Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Cristiano Rispoli Barros (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 05/06/2004

Localização: Rio de Janeiro (RJ)

Data de Nascimento: 05/03/1979 (25 anos)

Data de Falecimento: 05/06/2004

Sexo: Masculino Masculino
 

Cristiano Rispoli Barros, 25 anos, analista de sistema, foi confundido com um bandido e assassinado por PM's, Rio de Janeiro-RJ, em 05/06/2004.

Em 05/06/2004, Cristiano Rispoli Barros saiu de um churrasco na casa de amigos, no Engenho Novo. PMs estavam na esquina da Avenida 24 de Maio e confundiram Cristiano Rispoli Barros com um bandido.

O carro de Cristiano Rispoli Barros foi fuzilado e um tiro o atingiu. Policiais colocaram uma arma no veículo, para incriminar a vítima. Dois policiais foram condenados a 13 anos de prisão.

O 1º Tribunal do Júri da Capital condenou a 13 anos de prisão e à perda do cargo os dois policiais militares acusados de matar o analista de sistemas Cristiano Rispoli Barros. Anderson do Nascimento Seixas e Cleber Adriano Porta de Oliveira foram condenados a 12 anos em regime fechado por homicídio qualificado cometido por motivo fútil e com recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Eles cumprirão ainda mais um ano em regime aberto pelos crimes de fraude processual e concurso material (quando o agente pratica dois ou mais crimes).

O juiz Fábio Uchoa Montenegro, que presidiu o julgamento, concedeu a Cleber Adriano, que estava aguardando o julgamento em liberdade por força de um hábeas corpus, o direito de recorrer em liberdade por ser réu primário. Anderson do Nascimento, porém, que já estava preso preventivamente, continuará na prisão.
 

Cristiano Rispoli Barros, 25 anos, analista de sistema, foi confundido com um bandido e assassinado por PM's, Rio de Janeiro-RJ, em 05/06/2004.

O carro de Cristiano Rispoli Barros foi fuzilado e um tiro o atingiu. Policiais colocaram uma arma no veículo, para incriminar a vítima. Dois policiais foram condenados a 13 anos de prisão.
 
O 1º Tribunal do Júri da Capital condenou a 13 anos de prisão e à perda do cargo os dois policiais militares acusados de matar o analista de sistemas Cristiano Rispoli Barros. Anderson do Nascimento Seixas e Cleber Adriano Porta de Oliveira foram condenados a 12 anos em regime fechado por homicídio qualificado cometido por motivo fútil e com recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Eles cumprirão ainda mais um ano em regime aberto pelos crimes de fraude processual e concurso material (quando o agente pratica dois ou mais crimes).
 
O juiz Fábio Uchoa Montenegro, que presidiu o julgamento, concedeu a Cleber Adriano, que estava aguardando o julgamento em liberdade por força de um hábeas corpus, o direito de recorrer em liberdade por ser réu primário. Anderson do Nascimento, porém, que já estava preso preventivamente, continuará na prisão.


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Sergio Peret em 10/09/2014 23:07
Ele era meu colega de turma. Foi uma perda inestimável

 Isabella Cassani Eugênio Bozola Patrícia Marieve da Silva Barbosa Thamires Gomes Leão Machado Liana Friedenbach Renata Silva Monteiro Jacqueline Ruas Gerhard Kaltmaier Yago Batista de Souza Celso Augusto Daniel  Ricardo Prudente de Aquino Nirvana Evangelista da Cruz Thiago karpó Halisson Vasconcelos Coradini Telma Veloso Pinto William Francis de Oliveira Morais Cleyton da Silva Leite Jhonny Rafael Ferreira de Bahamontes Felipe Silva Caffé Allan Diego Henriques Barbosa Geralda Lúcia Ferraz Guabiraba
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS