Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Márcia Cristina Sales Militão (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 20/11/2011

Localização: São Paulo (SP)

Data de Nascimento: 00/00/1993 (18 anos)

Data de Falecimento: 20/11/2011

Sexo: Feminino Feminino
 

Márcia Cristina Sales Militão, 18 anos, foi morta com 3 tiros, pelo ex-marido, em 20 de novembro de 2011, no bairro São José, em Campo Limpo Paulista.

O crime aconteceu pouco depois da meia-noite quando Márcia, a mãe Alexandra e uma vizinha sairam a pé para comprar cigarro. Na volta, a menos de 100m de casa, a auxiliar de cozinha Márcia Cristina Sales Militão foi atraída pelo ex marido Alex da Silva e executada com 3 tiros. 

Márcia e Alex estavam separados há 2 meses. Alex da Silva, encontrava-se foragido e já tinha passagem na polícia, por tráfico de drogas.

Policiais militares da base do 49º BPM/I, situada na Rua Barão do Rio Branco, na Vila Arens, foram surpreendidos, no dia 29 de novembro de 2011, com a presença no local de Alex da Silva, 25 anos. O jovem - que trabalhava em uma construtora - apresentou-se por conta própria à polícia, confessando ter matado com três tiros a ex-companheira, Márcia Cristina Sales Militão.

O cabo Kohler estava na porta da base, acompanhado do soldado Adriano, quando foi abordado por Alex. O acusado cumprimentou os PMs e disse que matou a esposa em Campo Limpo. "Imediatamente avisei os demais policiais e foi feita a checagem no sistema. A capitã Carla falou com o delegado Elias Ribeiro Evangelista Júnior, titular da Polícia Civil do município em que o rapaz vive, e este confirmou que o suspeito era procurado", contou Kohler.
 
Ainda segundo o cabo, Silva tem passagem por tráfico de drogas em 2005, já tendo cumprido pena pelo delito. "Alex revelou na base da PM, que Márcia o traía e estaria tramando matá-lo. Ele então conseguiu o revólver em São Paulo, cometeu o crime e o atirou no Rio Jundiaí, em Várzea". 
 
Escondido no mato - O policial que conversou com o ex-companheiro da vítima continuou dizendo que Silva ficou escondido desde o crime, sem revelar em qual cidade. "Ele aparentava tranquilidade, no momento em que se entregou, e afirmou que estava ´no mato´. Explicou também que queria acabar com o sofrimento da família, principalmente de seu filho com Márcia", completou o cabo da PM.
 
Alex foi levado para a delegacia de Campo Limpo, onde foi autuado por homicídio. Contra ele já havia um mandado de prisão preventiva decretado, segundo informou a PM de Jundiaí. Silva seguiu para o Centro de Triagem, onde permanece à disposição da Justiça.

Márcia Cristina Sales Militão, 18 anos, foi morta com 3 tiros, pelo ex-marido, em 20 de novembro de 2011, no bairro São José, em Campo Limpo Paulista. 

O crime aconteceu pouco depois da meia-noite quando Márcia, a mãe Alexandra e uma vizinha sairam a pé para comprar cigarro. Na volta, a menos de 100m de casa, a auxiliar de cozinha Márcia Cristina Sales Militão foi atraída pelo ex marido Alex da Silva e executada com 3 tiros. 

Márcia e Alex estavam separados há 2 meses. Alex da Silva, encontrava-se foragido e já tinha passagem na polícia, por tráfico de drogas.

Policiais militares da base do 49º BPM/I, situada na Rua Barão do Rio Branco, na Vila Arens, foram surpreendidos, no dia 29 de novembro de 2011, com a presença no local de Alex da Silva, 25 anos. O jovem - que trabalhava em uma construtora - apresentou-se por conta própria à polícia, confessando ter matado com três tiros a ex-companheira, Márcia Cristina Sales Militão.

Alex foi levado para a delegacia de Campo Limpo, onde foi autuado por homicídio. Contra ele já havia um mandado de prisão preventiva decretado, segundo informou a PM de Jundiaí. Silva seguiu para o Centro de Triagem, onde permanece à disposição da Justiça.


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Sabrina em 10/02/2012 01:07
A impunidade gera uma indignação tão imensa! Por que um assassino deve ter seus direitos resguardados se não resguardo a vida da vítima? Sistema penal falho!


Maria em 23/01/2012 13:12
Não esta preso não, já esta solto. Esse é o nosso Brasil


Barretão em 21/12/2011 13:58
Ta preso e vai juri popular!

Sheyla Santos Turizani Fabrício Rangel Kengen Emerson Luis Marques Goularte Maiara de Barros Felipe Claudia Correa Pereira Polyana Cristina de Castro Cesar de Almeida Franco Willian de Souza Marins Cristiano Rispoli Barros Hector Manoel Soares Villanueva Silvia Maria Arnaut da Costa Bianca Ribeiro Consoli Lucas Cardoso Fortuna Ives Yossiaki Ota Danillo Lopes Barros Pinto Giorgio Renan Ernlund Metynoski Alexandre Martins de Castro Filho  Tayná Adriane da Silva Rose Inês Moreira Sérgio Porfírio Cardoso Marcelo Alves da Silva
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS