Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Wilson Roberto Tafner (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 02/10/2010

Localização: Santana do Parnaiba (SP)

Data de Nascimento: 00/00/1942 (68 anos)

Data de Falecimento: 02/10/2010

Sexo: Masculino Masculino
 

Wilson Roberto Tafner, de 68 anos, dono de uma firma de representações, e Tereza Maria Nogueira Cobra, de 60 anos, advogada, foram brutalmente assassinados com facadas no rosto e na cabeça, dentro de casa, no condomínio das Acácias, em Santana do Parnaíba, na Grande São Paulo. 

O crime foi no dia 2 de outubro de 2010, véspera do primeiro turno das eleições e período em que são permitidas apenas prisões em flagrante.
 
Pouco mais de um mês depois, os principais suspeitos do crime, foram apontados pelo delegado, Zacarias Katzer Tadros, responsável pelo caso, são a filha única do casal, Roberta Tafner, de 29 anos, e seu marido, Willian Souza, de 33. O casal foi preso em 15 de dezembro de 2010.
 
As câmeras de segurança flagraram o momento em que um funcionário do casal morto avisou Roberta Tafner e o marido dela, William Souza. Logo após as imagens, eles saíram de carro. Roberta mandou limpar o local do crime antes da perícia chegar e, segundo a polícia, está indiferente à morte dos pais. Seguro de vida do casal foi avaliado em R$ 1 milhão.
 
Mesmo divorciados, Wilson e Tereza mantinham um bom relacionamento. Na noite do dia 1º de outubro, uma sexta-feira, haviam jantado na casa de amigos. Ao voltar para casa, por volta de 0h15, foram atacados. Wilson já estava na cama quando foi morto com pelo menos cinco facadas no rosto e uma na cabeça. Ele também tinha uma fratura em um osso do pescoço e, segundo o delegado, se não morresse pelos golpes, morreria sufocado. 
 
Tereza, que dormia no quarto ao lado, ao ouvir os gritos do ex-marido, levantou e também levou pelo menos cinco facadas. “Tudo indica que foi uma ação rápida e que Tereza reagiu violentamente, lutou com o agressor. Ela tinha cortes nas mãos”, explica o delegado. 
 
A brutalidade dos assassinatos impressionou até mesmo investigadores e o delegado, acostumados a lidar diariamente com casos de violência. “O criminoso queria desfigurar as vítimas. É próprio de um crime por vingança ou raiva”. Os corpos foram encontrados por volta das 11h30 de sábado, por um pedreiro que acionou a polícia. 
 
Depois da chegada da polícia e antes da chegada da perícia a cena do crime foi alterada, de acordo com o delegado. A informação é baseada em fotos feitas por policiais. “Willian e Roberta determinaram que os empregados lavassem o local e ateassem fogo nos objetos com sangue”, disse Tadros.
 
Em 15/02/2011 a 16ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo negou concessão de habeas corpus a Roberta Tafner e Willians de Sousa, acusados de duplo homicídio em Santana de Parnaíba. 
 
Segundo informações do TJ/SP, a câmara entendeu estarem presentes a materialidade e indícios suficientes de autoria do crime, que são requisitos legais para a manutenção da prisão do casal.
 
Na visão do desembargador Almeida Toledo, relator do HC, para a decretação da preventiva "não há exigência de comprovação cabal ou inconteste – imprescindível para a condenação – mas, ao requisito legal e menos rigoroso da presença de ‘indício suficiente de autoria’".
 
Almeida Toledo destacou que dentre os indícios apontados no processo, estariam a presença de sangue de uma das vítimas na casa dos pacientes/réus e depoimentos que confirmam a relação conturbada que Roberta e Willians tinham com a mãe dela.
 
Outro ponto atacado pelo voto do relator é em relação ao fato de que mesmo que o casal não tenha tido envolvimento em outros crimes, o caso demonstra a periculosidade dos pacientes, que poderiam colocar em risco a regularidade da instrução criminal e a aplicação da lei.
 

Wilson Roberto Tafner, de 68 anos, e Tereza Maria Nogueira Cobra, de 60 anos

Tereza Cobra e Wilson Tafner com a filha Roberta, em janeiro, quando comemoravam os 64 anos dele

A filha do casal, Roberta Tafner, de 29 anos, e seu marido, Willian Souza

Wilson Roberto Tafner, de 68 anos, dono de uma firma de representações, e Tereza Maria Nogueira Cobra, de 60 anos, advogada, foram brutalmente assassinados com facadas no rosto e na cabeça, dentro de casa, no dia 2 de outubro de 2010, no condomínio das Acácias, em Santana do Parnaíba, na Grande São Paulo. Pouco mais de um mês depois, os principais suspeitos do crime, segundo o delegado, Zacarias Katzer Tadros, responsável pelo caso, são a filha única do casal, Roberta Tafner, de 29 anos, e seu marido, Willian Souza, de 33. O casal foi preso em 15 de dezembro de 2010.

Pouco mais de um mês depois, os principais suspeitos do crime, foram apontados pelo delegado, Zacarias Katzer Tadros, responsável pelo caso, são a filha única do casal, Roberta Tafner, de 29 anos, e seu marido, Willian Souza, de 33. O casal foi preso em 15 de dezembro de 2010.

Em 15/02/2011 a 16ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo negou concessão de habeas corpus a Roberta Tafner e Willians de Sousa, acusados de duplo homicídio em Santana de Parnaíba. 

Segundo informações do TJ/SP, a câmara entendeu estarem presentes a materialidade e indícios suficientes de autoria do crime, que são requisitos legais para a manutenção da prisão do casal.
 
Na visão do desembargador Almeida Toledo, relator do HC, para a decretação da preventiva "não há exigência de comprovação cabal ou inconteste – imprescindível para a condenação – mas, ao requisito legal e menos rigoroso da presença de ‘indício suficiente de autoria’".
 
Almeida Toledo destacou que dentre os indícios apontados no processo, estariam a presença de sangue de uma das vítimas na casa dos pacientes/réus e depoimentos que confirmam a relação conturbada que Roberta e Willians tinham com a mãe dela.
 
Outro ponto atacado pelo voto do relator é em relação ao fato de que mesmo que o casal não tenha tido envolvimento em outros crimes, o caso demonstra a periculosidade dos pacientes, que poderiam colocar em risco a regularidade da instrução criminal e a aplicação da lei.


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Sandra Domingues em 28/06/2012 16:04
Dr. Marcos Paiva, Quem disse ?! Vamos a resposta! Pouco mais de um mês depois, os principais suspeitos do crime, foram apontados pelo delegado, Zacarias Katzer Tadros, responsável pelo caso, são a filha única do casal, Roberta Tafner, de 29 anos, e seu marido, Willian Souza, de 33. O casal foi preso em 15 de dezembro de 2010. Em 15/02/2011 a 16ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo negou concessão de habeas corpus a Roberta Tafner e Willians de Sousa, acusados de duplo homicídio em Santana de Parnaíba. Segundo informações do TJ/SP, a câmara entendeu estarem presentes a materialidade e indícios suficientes de autoria do crime, que são requisitos legais para a manutenção da prisão do casal. Na visão do desembargador Almeida Toledo, relator do HC, para a decretação da preventiva "não há exigência de comprovação cabal ou inconteste – imprescindível para a condenação – mas, ao requisito legal e menos rigoroso da presença de ‘indício suficiente de autoria’". Agora se de fato sua cliente é inocente, cabe ao senhor PROVAR...por enquanto eles estão sendo tratados, conforme a matéria publicada, como suspeitos da autoria do crime e quem decretou a prisão e os mantém presos...foi a JUSTIÇA e não nós!


Marco Paiva em 29/05/2012 15:50
Quem disse que foram eles os executores? Quem disse que eles são delinquentes e merecem ficar atras das grades? Quem disse que neste caso há impunidade? Quem disse que havia sangue na casa deles? Sera que não se está satanizando a situação, criminalizando o casal sem nem ao menos ter chegado ao fim o processo? Será que o casal é verdadeiramente culpado? Já imaginaram se eles forem inocentes e principalmente Roberta, que ninguem disse que teria participado ou desejado o crime? Já imaginaram a sua situação de ver os pais assassinados e ela inocente atras das grades, sabendo que quem matou seus pais esta livre e solto? Promover a paz, também é agir com justiça frente as pessoas, respeitando-lhes o direito de se manifestar em sua defesa. Promover a paz é lição de casa, que começa em não julgar, sem forte razão e fatos. Marco Paiva - Advogado de Roberta Tafner.


Suzana em 28/10/2011 20:46
que absurdo . será que esse casal copiou o ato covarde de suzane von richitoffen eos irmãos cravinhos? que covardia matar os próprios pais nós deveríamos dar avida.q esses dois delínquents apodreçam atraz das grades!!!!!!!!

Thiago Augusto Silva Baggio Renan Rodrigues da Silva Nicolas Gottschald de Freitas Guilherme Gabriel Caetano Petrus Soares da Silva Manoel Maria da Conceição Junior Gabryelle de Farias Alves Ana Alice Moreira de Melo Geovanna Pereira de Almeida Ana Paula Moreno Germano Michelle Domingos da Silva Dennyse Cryslany Paiva Alarcão Karina Carvalho Leite Cely Vidal Amanda Glívia Vale Rosimere Aparecida Soares Marcelo Alexandrino Costa dos Santos Antônio de Pádua Guerra Ramalho Verônica Torres da Fonseca Juan de Moraes Ana Lidia Sousa Gomes
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS