Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Rachel Maria Lobo Genofre (Pedofilia)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 03/11/2008

Localização: Curitiba (PR)

Data de Nascimento: 08/02/1999 (9 anos)

Data de Falecimento: 03/11/2008

Sexo: Feminino Feminino
 

O corpo de Rachel Maria Lobo Oliveira Genofre, de 9 anos foi encontrado dentro de uma mala na rodoviária de Curitiba, na madrugada  do dia 05/11/08, com sinais de estrangulamento e violência sexual.

Rachel Lobo Genofre estava desaparecida desde 03/11/08. Ela saiu da escola por volta das 17h30 e sumiu. O Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas já estava investigando o paradeiro de Rachel Lobo Genofre. A menina costumava ir à unidade de ensino sozinha há cerca de um ano. No trajeto, ela andava de ônibus.

O corpo apresentava sinais de estrangulamento e de violência sexual. A polícia de Curitiba ainda investiga o caso, mas até o momento nenhuma pista e ninguém foi preso. O caso continua um mistério e o assassino circula livremente, pois não foi identificado.

3 anos após o crime, a polícia ainda não encontrou o culpado. Mais de 50 suspeitos realizaram teste de DNA para ser comparado ao material genético encontrado no corpo da vítima e 200 pessoas foram interrogadas.

Os pais de Rachel Lobo Genofre, Maria Cristina Lobo Vieira e Michael Genofre em entrevista desabafam:

Cristina disse que com frequência telefona para o Centro de Operações Policiais Especiais - Cope - para confirmar que o trabalho continua. “Eu ainda acredito na polícia. Sei que até pessoas do meu relacionamento foram investigadas, tiveram que fazer exames de DNA. Enquanto não descobrirem o assassino, todas as linhas de investigação devem ser trabalhadas”, comentou.

Genofre, desabafou " Nós não temos escolha. Tem de confiar na polícia. Se a polícia não chegar até o indivíduo, não tem quem chegue. Os policiais, tanto pela parte profissional, como pela opinião pública, como também pela história, estão mobilizados. Então, tudo contribui para que eles façam o melhor."

5 anos se passaram e o caso Rachel Genofre ainda é um enigma. As investigações levaram simplesmente a lugar nenhum. Sem o culpado atrás das grades, o luto, para a família, fica longe do fim. “Eu ainda não consegui ‘enterrar’ a minha filha”, desabafa a mãe de Rachel, Maria Cristina Lobo de Oliveira. “Não consigo nem ir ao cemitério”, diz. 

De acordo com a psicóloga e psicanalista, Vânia Mercer, responsável pelo Programa de Travessias, que estuda temas relacionados a perdas na vida, o processo normal de luto costuma durar cerca de dois anos. No caso Rachel, a tendência é que esse período seja mais extenso. “A Rachel ficou dias desaparecida, quando o corpo apareceu, o estado foi chocante. O fato de o autor não ter sido localizado é um agravante”, explica. “Como o casal [os pais de Rachel] eram separados pode ter também ocorrido uma crise de responsabilidade”, diz.
 
A mãe Maria Cristina afirma que ainda divide sua luta na tentativa de “achar o monstro” que matou sua filha e de dar um rumo na vida. “Continuo trabalhando, tentando me apegar às coisas do cotidiano, ao mesmo tempo, tento acompanhar as investigações de perto”, conta.
 
Segundo a delegada responsável pelo inquérito, Vanessa Alice, uma equipe, composta por dois investigadores, trabalha exclusivamente, até hoje, na tentativa de solucionar o caso. Cerca de 60 suspeitos foram submetidos a exame de DNA. Todos deram negativo. “Há momentos de certeza, mas depois vem a decepção com o resultado do exame”, comenta. “Mas o inquérito não está parado e eu não perdi as esperanças. Con­tinuamos investigando suspeitos que eram conhecidos da família. Temos duas possibilidades que estão sendo averiguadas”, diz.
 
Segundo Vânia, manter-se ativo e não transformar o assunto “caso Rachel” em tabu é a melhor forma de se “elaborar o luto”, ou seja, trabalhá-lo. E isso vale não só para os pais, mas para a comunidade. “O luto não é só dos pais. Tem o luto também dos colegas de Rachel, dos pais dos colegas. Eles também não elaboraram o luto ainda. Deixar de falar sobre o assunto, transformando-o em tabu, não resolve”, explica.
 
Uma das maneiras de fazer isso, explica a especialista, é exigindo políticas públicas que protejam outras crianças. “A escola de onde ela desapareceu [Insti tuto de Educação do Paraná] continua abandonada. Há um descaso do governo com a saída das crianças.” Vânia sugere um trabalho sobre paz e solidariedade que envolvesse a comunidade escolar e orienta retrabalhar o sentimento de culpa e dá um alerta aos pais: “Dar autonomia pode pôr a criança em risco, mas deixá-la dependente também”.
 
Por Sandra Domingues com informações do Gazeta do Povo, Paraná Online e G1

O corpo de Rachel Maria Lobo Oliveira Genofre, de 9 anos foi encontrado dentro de uma mala na rodoviária de Curitiba, na madrugada  do dia 05/11/08, com sinais de estrangulamento e violência sexual. 

Rachel Lobo Genofre estava desaparecida desde 03/11/08. Ela saiu da escola por volta das 17h30 e sumiu. 

5 anos se passaram e o caso Rachel Genofre ainda é um enigma. As investigações levaram simplesmente a lugar nenhum. Sem o culpado atrás das grades, o luto, para a família, fica longe do fim. “Eu ainda não consegui ‘enterrar’ a minha filha”, desabafa a mãe de Rachel, Maria Cristina Lobo de Oliveira. “Não consigo nem ir ao cemitério”, diz. 

De acordo com a psicóloga e psicanalista, Vânia Mercer, responsável pelo Programa de Travessias, que estuda temas relacionados a perdas na vida, o processo normal de luto costuma durar cerca de dois anos. No caso Rachel, a tendência é que esse período seja mais extenso. “A Rachel ficou dias desaparecida, quando o corpo apareceu, o estado foi chocante. O fato de o autor não ter sido localizado é um agravante”, explica. “Como o casal [os pais deRachel] eram separados pode ter também ocorrido uma crise de responsabilidade”, diz.
 
A mãe Maria Cristina afirma que ainda divide sua luta na tentativa de “achar o monstro” que matou sua filha e de dar um rumo na vida. “Continuo trabalhando, tentando me apegar às coisas do cotidiano, ao mesmo tempo, tento acompanhar as investigações de perto”, conta.
 
Segundo a delegada responsável pelo inquérito, Vanessa Alice, uma equipe, composta por dois investigadores, trabalha exclusivamente, até hoje, na tentativa de solucionar o caso. Cerca de 60 suspeitos foram submetidos a exame de DNA. Todos deram negativo. “Há momentos de certeza, mas depois vem a decepção com o resultado do exame”, comenta. “Mas o inquérito não está parado e eu não perdi as esperanças. Con tinuamos investigando suspeitos que eram conhecidos da família. Temos duas possibilidades que estão sendo averiguadas”, diz.
 
Segundo Vânia, manter-se ativo e não transformar o assunto “caso Rachel” em tabu é a melhor forma de se “elaborar o luto”, ou seja, trabalhá-lo. E isso vale não só para os pais, mas para a comunidade. “O luto não é só dos pais. Tem o luto também dos colegas de Rachel, dos pais dos colegas. Eles também não elaboraram o luto ainda. Deixar de falar sobre o assunto, transformando-o em tabu, não resolve”, explica. 

Por Sandra Domingues  com informações do Gazeta do Povo, Paraná Online e G1


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Tatiana Trajano de Santana Grace Kelly da Silva Márcia Cristina Sales Militão Edinei Pereira Gomes Raquel Mota Rodrigues Felipe Selhi Cunha Fabiana Caggiano Paes Edison Tsung Chi Hsueh Tábata Conrado Carlos Alberto da Silva Ferreira Jácomo Lima Bonapace Vinícius Cesarino Quênia Rosa Santos Décio Soares Danilo Ramos Ribeiro Alexandre do Nascimento Farias Ana Karina Matos Guimarães William Francis de Oliveira Morais Priscilla Gomes de França Giorgio Renan Ernlund Metynoski Aracy Mendonça Da Silva Leopardi
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS