Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Danilo Masahiko Kurisaki (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 23/03/2001

Localização: Mogi das Cruzes (SP)

Data de Nascimento: 31/10/1977 (23 anos)

Data de Falecimento: 23/03/2001

Sexo: Masculino Masculino
 

Danilo Masahiko Kurisaki, 23 anos, cursava o 3º ano de Medicina da Universidade de Mogi das Cruzes. Queria ser médico “para salvar vidas”, dizia. A violência impediu esse sonho no dia 23 de março de 2001. “Quando recebi o telefonema para ir até Mogi (pois o Danilo Masahiko Kurisak havia se envolvido numa confusão) para confirmar alguns dados, então pensei: ‘Como meu filho, estudante de Medicina, precisaria de alguém pra confirmar dados?’”, lembra a mãe Fumiyo Tokunaga Kurisaki.

Nesse momento, Danilo Masahiko Kurisak era levado para a sala de cirurgia de um hospital em Mogi. “Ao chegar, meu irmão disse para não alimentar esperanças, pois ele tinha levado um tiro na cabeça”, conta Fumiyo.

Horas antes, o estudante fazia uma refeição com um amigo quando aconteceu uma discussão entre um funcionário da lanchonete e duas pessoas que estavam no local. Os sujeitos foram expulsos do estabelecimento e prometeram voltar para retaliar. Quando Danilo Masahiko Kurisak saía, os bandidos passaram em um carro atirando. Um dos tiros atingiu sua cabeça. Posteriormente, “um dos assassinos morreu em um acidente e o outro aguarda julgamento em liberdade”, conta a mãe da vítima.

“Ele era muito pacífico, não brigava com ninguém. Quando o pai o levou para lutar sumô, ele era muito grande e forte, e sempre perdia para um menino menor. Eu perguntei a ele: ‘Filho, por que você perde para um menino menor se você é mais forte?’. Ele dizia: ‘Mãe, eu não quero machucar ninguém’”, relata Fumiyo.

Para minimizar a dor, Fumiyo busca o conforto de Deus e a companhia de outras mães em situação semelhante. Também elegeu a luta contra a violência e por justiça como nova prioridade em sua vida. “Mas é difícil, pois a cada dia a saudade aumenta”, finaliza.

Depois de pouco mais de oito horas de sessão, o juiz da 1ª Vara Criminal, Freddy Lourenço Ruiz Costa, anunciou a sentença. Marcelo Galerani, de 37 anos, foi condenado ontem pelo júri a 24 anos de prisão. Ele foi julgado pelo assassinato do estudante de Medicina Danilo Masahiko Kurisaki e pela tentativa de homicídio contra o caminhoneiro Adilson de Lima Queiroz, 45.

Apesar disto, o réu saiu livre do Fórum de Mogi e terá o direito de recorrer da sentença em liberdade.A família de Danilo deixou o prédio, por volta das 21 horas, do dia 17/06/2009 aliviada. Já a defesa de Galerani prometeu protocolar hoje um pedido para que seja realizado um novo júri.Durante a sessão, que começou às 13 horas, Galerani permaneceu de cabeça baixa. Foram poucas as vezes em que ergueu os olhos em direção ao juiz, mas evitava a plateia. Na segunda fileira, a dona de casa Fumiyo Tokunaga Kurisaki, mãe de Danilo, acompanhava atenciosamente cada palavra. Serena, chorou apenas ao ser lembrada pelo assistente de acusação, o criminalista Paulo Passos, da noite de 22 de março de 2001, quando recebeu a notícia da morte do filho.

Danilo foi atingido na cabeça pelo disparo de uma pistola 9 milímetros, efetuado por José Silvestre Carneiro. O autor do crime morreu em um acidente em 2003, mas Galerani, que dirigia o carro, foi condenado. Foram 16 anos de pena pela morte de Danilo e outros oito pela tentativa de assassinato do caminhoneiro.A acusação buscava provar a responsabilidade do réu no crime, já que ele sabia da intenção do autor e o acompanhou. A defesa garantia que ele era apenas empregado de Carneiro e teria sido obrigado a dirigir o automóvel.Por quatro votos contra três, Galerani foi condenado. Os jurados confirmaram que ele agiu sem que as vítimas pudessem se defender, mas excluíram a tese da defesa de que o réu teria agido por vingança.

Por Fumiyo (mãe do Danilo Masahiko Kurisaki)

 

Hoje, 23/03/201...Faz 10 anos! Saudade sem fim!
 
Quantas coisas poderíamos fazer juntos, se não fosse o dia 23/03/2001...
Se pudéssemos voltar atrás e apagar esta data...
Ah!... Como seria diferente...
Tudo passou... O tempo corre e avança... 10 anos! Apenas o amor de uma 
mãe ao seu filho domina a lembrança ...
A saudade invade o coração partido...Lágrimas em silencio...
Você, Danilo,meu filho, vive no Alto...não posso te abraçar...mas está 
comigo agora e sempre na saudade sem fim.
 
Oração a todos que estão no mundo celestial!
Amém!
 
Fumiyo (mãe do Danilo Masahiko Kurisaki)
MVJP - Movimento das Vítimas da Violência pela Justiça e Paz

Fumiyo Kurisaki compareceu ao julgamento com a família

Depois de pouco mais de oito horas de sessão, o juiz da 1ª Vara Criminal, Freddy Lourenço Ruiz Costa, anunciou a sentença. Marcelo Galerani, de 37 anos, foi condenado ontem pelo júri a 24 anos de prisão. Ele foi julgado pelo assassinato do estudante de Medicina Danilo Masahiko Kurisaki e pela tentativa de homicídio contra o caminhoneiro Adilson de Lima Queiroz, 45. 

Apesar disto, o réu saiu livre do Fórum de Mogi e terá o direito de recorrer da sentença em liberdade.A família de Danilo deixou o prédio, por volta das 21 horas, do dia 17/06/2009 aliviada. Já a defesa de Galerani prometeu protocolar hoje um pedido para que seja realizado um novo júri.Durante a sessão, que começou às 13 horas, Galerani permaneceu de cabeça baixa. Foram poucas as vezes em que ergueu os olhos em direção ao juiz, mas evitava a plateia. Na segunda fileira, a dona de casa Fumiyo Tokunaga Kurisaki, mãe de Danilo, acompanhava atenciosamente cada palavra. Serena, chorou apenas ao ser lembrada pelo assistente de acusação, o criminalista Paulo Passos, da noite de 22 de março de 2001, quando recebeu a notícia da morte do filho.

Danilo foi atingido na cabeça pelo disparo de uma pistola 9 milímetros, efetuado por José Silvestre Carneiro. O autor do crime morreu em um acidente em 2003, mas Galerani, que dirigia o carro, foi condenado. Foram 16 anos de pena pela morte de Danilo e outros oito pela tentativa de assassinato do caminhoneiro.A acusação buscava provar a responsabilidade do réu no crime, já que ele sabia da intenção do autor e o acompanhou. A defesa garantia que ele era apenas empregado de Carneiro e teria sido obrigado a dirigir o automóvel.Por quatro votos contra três, Galerani foi condenado. Os jurados confirmaram que ele agiu sem que as vítimas pudessem se defender, mas excluíram a tese da defesa de que o réu teria agido por vingança.



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Fumiyo Tokunaga Kurisaki em 24/03/2012 22:13
O tempo passa... e nós aqui à espera de justiça.... Até quando???? Hoje, dia 23/03, 11 anos se passaram... Há 11 anos , a vida se foi, o sonho de um jovem foi destruído pelos inconsequentes... a realização de ser médico para salvar as vidas foi-se, esses dois criminosos levaram tudo, destruindo e mutilando a família, os parentes, os amigos, tudo ao redor se acabou. Restaram somente a dor imensurável, a saudade imensa... sem direito à defesa, sem a justiça, sem direito a nada...O que é preciso acontecer para que as nossas crianças de hoje, os jovens cheios de sonhos possam, realmente, concretizar seus sonhos, seus objetivos? Que país é este? Os criminosos tem seus direitos à defesa, direito a benefícios, direito às visitas aos familiares pelos seus bons comportamentos nas datas comemorativas... e os nossos filhos, nossos entes queridos? Quando poderão nos visitar? Quando será esta data?...NUNCA! JAMAIS! Depois de 08 anos e 15 dias um dos criminosos foi condenado a 16 anos de prisão pela morte do meu filho, Danilo, e 08 anos pela tentativa de homicídio, totalizando 24 anos. Entrou com recurso e aguarda em liberdade a decisão da justiça e " se for condenado" terá outros benefícios e logo estará em liberdade... enquanto que a vítima foi condenada à morte . Infelizmente, este é nosso país, nosso Brasil, terra dos direitos e benefícios aos criminosos e aos cidadãos de bem? Único direito : "PAGAR OS IMPOSTOS". Vamos à luta para que no futuro, um dia, possamos dizer: este é o país justo e seguro! Fumiyo( mãe do Danilo Masahiko) MVJP - Movimento das Vítimas da Violência pela Justiça e Paz site: www.chegadeimpunidade.com.br


Suzana Milene em 11/11/2011 21:14
nossa q triste ... fiquei muito emocionada ao ler o depoimento dessa mãe, pois sou mãe também. que deus abencõe ela e de conforto no seu coração e que seu filho descanse em paz ao lado do nosso criador. ai meu deus q tristeza deve ser perder um filho abencõe todas essas mães que passam por isso....

Daniel Ribeiro de Almeida Cirne Kamille Karoline da Cunha Pauxis de Souza Rodrigo Monteiro Sakavicius Selma Ferreira Queiroz Francisco Jozenilton Veloso Alana Ezequiel Erica Almeida Marques Ana Lucia Monteiro de Castro Danilo Ramos Ribeiro Benoni Alencar Igor Leonardo Lacerda Xavier Max Fernando de Paiva Oderich Felipe Silva Caffé Púbio Theodoro de Sousa Marísia von Richthofen Alexandre Menezes dos Santos Elton de Oliveira Nascimento Dennyse Cryslany Paiva Alarcão Ana Claudia Caron Hanry Silva Gomes da Siqueira Arnaldo Martino Dobscha
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS