Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Daniel Henrique de Souza Rezende (Maus tratos)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 06/01/2012

Localização: Ribeirão Preto (SP)

Data de Nascimento: 00/00/2010 (2 anos)

Data de Falecimento: 06/01/2012

Sexo: Masculino Masculino
 

O menino Daniel Henrique de Souza Rezende, de dois anos, morreu em 06 de janeiro de 2012, em Ribeirão Preto. A suspeita da polícia é que a criança tenha sofrido espancamento. Os suspeitos são os pais biológicos, a madrasta e padrasto, que  negam ter agredido o menino.

Dois laudos entregues pelo Instituto Médico Legal (IML) à Polícia Civil confirmam que Daniel Henrique de Souza Rezende sofreu maus-tratos antes de morrer.

Daniel morreu no Hospital das Clínicas (HC-UE), onde permaneceu internado por duas ocasiões. A delegada da Delegacia de Defesa da Mulher, Maria Beatriz de Moura Campos, afirma ter pelo menos um suspeito e aguarda mais um o laudo para fechar a investigação. "Existem na investigação outros episódios de violência contra o menino", diz.
 
Os órgãos de Daniel foram doados. Os rins seriam transplantados em hospitais da região. O coração e o fígado seriam encaminhados para hospitais de São Paulo. Após passar pelo Instituto Médico Legal de Ribeirão, o corpo foi trasladado para Franca, onde os trabalhos ficaram com a Funerária Santa Bárbara. O sepultamento do pequeno Daniel aconteceu no domingo (08/01) no cemitério Santo Agostinho. 
 
Sinais de violência
Um dos laudos aponta que a criança sofreu uma hemorragia na retina. "Essa é uma característica típica da síndrome da criança espancada, quando é sacudida", diz a delegada.
 
O menino sofreu também lesão ulcerada na pálpebra inferior, equimose na mandíbula, escoriações no dorso da mão e coxa esquerda, constatados em dezembro, na primeira internação.
 
Uma tomografia apontou que Daniel teve um hematoma discreto e um edema cerebral. O raio-X identificou uma fratura no osso de uma das pernas.
 
O menino morava desde dezembro de 2011 com a mãe e o padastro no Jardim Jockey Club, zona Norte de Ribeirão.
 
Se confirmada a autoria, responderá por maus-tratos, cuja pena é de reclusão, de 4 a 12 anos. Como envolve criança, a pena aumenta em um terço.
 
Caso é igual ao de Pedrinho, morto em 2008
 
A delegada Maria Beatriz de Moura Campos disse que o caso de Daniel é semelhante ao de Pedrinho, morto em 2008. Em abril de 2010, a mãe Kátia Marques e o padrasto Juliano Gunelo foram condenados a sete anos de prisão em regime semi-aberto, por maus-tratos. Eles estão em liberdade. Exames feitos pela perícia apontaram fraturas em duas costelas e no pulso do garoto, que desencadearam uma embolia pulmonar gordurosa.
 
 

Foto: Tiago Morgan / Especial

Comoção no velório do pequeno, Daniel Henrique de Souza Rezende, de apenas dois anos, vítima de maus-tratos

 Foto de Daniel Henrique de Souza Rezende, 2 anos, no notebook de seu pai: garoto teve morte encefálica no di 02 de janeiro de 2012.

O menino Daniel Henrique de Souza Rezende, de dois anos, morreu em 06 de janeiro de 2012, em Ribeirão Preto. A suspeita da polícia é que a criança tenha sofrido espancamento. No caso, a polícia passou a investigar os pais, o padrasto e a madrasta, que  negam ter agredido o menino.  

Um dos laudos aponta que a criança sofreu uma hemorragia na retina. "Essa é uma característica típica da síndrome da criança espancada, quando é sacudida", diz a delegada.

O menino sofreu também lesão ulcerada na pálpebra inferior, equimose na mandíbula, escoriações no dorso da mão e coxa esquerda, constatados em dezembro, na primeira internação.

Uma tomografia apontou que Daniel teve um hematoma discreto e um edema cerebral. O raio-X identificou uma fratura no osso de uma das pernas.

O menino morava desde dezembro de 2011 com a mãe e o padastro no Jardim Jockey Club, zona Norte de Ribeirão.

Se confirmada a autoria, responderá por maus-tratos, cuja pena é de reclusão, de 4 a 12 anos. Como envolve criança, a pena aumenta em um terço.



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Evelin em 02/04/2013 22:43
Podiam fazer o mesmo com os acusados mas sem matá-los.


Hilda De Fátima Dutra em 26/01/2012 16:18
Que Deus em sua infinita misericórdia perdoe esse algozes que se deixam usar pelo mal, para atacarem os pequenos indefesos. Infelizmente, são muitos casos, em todo lugar, país e mundo. O amor se esfriou, está escrito na palavra de Deus, sinais de que o fim está bem próximo... Só o que podemos fazer é denunciarmos, quando ficamos sabendo de casos assim, para que o os culpados sejam punidos dentro da lei, sabendo que a lei maior está no alto, o qual todos daremos contas de nossos atos aqui na terra. Devemos tb orar pelos pequenos, e tb por essas almas usadas pelo mal para atingirem a Deus através de sangue inocente. A oração tem muito poder, e tudo pode mudar... Esse anjo, como o d+++já estão nos braços de Deus...


Sandra Domingues em 25/01/2012 22:39
Pequeno Daniel...que Deus o receba em seus braços e seu caminho seja repleto de luz. Tem sempre um padrasto e uma madrasta no meio...mas pior do que o desamor deles é o desamor dos próprios pais que permitem que esses selvagens maltratem e até matem os seus filhos, sangue de seus sangues.

Rodrigo da Silva Netto Mayra da Silva Paula Benoni Alencar Marcos Monis Monteiro de Lima Maria Cláudia Siqueira Del’Isola Graziele Marçal Franco Pedro Davison José Renato Coelho Rodrigues Caylee Marie Anthony Danielle Tobler Esser Joseane Pereira Moraes Guilherme Gabriel Caetano Jeferson Bruno Gomes Escobar Kátia Fernandes Karatanasov Ike Cézar Gonçalves Luiz Paulo Viola Nicole Mayra da Silva Nogueira Camila Mozer Pires Machado Clemente Jardim Geovanna Vitória de Barros Itaize Santos Da Silva
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS