Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Ignez Barbosa de Oliveira (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 29/10/2011

Localização: Ibiúna (SP)

Data de Nascimento: 00/00/1930 (81 anos)

Data de Falecimento: 29/10/2011

Sexo: Feminino Feminino
 

As empresárias, Inês Barbosa de Oliveira, de 81 anos e a filha Sônia Regina de Oliveira, de 59, foram mortas no dia 29 de outubro de 2011 a golpes de faca em um condomínio de classe média a 5 km do centro de Ibiúna, litoral de São Paulo. As vítimas costumavam passar os fins de semana na chácara, há mais de 20 anos.

Um vizinho, que morava no mesmo condomínio, confessou o crime. Bruno Moreira Prata Pereira, de 32 anos, contou a polícia, que atingiu as mulheres com golpes de faca, quando conversavam na cozinha. Bruno roubou um celular, dinheiro e fugiu no carro das vitimas. O veículo foi encontrado em Piedade. Ele foi preso horas depois na rodoviária de Iguape.
 
O suspeito contou a polícia que conheceu as vizinhas ainda garoto e era amigo delas. Quando chegou a casa das vitimas, drogado, informou sobre a decisão de se internar numa clinica para viciados. Ele portava duas facas. A explosão de violência ocorreu depois de uma discussão sobre o assunto.
 
Segundo a polícia, o crime ocorreu no sábado, quando Prata foi até a casa das mulheres no Condomínio Portal Ibiúna. Após discutirem, ele teria usado uma faca para golpear as vítimas várias vezes no pescoço.
 
Em seguida, Prata pegou dinheiro e o carro das vítimas, um Fox, para fugir até a cidade de Piedade, a cerca de 25 km de Ibiúna. Lá, pernoitou em um hotel, antes de partir de ônibus para Iguape.
 
Ainda no mesmo dia, os corpos das Ignez e Sônia foram achados um ao lado da outro, dentro da casa.
 
Em revista ao local, a PM encontrou gavetas reviradas, uma bolsa aberta com marcas de sangue e uma maleta com documentos espalhados no chão. Na casa, havia manchas de sangue e pegadas por toda a parte, segundo a polícia.
 
Em Iguape, Prata tentou pegar um ônibus para São Paulo. Sem o dinheiro da passagem, ele discutiu com uma atendente da empresa de transporte. A discussão chamou a atenção de PMs, que prenderam Prata. Com ele a polícia encontrou objetos pessoais das vítimas. Na delegacia de Iguape, ele confessou o crime, segundo a polícia.
 
A polícia disse que Prata é usuário de crack e cocaína. O Fox das vítimas foi encontrado em Piedade, com a faca usada no crime dentro.
 
Bruno Pereira vai responder pelo crimes de homicídio e roubo. A polícia espera os laudos do Instituto de Criminalística para concluir o inquérito. O resultado do laudo deve sair em 15 dias.
 
Mãe e filha  foram enterradas em 31/10/2011 em um cemitério de Ibiúna. Apenas três amigos acompanharam o enterro. Não houve cerimônia. O único parente das vítimas evitou conversar com os jornalistas.
 

Inês Barbosa de Oliveira, de 81 anos e a filha Sônia Regina de Oliveira, de 59.

Bruno Moreira Prata Pereira, de 32 anos, confessou ter assassinado as empresária Inês Barbosa de Oliveira e Sônia Regina de Oliveira.

Inês Barbosa de Oliveira, de 81 anos e a filha Sônia Regina de Oliveira, de 59, foram mortas no dia 29 de outubro de 2011 a golpes de faca em um condomínio de classe média a 5 km do centro de Ibiúna, litoral de São Paulo. As vítimas costumavam passar os fins de semana na chácara, há mais de 20 anos.

Um vizinho, que morava no mesmo condomínio, confessou o crime. Bruno Moreira Prata Pereira, de 32 anos, contou a polícia, que atingiu as mulheres com golpes de faca, quando conversavam na cozinha. Bruno roubou um celular, dinheiro e fugiu no carro das vitimas. O veículo foi encontrado em Piedade. Ele foi preso horas depois na rodoviária de Iguape.
 
Bruno Pereira vai responder pelo crimes de homicídio e roubo. A polícia espera os laudos do Instituto de Criminalística para concluir o inquérito. O resultado do laudo deve sair em 15 dias.


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Kamilly Rodrigues Sales Carlos Magno Oliveira  Carlos Eduardo Lira dos Santos Rampini Mariana Gonçalves de Souza Estefani Vitoria Rochinski Géssica Guedes Pereira Nirvana Evangelista da Cruz Irlane dos Santos Francisco Ferreira Oliveira Neto Paulo Alexandre Gomes Flavio Chalamai dos Santos Eliza Silva Samudio Beatriz da Silva Costa André de Souza Daniel Hanry Silva Gomes da Siqueira Caylee Marie Anthony William dos Santos Mariana Rocha de Souza Marcelo Caetano Ana Claudia Caron Sabrina Silvestre Fontão
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS