Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Edson Roberto Domingues (Trânsito)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 30/09/2011

Localização: São Paulo (SP)

Data de Nascimento: 00/00/1956 (55 anos)

Data de Falecimento: 04/10/2011

Sexo: Masculino Masculino
 

Edson Roberto Domingues, de 55 anos, que ficou com 90% do corpo queimado após seu carro pegar fogo em uma colisão com um Camaro, na Zona Norte de São Paulo, morreu por volta das 23h de terça-feira (04/10/2011) no Hospital das Clínicas. De acordo com a assessoria de imprensa da instituição, Edson Domingues, estava na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) desde sexta (30/09/2011), quando aconteceu o acidente na altura do número 2.500 da Avenida Inajar de Souza, no sentido Freguesia do Ó.  

O motorista do Camaro, Felipe de Lorena Infante Arenzon, de 19 anos,  filho do vereador Milton do Rancho, de Embu das Artes, disse que voltava de uma festa em uma casa noturna na Zona Oeste da cidade quando o correu o acidente.
 
Felipe de Lorena Infante Arenzon se recusou a fazer o teste do bafômetro, segundo a Polícia Militar. De acordo com a polícia e com testemunhas, o jovem apresentava sinais de embriaguez – ele estava com os olhos vermelhos, exalava cheiro de álcool e tinha dificuldades para andar e falar.
 
Dentro do carro foi encontrada uma lata de cerveja. Testemunhas disseram que ele havia batido em outro veículo antes de causar o maior acidente. Segundo a polícia, ele bateu em outro carro na região da Pompeia e atropelou duas mulheres na Ponte da Freguesia do Ó. Segundo a PM, elas foram socorridas por pessoas que passavam pelo local.
 
Na tarde de segunda-feira (03/10), o motorista do Camaro, Felipe de Lorena Infante Arenzon, deixou o 72º DP, na Vila Penteado, em São Paulo, após pagamento de fiança. Ele ficou três dias preso.
 
Segundo o advogado do jovem, João César Cáceres, a família conseguiu vender um imóvel e pagar a fiança estabelecida em R$ 245 mil para liberar o rapaz. "Quando soube que seria solto, ele me abraçou e chorou", contou o defensor. Ele não revelou que tipo de imóvel foi vendido para beneficiar Arenzon.
Colisão.
 
Com a morte de Edson Roberto Domingues, Marcos Manarini, delegado-assistente do 28º DP, na Freguesia do Ó, informou que Arenzon passará a responder por homicídio doloso consumado.
 
A dona de casa Nilza das Graças Socorro, mulher de Edson Roberto Domingues comentou em 04/10 sobre a libertação do jovem que dirigia o veículo.
“Eu achei absurdo porque a vida de uma pessoa não tem preço. Se fosse o Edson, ele estaria preso porque a gente é pobre e não tem dinheiro” 
"Ele deveria , pelo menos, prestar serviços no setor de queimados em algum hospital. “É ele passar e olhar, ver o estrago que fez”, desabafou.
 
“Quero justiça. Quero ver o culpado na cadeia. Vou lutar até o fim da minha vida para vê-lo atrás das grades”, disse na quarta-feira (05/10) a dona de casa Nilza das Graças Socorro, de 62 anos, mulher do motorista Edson Domingues, de 55, ao saber da morte do marido na noitede terça (04/10).
 
De acordo com a investigação, Arenzon saiu de uma casa noturna na Zona Oeste, pegou o Camaro e dirigiu embriagado pela Avenida Sumaré, circulando pela faixa exclusiva para motos, depois bateu em quatro carros que estavam na via. Posteriormente, atropelou duas pessoas perto da Ponte da Freguesia do Ó. E, por último, bateu em outros dois veículos na Avenida Inajar de Souza. Com a colisão, o carro onde estava Domingues pegou fogo. Ele teve mais de 90% do corpo queimado e foi internado em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do HC. A morte dele ocorreu por volta das 23h de terça, segundo a assessoria de imprensa do hospital.
Apesar de não ter aceitado passar pelo teste do bafômetro, Arenzon foi submetido ao teste clínico que constatou que ele havia bebido antes do acidente, segundo o delegado Manarini. Dentro do Camaro foi encontrada uma lata de cerveja.
 
Apesar de estar em liberdade, Arenzon tem de cumprir algumas determinações da Justiça. Uma delas é não sair do país e não estar na rua após as 22h. A polícia espera concluir o inquérito dentro de um mês. Após isso, o caso será levado ao Ministério Público, que decidirá se o estudante deve ser denunciado à Justiça pelo crime.
Segundo a polícia, Arenzon vai responder por homicídio doloso consumado, embriaguez ao volante e omissão de socorro.
 
O corpo do motorista Edson Roberto Domingues, de 55 anos, morto após ser atingido por um carro de luxo em São Paulo, foi enterrado  às 10h de quinta-feira (06/10) no Cemitério da Lapa, na Zona Oeste de São Paulo.
 
Em setembro de 2012, Felipe Arenzon foi pronunciado ao júri popular e responderá por homicídio doloso (quando há intenção de matar) triplamente qualificado; dupla tentativa de homicídio; omissão de socorro; embriaguez ao volante e fuga no local do acidente. 
 

Por Rafael Baltresca

Pela memória de minha irmã Bruna Baltresca e mamãe Miriam, mude seu comportamento agora: NUNCA beba e dirija.

Ajude-me nesta campanha. Uma única latinha pode matar. Comece a conscientização dentro de casa. Fale com amigos e parentes.

Por favor, assine nossa petição pública online. Quem bebe, dirige e mata, deve ir para a cadeia: http://www.NaoFoiAcidente.com.br
 
 

Acidente com Camaro resultou em 1 morte deixou quatro pessoas feridas na Zona Norte de São Paulo (Foto: Mario Ângelo/Sigmapress/AE)

Edson Roberto Domingues, de 55 anos, ficou com 90% do corpo queimado após seu carro pegar fogo em uma colisão com um Camaro, na Zona Norte de São Paulo, no dia 30/09/2011e morreu por volta das 23h de terça-feira (04/10/2011) no Hospital das Clínicas.

Felipe de Lorena Infante Arenzon, de 20 anos, provocou uma série de acidentes no trânsito que resultou na morte de Edson Roberto Domingues, de 55 anos, esposo da nossa amiga de luta, Nilza das Graças.

O jovem tinha ganhado um camaro do pai havia três semanas e estava em altíssima velocidade. Felipe também estava embriagado. 
 
Em setembro de 2012, Felipe Arenzon foi pronunciado ao júri popular e responderá por homicídio doloso (quando há intenção de matar) triplamente qualificado; dupla tentativa de homicídio; omissão de socorro; embriaguez ao volante e fuga no local do acidente.


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Geísa Firmo Gonçalves Gualter Damasceno Rocha Rebecca Cristina Alves Simões Larissa dos Santos Atanázio Gislainni Paola Neves Santos Elmiro Martins de Oliveira Neto Sabrina Silvestre Fontão Cínthia Lívia de Araújo Míriam Oppenheimer Leão Brandão Sérgio Porfírio Cardoso Estefani Vitoria Rochinski Daniel Ribeiro de Almeida Cirne Ana Clara Cunha da Mata Bruno Souza Lopes Sara Borges Rocha Natália Broglio Murillo Grazielly Almeida Lames Veruska Prado de Jesus Hozana Rodrigues Kaio Lucas Garcia Negris Maria Carolina Diniz
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS