, sempre obedeceu aos pais, nunca se envolveu em brigas e era muito tranqüilo. Ainda segundo Claudia Andrade, às vezes a criança passava por um caminho próximo a linha férrea, a poucos metros de onde foi encontrado, para cortar caminho quando seguia para casa do avô.

Ao receber a notícia sobre a morte de Sidney, seu pai Sidney Souza Dias, ficou desesperado e precisou ser acalmado por parentes e amigos que estavam no local. Antes da descoberta da tragédia, o pai disse em entrevista a O Norte que tinha esperanças de encontrar o filho e contou da última vez que o viu.

- Íamos para casa de meu pai, o avô dele, que tinha feito uma cirurgia. Segui na frente com o meu filho caçula e pedi para Sidney ir andando a pé e que me encontrasse em frente a um barzinho no fundo do parque de exposições. Esta foi a última fez que vi meu filho – contou o pai.
 
Pouco mais de 48 horas do encontro do corpo do menino Sidney Júnior Andrade Souza a polícia civil de Montes Claros prendeu na manhã de quinta-feira (14/07) o desocupado Francisco dos Reis Almeida Simões, 19 anos, conhecido como Dé de Maria Rabo de Peixe, que contou detalhes do crime que chocou a população de Montes Claros.
 
A prisão foi efetuada na madrugada na casa de Francisco dos Reis, localizada na Rua Francisco Peres, Vila Exposição. Duas equipes da delegacia de repressão aos crimes contra pessoa, que investigavam o caso, chegaram até o assassino após localizarem uma testemunha que teria visto um homem com as mãos sujas de sangue saindo de dentro do matagal, próximo ao local onde o corpo do menino foi localizado.
 
Os policiais civis procuraram os hospitais da cidade para verificar se algum homem teria sido atendido com um ferimento nas mãos no dia do crime. Após identificar o suspeito, nesta madrugada, os policiais civis seguiram para casa do assassino, efetuaram sua prisão quando o mesmo se encontrava dormindo.
 
Antes de prestar depoimento ao delegado Giovani Siervi, titular da delegacia de repressão aos crimes contra pessoa, Francisco dos Reis conversou com O Norte e, friamente, afirmou que não se arrepende do crime.
 
- Eu não estou arrependido porque matei o menino, só porque fui preso. Tava doido demais. Fumei R$ 10 de bereu, mistura de maconha e crack. O cara quando tá doido não pensa em nada. Eu o violentei e ele começou a chorar na hora da penetração. Aí, comecei a dar tijoladas na cabeça e o mate. Depois, fui embora. A mãe dele me mostrou a foto e perguntou se eu tinha visto ele. Eu menti. Já tinha matado e falei que não o tinha visto – afirmou o assassino.
 
O criminoso falou também que não tem remorso do crime porque não tem ninguém no mundo.
 
- Quando eu nasci, minha mãe me jogou dentro de um chiqueiro, no meio dos porcos. Eu ainda tava com placenta e cordão umbilical. Não tenho ninguém e não tenho remorso do que fiz, só tenho medo de morrer na cadeia – finalizou o assassino.

Francisco dos Reis Almeida Simões, o assassino do garoto Sidney Júnior foi condenado, em 22 de março de 2011, a 28,8 anos de prisão. A sentença do juiz Antonio de Souza Rosa inclui também uma indenização de 150 mil reais aos pais de Sidney por danos morais.

Por Sandra Domingues com informações do O Norte e In360

O desespero da mãe de Sidney, Cláudia Andrade de Souza

Francisco dos Reis Almeida Simões, assassino do garoto Sidney Júnior 

O garoto Sidney Júnior Andrade Souza, de apenas 10 anos, que estava desaparecido desde o dia 07 de julho de 2012, foi encontrado morto  num matagal, no dia 12 de julho de 2007, com sinais de violência sexual. 

Sidney foi morto com pedradas na cabeça. O corpo do menino, que estava com um dedo da mão direita cortado, sem um olho e com um corte profundo no pescoço, foi localizado por volta de 14h pelo auxiliar de serviços gerais Walison Pereira de Azevedo, 25 anos.

Pouco mais de 48 horas do encontro do corpo do menino Sidney Júnior Andrade Souza a polícia civil de Montes Claros prendeu na manhã de quinta-feira (14/07) o desocupado Francisco dos Reis Almeida Simões, 19 anos, conhecido como Dé de Maria Rabo de Peixe, que contou detalhes do crime que chocou a população de Montes Claros.

Antes de prestar depoimento ao delegado Giovani Siervi, titular da delegacia de repressão aos crimes contra pessoa, Francisco dos Reis conversou com O Norte e, friamente, afirmou que não se arrepende do crime.

- Eu não estou arrependido porque matei o menino, só porque fui preso. Tava doido demais. Fumei R$ 10 de bereu, mistura de maconha e crack. O cara quando tá doido não pensa em nada. Eu o violentei e ele começou a chorar na hora da penetração. Aí, comecei a dar tijoladas na cabeça e o mate. Depois, fui embora. A mãe dele me mostrou a foto e perguntou se eu tinha visto ele. Eu menti. Já tinha matado e falei que não o tinha visto – afirmou o assassino.

O criminoso falou também que não tem remorso do crime porque não tem ninguém no mundo.

- Quando eu nasci, minha mãe me jogou dentro de um chiqueiro, no meio dos porcos. Eu ainda tava com placenta e cordão umbilical. Não tenho ninguém e não tenho remorso do que fiz, só tenho medo de morrer na cadeia – finalizou o assassino.

Francisco dos Reis Almeida Simões, o assassino do garoto Sidney Júnior foi condenado, em 22 de março de 2011, a 28,8 anos de prisão. A sentença do juiz Antonio de Souza Rosa inclui também uma indenização de 150 mil reais aos pais de Sidney por danos morais.

Por Sandra Domingues com informações do O Norte e In360



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Brayan Yanarico Capcha Cíntia Cardoso Pinheiro André Martins Gonçalves Kerolly Alves Lopes Adelson Loiola da Silva Igor Leonardo Lacerda Xavier Jaime Gold Benedito Pereira Rabelo Bruna Tadin de Souza Bruno Souza Lopes Emelly Ketlen Ferrari Campos Pedro Pinheiro Fabbri Lore de Santana Vaz Pérola Bichara Benjamin Ana Carolina Cópia Teixeira Aston Alisson da Silva Fabianna de Menezes Olegário Fernandes Maria Joyce da Silva Braz Victor Hugo Deppman Paulo Veronesi Pavesi Ana Karina Matos Guimarães
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS