Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Chacina de Vigário Geral (Chacina)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 29/08/1993

Localização: Rio de Janeiro (RJ)

Data de Falecimento: 29/08/1993

Sexo: Masculino Masculino
 

A Chacina de Vigário Geral foi um massacre ocorrido na favela de Vigário Geral, localizada na Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro. Ocorreu na madrugada do dia 29 de agosto de 1993, quando a favela foi invadida por um grupo de extermínio formado por de mais de cinqüenta homens encapuzados e armados, que arrombaram casas e executaram vinte e um moradores foram assassinados, sendo 13 homens, 6 mulheres e 2 adolescentes. A chacina de Vigário Geral foi uma das maiores a já ocorrer no Estado do Rio de Janeiro.

Segundo relatos, a chacina teve sua origem na morte de quatro Policiais Militares no dia 28 de agosto de 1993 na Praça Catolé do Rocha, no bairro de Vigário Geral (a chacina foi na favela de Vigário Geral, do outro lado da linha férrea). As mortes foram atribuídas a traficantes daquela região e a chacina ocorreu como forma de represália policial a estas mortes, ainda que nenhuma das vítimas possuísse envolvimento com o tráfico de drogas. Na época da chacina, oficiais da Polícia Militar recorreram aos meios de comunicação para acusar a existência de um complô contra a corporação e negar que a Polícia estivesse envolvida nas mortes.
 
Foi a maior chacina registrada na história da polícia fluminense. Dos 52 PMs denunciados pelo Ministério Público, apenas sete foram condenados, e dentre eles somente Paulo Roberto Alvarenga e José Fernandes Neto foram levados a júri popular. Em 27 de abril de 1997, Alvarenga foi condenado a 449 anos e oito meses, mas teve a sua pena reduzida para 57 anos pelo Supremo Tribunal Federal. Como a pena foi superior a 20 anos, ele protestou por novo júri. Em 20 de setembro de 2000, José Fernandes Neto foi condenado a 45 anos e, como Alvarenga, recorreu da sentença. A Chacina do Vigario Geral alcançou repercussão internacional. 
 

Chacina de Vigário Geral foi um massacre ocorrido na favela de Vigário Geral, localizada na Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro. Ocorreu na madrugada do dia 29 de agosto de 1993, quando a favela foi invadida por um grupo de extermínio formado por de mais de cinqüenta homens encapuzados e armados, que arrombaram casas e executaram vinte e um moradores foram assassinados, sendo 13 homens, 6 mulheres e 2 adolescentes. A chacina de Vigário Geral foi uma das maiores a já ocorrer no Estado do Rio de Janeiro.

Segundo relatos, a chacina teve sua origem na morte de quatro Policiais Militares no dia 28 de agosto de 1993 na Praça Catolé do Rocha, no bairro de Vigário Geral (a chacina foi na favela de Vigário Geral, do outro lado da linha férrea). As mortes foram atribuídas a traficantes daquela região e a chacina ocorreu como forma de represália policial a estas mortes, ainda que nenhuma das vítimas possuísse envolvimento com o tráfico de drogas. Na época da chacina, oficiais da Polícia Militar recorreram aos meios de comunicação para acusar a existência de um complô contra a corporação e negar que a Polícia estivesse envolvida nas mortes.
 
Foi a maior chacina registrada na história da polícia fluminense. Dos 52 PMs denunciados pelo Ministério Público, apenas sete foram condenados, e dentre eles somente Paulo Roberto Alvarenga e José Fernandes Neto foram levados a júri popular. Em 27 de abril de 1997, Alvarenga foi condenado a 449 anos e oito meses, mas teve a sua pena reduzida para 57 anos pelo Supremo Tribunal Federal. Como a pena foi superior a 20 anos, ele protestou por novo júri. Em 20 de setembro de 2000, José Fernandes Neto foi condenado a 45 anos e, como Alvarenga, recorreu da sentença. A Chacina do Vigario Geral alcançou repercussão internacional. 
 


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Arthur Lourenço Alcaide Miquelan Júlio César Rodrigues Everton Barbosa Belmont Luiz Carlos Soares da Costa Larissa dos Santos Atanázio Rafael Macedo Vieira Cauã Figueiredo de Mendonça Souza Marcelo Alves da Silva Danillo Lopes Barros Pinto Felipe Selhi Cunha  Ricardo Prudente de Aquino Wesley Guilber de Andrade Josefa Santos Cunha Carlos Alberto da Silva Ferreira Ana Clara Cunha da Mata Marcelo Castelo Branco Iudice Michele Amorim Lopes Emily Guedert de Araújo Pedro Branco Couto Rodrigues Lore de Santana Vaz Geovanna Pereira de Almeida
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS