Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Sandro Antonio Cordon (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 03/10/2011

Localização: São Bernardo do Campo (SP)

Data de Nascimento: 27/02/1978 (33 anos)

Data de Falecimento: 03/10/2011

Sexo: Masculino Masculino
 

Por Lúcia Helena da Costa Pires, companheira de Sandro Antonio Cordon

Em 03 de outubro Sandro Antonio Cordon foi ao banco bradesco em são bernardo do campo pela manhã, discutiu com o vigilante Jonatas Pereira de Lima e o mesmo disparou 6 tiros contra ele, pois achou que ele estava armado. 1 tiro atingiu sua barriga, Sandro tentou se proteger pegando uma funcionária como escudo só que  já estava fraco então a moça conseguiu se desvencilhar dele, e o vigilante disparou mais 2 tiros que atingiram a parede, então Sandro tentou correr e  o assassino disparou mais 3 tiros covardemente pelas costas. Ele agonizou diante da camera da agencia e morreu.

Sandro era cliente desta agencia e o  assassino foi preso em flagrante, espero que continue muito tempo preso pagando pelo que ele fez, pois quem deveria zelar pela nossa segurança dentro do banco, acabam tirando nossas vidas. Sou a companheira de Sandro, vivemos juntos durante 3 anos e 2 meses e tínhamos muitos planos e esse sujeito conseguiu destruir tudo. Espero que este caso não fique impune.

Do Ocorrido

De acordo com os investigadores da Polícia Civil, Sandro Antônio Cordon, 33, era correntista do banco e já havia discutido com o segurança Jonatas Pereira Lima, 29, uma semana antes do crime. No dia 03 de outubro de 2011 voltou a procurá-lo no primeiro andar da agência.
 
Após uma discussão, o vigilante sacou sua arma e atirou contra Cordon, que tentou se esconder dos tiros atrás de uma recepcionista que estava perto. O correntista não estava armado.
 
A discussão ocorreu por volta das 10h20, em uma agência do Bradesco da rua Marechal Deodoro, região central da cidade.
 
Uma semana antes, a porta giratória da agência travou quando a vítima tentava entrar no banco e, na ocasião, Cordon ameaçou o vigia. No dia do crime, de acordo com a versão de Lima, o correntista fez menção que sacaria uma arma. Um dos tiros atingiu a vítima na barriga e outros três, nas costas.
 
O Bradesco divulgou nota afirmando que "lamenta profundamente a perda e presta total solidariedade aos familiares". Segundo a assessoria do banco, o vigia era um funcionário terceirizado da empresa de segurança Protege.
 
Por meio de nota, a Protege informou que "está empenhada em auxiliar a polícia na apuração dos fatos" e que "todos os seus vigilantes são qualificados, selecionados e treinados, conforme estabelece a legislação específica da atividade de segurança privada". 
 
A Polícia Militar acredita que a vítima tenha tentado tirar satisfações com Jonatas, que, com medo, agiu de forma desequilibrada. O crime foi qualificado como homicídio doloso qualificado, sem chance de defesa e por motivo torpe. "Seria o caso de ter exagerado nos disparos. A vítima não teve tempo de raciocinar. Mas trata-se de um moço (o vigia) centrado e disse que irá colaborar com as investigações", disse o delegado titular do 1º Distrito Policial, Victor Lutti. Até ontem à noite, sete pessoas tinham sido ouvidas.
 
A polícia pediu exame toxicológico da vítima. Segundo Lutti, Sandro era usuário de drogas e estava afastado da família havia cerca de dois meses. Os pais da vítima compareceram à delegacia ontem à tarde e foram embora apressados. "Foi covardia", disse a mãe da vítima, Sandra Alves da Silva, emocionada. "Queremos justiça", emendou o pai, Antônio Cordon Filho. 

Sandro Antonio Cordon, de 33 anos, foi assassinado, em 03 de outubro de 2011, pelo vigia da agência bancária, onde era cliente, em São Bernardo do Campo. 

O crime foi qualificado como homicídio doloso qualificado, sem chance de defesa e por motivo torpe. "Seria o caso de ter exagerado nos disparos. A vítima não teve tempo de raciocinar. Mas trata-se de um moço (o vigia) centrado e disse que irá colaborar com as investigações", disse o delegado titular do 1º Distrito Policial, Victor Lutti. 



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Carlos Eduardo Mendes de Jesus Bruna Alessandra Costa de Souza Jéssica Carline Ananias da Costa Caíque Müller de Oliveira Santana Edson Rogério Silva dos Santos Gabryelle de Farias Alves Valdir Marques Adriana Moura da Rocha Machado George Alexandre Queiroz Lisboa Núbia Glenda Ferreira da Silva Kaio Lucas Garcia Negris Júnia Aparecida da Silva Francisco de Assis Guerra Ramalho Pablo Gomes Matielli Edward Robinson Cavalcanti Daniela Nogueira Oliveira Eugênio Bozola Jaime Gold Priscila Tavares Ramos Ecio Carlos Cristofani Jorge Antônio Careli
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS