Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Jeferson Bruno Gomes Escobar (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 19/03/2011

Localização: Campo Grande (MS)

Data de Nascimento: 00/00/1988 (23 anos)

Data de Falecimento: 19/03/2011

Sexo: Masculino Masculino
 

Jeferson Bruno Gomes Escobar, de 23 anos, que fazia a segurança da casa noturna Valley Pub, em Campo Grande, foi morto na madrugada de sábado, 19/03/2011.

Jeferson advertiu o cliente, Christiano Luna de Almeida, de 23 anos, que estava embriagado, duas vezes e na terceira teve que retirá-lo do local. Mas desta vez levou chutes no peito, que foram fatais.
 
Uma equipe do Samu (Serviço Móvel de Urgência) chegou a ser encaminhada até o local, que fica na avenida Afonso Pena, mas a vítima não resistiu.
 
Christiano fugiu após ter agredido Jeferson e foi localizado pela Polícia em casa, no bairro Chácara Cachoeira, foi preso e levado até a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro, onde foi autuado por lesão corporal seguida de morte. A pena pode variar entre quatro a doze anos.
 
Acusado pela morte do segurança Jefferson Bruno Gomes Escobar, o estudante de Direito Cristhiano Luna de Almeida, de 23 anos, teve pedido de habeas corpus indeferido pela segunda turma criminal do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).
o juiz da 3ª Vara Criminal, Ivo Salgado da Rocha, negou o pedido de liberdade protocolado pela defesa de Christiano. Durante depoimento, ele informou aos policiais que é lutador de Jiu-Jitsu. 
 
A vítima trabalhava no local há três meses, fazia "bico" para poder pagar um carro. Depois do velório, que aconteceu ontem no cemitério Santo Amaro, parentes e amigos inconformados fizeram manifestação em frente ao Fórum de Campo Grande pedindo justiça. Foram necessárias muitas pessoas para imobilizar o agressor, que parecia ainda querer continuar a confusão. Christiano ainda foi para casa e só foi preso quando testemunhas ligaram para a polícia informando a placa do carro.
 
De acordo com a Polícia, Christiano já tem uma passagem por lesão corporal ao se envolver em briga durante uma festa no parque de exposições Laucídio Coelho, em 2009.
 
“Meu filho saiu bem de casa para trabalhar e vou receber ele no caixão. Todo mundo está revoltado. Ele era muito querido. A gente quer justiça. Meu filho estava trabalhando”, diz a cozinheira Selma Gomes Vieira, 40 anos, mãe do segurança, Jeferson Bruno Gomes Escobar.
 
Ela conta que Jeferson era um rapaz cheio de planos. Havia começado a cursar direito em uma universidade particular da Capital, a qual pagava com o dinheiro do trabalho como segurança, que trancou após a compra do primeiro veículo, há 2 meses. “Nem desfrutou do carrinho dele”, disse a mãe.
 
A meta de Jeferson era terminar a faculdade e prestar concurso público para a carreira de policial.
 
O jovem vivia e cuidava da avó idosa em uma casa próxima a da mãe, a qual freqüentava diariamente. Selma lembra que viu o filho pela última vez na noite de ontem (19), pouco antes de ir trabalhar. Hoje, ele havia prometido jantar na casa dela durante reunião de família, já que parentes de Minas Gerais e Aquidauana visitavam a cidade.
 
“Ele era alegre, brincalhão, tinha um monte de amigos”, disse a mãe.
 
Apesar de clamar por justiça, Selma afirma não confiar na punição do responsável. “A justiça é lenta. Para pobre não existe. Mas da justiça de Deus ele não está livre. Tirou meu filho na flor da idade”, disse a mãe.
 
O advogado de Christiano, Abdalla Maksoud Neto, afirma que o cliente estava “muito bêbado” e apenas se defendeu sem a intenção de matar. Segundo ele, o jovem é recém formado em Direito e tem emprego no serviço público, mas não soube dizer em qual órgão.
 
“Todos dizem que o segurança estava sobre o Christiano, que para se desvencilhar do cara, que era muito maior do que ele deu um soco”, garante. Abdala considera o caso “uma fatalidade”. “Ninguém quer matar ninguém dando um soco, não é?”
 
Impunidade
 
A Justiça mandou soltar, na tarde de 02/05/2011, o bacharel em Direito Christiano Luna de Almeida, de 23 anos, preso há 40 dias, acusado de matar o segurança Jeferson Bruno Gomes Escobar, conhecido como Brunão, durante uma confusão ocorrida em uma casa noturna na avenida Afonso Pena, em Campo Grande, no dia 19 de março.
 
A decisão foi dada pela 2ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça, ao julgar o pedido de habeas corpus, que havia sido negado pelo juiz de primeiro grau e na apreciação da liminar pelo TJ.
 
O alvará de soltura de Christiano já foi expedido. Os advogados que o defendem, Ricardo Trad, Assaf Trad Neto e Ralph Cunha Nogueira, tiveram aceito o argumento de que a manutenção de Christiano não tinha motivos.
 
Durante a sustentação oral na sessão que julgou o habeas corpus, o advogado Ricardo Trad voltou a rechaçar a tese da acusação de homicídio doloso. Para o advogado, o que aconteceu foi uma rixa qualificada, como são tipificadas criminalmente brigas com agressões mútuas.
 
De acordo com o defensor, a perícia no vídeo feito durante a confusão mostrou que houve uma luta corporal entre Christiano e três seguranças da casa noturna, incluindo Jefferson Bruno, conhecido como Brunão.
 
Outra contestação feita pela defesa é em relação à versão de que Christiano, praticante de jiu-jitsu, teria usado golpes da arte marcial contra Jefferson Bruno. Para isso, Ricardo Trad cita o depoimento de um integrante da Federação de Artes Marciais. "O depoimento à Polícia aponta que Christiano se defendia a esmo. Isso não pode ser visto como golpe de arte marcial".
 
Acusação questionada- Para ele, não faz sentido a acusação de homicídio doloso qualificado, que consta da acusação feita pelo Ministério Público Estadual. “Motivo torpe é queimar um índio vivo, como já aconteceu no País”, comparou. O advogado afirma que seu cliente vem sendo massacrado pela opinião pública e que está havendo prejulgamento,principalmente por parte da imprensa.
 
Trad afirmou que após o julgamento no TJ, ele e os outros advogados, um deles seu filho,chegaram a ouvir ofensas de familiares de Brunão. “Depois, pediram desculpa e o clima serenou.
 
Mesmo assim, o advogado diz que vai pedir “cautelas”, ou seja, segurança, na saída de Christiano do Presídio de Trânsito, onde está desde o dia da confusão que resultou na morte do segurança.
 
O julgamento de Christiano Luna de Almeida, acusado de assassinar o jovem Jeferson Bruno Gomes Escobar acontecerá no dia 12 de dezembro de 2012, às 08:00h no auditório da 2ª Vara Tribunal do Júri, em Campo Grande-MS
 
Por Sandra Domingues, com informações do Campo Grande News e MS Record

Assista agressão ao jovem Jeferson Bruno Gomes Escobar

“Ele era alegre, brincalhão, tinha um monte de amigos”, disse a mãe.(Foto: Ricardo Campos Jr.)

Christiano Luna de Almeida, acusado pela morte de Jeferson Bruno Gomes Escobar

Jeferson Bruno Gomes Escobar, de 23 anos, que fazia a segurança da casa noturna Valley Pub, em Campo Grande, foi morto na madrugada de sábado, 19/03/2011.

Jeferson advertiu o cliente, Christiano Luna de Almeida, 23 anos, que estava embriagado, duas vezes e na terceira teve que retirá-lo do local. Mas desta vez levou chutes no peito, que foram fatais.
 
Em 21/03/2011, o juiz da 3ª Vara Criminal, Ivo Salgado da Rocha, negou o pedido de liberdade protocolado pela defesa de Christiano. Durante depoimento, ele informou aos policiais que é lutador de Jiu-Jitsu. O autor será indiciado por lesão corporal seguida de morte. A pena pode variar entre quatro a doze anos.
 
Impunidade
 
A Justiça mandou soltar, na tarde de 02/05/2011, o bacharel em Direito Christiano Luna de Almeida, de 23 anos, preso há 40 dias, acusado de matar o segurança Jeferson Bruno Gomes Escobar, conhecido como Brunão, durante uma confusão ocorrida em uma casa noturna na avenida Afonso Pena, em Campo Grande, no dia 19 de março.
 
A decisão foi dada pela 2ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça, ao julgar o pedido de habeas corpus, que havia sido negado pelo juiz de primeiro grau e na apreciação da liminar pelo TJ.
 
O alvará de soltura de Christiano já foi expedido. Os advogados que o defendem, Ricardo Trad, Assaf Trad Neto e Ralph Cunha Nogueira, tiveram aceito o argumento de que a manutenção de Christiano não tinha motivos.

O julgamento de Christiano Luna de Almeida, acusado de assassinar o jovem Jeferson Bruno Gomes Escobar acontecerá no dia 12 de dezembro de 2012, às 08:00h no auditório da 2ª Vara Tribunal do Júri, em Campo Grande-MS
 
Por Sandra Domingues, com informações do Campo Grande News e MS Record


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Vitor Hugo em 27/02/2012 20:05
nossa acabei de ler e ver o vídeo não acredito, eu estudei na faculdade com o BRUNÃO. isso é uma covardia ele so estava trabalhando. este rapaz que o matou merece prisão. vitor hugo-são paulo


Eliane F. Aquino em 18/08/2011 13:27
CONHECI O BRUNO DE VISTA QUASE TODOS OS DIAS VIA ELE TINHA UMA APARENCIA TRANQUILA E COM CERTEZA TINHA MUITOS AMIGOS SEMPRE ESTAVA ACOMPANHADO POR ALGUEM SEMPRE SORRINDO REVOLTA A IMPUNIDADE


Tatiane em 08/05/2011 11:08
Conheci brunão estou revoltada com a decisão da justiça de soltar o monstro.Brunão era um ótimo rapaz está fazenda muita falta

Celso Augusto Daniel Murilo Rezende da Silva Milena dos Santos Nascimento Polyanna Arruda Borges Leopoldino Luana de Jesus Amorim Miranda Alexandre dos Santos Rafaella Morais de Souza Francisco Ferreira Oliveira Neto Jácomo Lima Bonapace Mercia Mikie Nakashima Thays Nascimento Martins Edison Tsung Chi Hsueh João Roberto Amorim Soares Giovanna Cremon Matheus Cavalcanti Ramalho Gabriella Oliveira Ribeiro Kamilly Vitória Pereira Giulia de Oliveira da Silva Taiane Monteiro de Lima Millena Freitas dos Santos Rafael Abbatipietro Nunes Rosa
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS