Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Júlio César Rodrigues (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 28/05/2004

Localização: Piumhi (MG)

Data de Nascimento: 17/02/1976 (28 anos)

Data de Falecimento: 28/05/2004

Sexo: Masculino Masculino
 

Júlio César Rodrigues, conhecido por Jullius Bill, seu hobbie era ser DJ, gostava de animar festas,com garra e dinamismo era guia turístico promoveu excursões para shows de cantores, parques de diversão, programas televisivos, destacando Domingão do Faustão e Planeta Xuxa.

Jullius Bill ficou desaparecido por 07 dias, foi encontrado em 25/05/2004 num rio da cidade Iguatama, preso a galhadas na margem, completamente nu, com os tornozelos amarrados , varias escoriações pelo corpo e sua barriga aberta em um corte vertical, proveniente de um instrumento cortante, para não permitir a formação de gases interiores e dificultando assim a submersão do corpo e sua localização.

O corpo de Jullius Bill já em decomposição foi enterrado naquela cidade como indigente. Segundo o legista da necropsia ele fora assassinado, de uma forma bárbara, cruel, com 03 tiros na cabeça. Foi arrastado pelo mato, jogado no rio completamente nu. Veio para nossa cidade, Piumhi, num caixão lacrado em rolado em uma lona preta com cordas, não pudemos vê-lo pela ultima vez, pois já cheirava mal. Os acusados estão soltos, pela brecha da lei "Excesso de prazo na fase de instrução

O Fórum Doutor Oscar Soares Machado sediou na quinta-feira, 03/12/2009, audiência de instrução sobre o caso “Julius Bill”. O dia foi de grande movimentação, com forte aparato policial para a oitiva de 12 testemunhas de defesa e acusação.

O procedimento judicial que, na verdade, é mais um entre tantos que tenta solucionar os motivos que levaram à morte bárbara do Dj, em 28 de maio de 2004, se concentrou na tentativa de homicídio que o disk-jockey Júlio César Rodrigues, o Julius Bill, sofreu 13 dias antes de sua morte. A previsão é que a sentença sobre o “espancamento”, que ainda pode ser levado a júri popular, seja proferida pelo juiz da 1ª vara, Rogério Mendes Tôrres, em janeiro.

Das 17 testemunhas arroladas no processo, 12 foram ouvidas, sendo que duas delas já tinham sido convocadas através de carta precatória e três dispensadas a pedido e com anuência.

Jullius Bill ficou desaparecido por 07 dias, foi encontrado em 25/05/2004 num rio da cidade Iguatama, preso a galhadas na margem, completamente nu, com os tornozelos amarrados , varias escoriações pelo corpo e sua barriga aberta em um corte vertical, proveniente de um instrumento cortante, para não permitir a formação de gases interiores e dificultando assim a submersão do corpo e sua localização.

O corpo de Jullius Bill já em decomposição foi enterrado naquela cidade como indigente. Segundo o legista da necropsia ele fora assassinado, de uma forma bárbara, cruel, com 03 tiros na cabeça. Foi arrastado pelo mato, jogado no rio completamente nu. Veio para nossa cidade, Piumhi, num caixão lacrado em rolado em uma lona preta com cordas, não pudemos vê-lo pela ultima vez, pois já cheirava mal. Os acusados estão soltos, pela brecha da lei "Excesso de prazo na fase de instrução

O Fórum Doutor Oscar Soares Machado sediou na quinta-feira, 03/12/2009, audiência de instrução sobre o caso “Julius Bill”. O dia foi de grande movimentação, com forte aparato policial para a oitiva de 12 testemunhas de defesa e acusação.

O procedimento judicial que, na verdade, é mais um entre tantos que tenta solucionar os motivos que levaram à morte bárbara do Dj, em 28 de maio de 2004, se concentrou na tentativa de homicídio que o disk-jockey Júlio César Rodrigues, Julius Bill, sofreu 13 dias antes de sua morte. A previsão é que a sentença sobre o “espancamento”, que ainda pode ser levado a júri popular, seja proferida pelo juiz da 1ª vara, Rogério Mendes Tôrres, em janeiro.

Das 17 testemunhas arroladas no processo, 12 foram ouvidas, sendo que duas delas já tinham sido convocadas através de carta precatória e três dispensadas a pedido e com anuência.



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Ana Carolina Antoniolli Bruno Soares e Silva Grazielly Almeida Lames Lucas Pereira Patrícia Gonçalves Marinho Caren Cristina dos Santos Barbosa França Eduardo Jesus Ferreira Josely Laurentina de Oliveira Sheyla Santos Turizani Luana Rodrigues de Sousa Rafaella Morais de Souza André Luiz Lemos da Costa Abdias Felício de Souza Rozana da Silva Nascimento José Deilson de Oliveira Cauane Borges da Silva Camila Bezerra Marcelo Henrique Prade Priscila Tavares Ramos Ricardo dos Santos Caio Bianchini
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS