Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Thaís Tokomoto (Bala Perdida)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 17/02/2011

Localização: Campinas (SP)

Data de Nascimento: 15/07/1986 (24 anos)

Data de Falecimento: 17/02/2011

Sexo: Feminino Feminino
 

A arquiteta Thaís Tokomoto, 25 anos, morta na noite de 17 de fevereiro de 2011 durante tentativa de assalto em Campinas, foi atingida na cabeça por um disparo da arma de um policial militar à paisana, que trocou tiros com os bandidos.

De acordo com o laudo divulgado pelo Instituto de Medicina Legal (IML) de Campinas sobre a análise feita no corpo da arquiteta Thaís Tokomoto, o exame mostra que os dois disparos que atingiram a arquiteta foram pelas costas e acertaram a nuca e o ombro esquerdo.

O laudo balístico divulgado pela DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Campinas, em 18/03/2011 confirmou que a bala que atingiu a cabeça da arquiteta Thaís Tokomoto. Segundo o titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Campinas, José Carlos Fernandes da Silva, o tiro partiu de uma pistola semiautomática calibre 380. Além da cabeça, Thais também foi alvejada por um segundo disparo no ombro esquerdo por um dos assaltantes

O PM estava de folga, acompanhado da mulher, quando percebeu que dois homens retiraram a jovem de dentro do carro. Eles serão convocados a prestar novos esclarecimentos. Outra testemunha também presenciou a chegada dos assaltantes e pode ser convocada a dar mais informações.

Conforme a policia, as testemunhas disseram que três homens em um carro interceptaram a arquiteta, que seguia com seu veículo pela Estrada da Rhodia, no distrito de Barão Geraldo. Ela foi arrancada do carro por um dos suspeitos. O policial se identificou e exigiu que eles soltassem a mulher. Os assaltantes começaram a atirar, e o PM teria reagido. Nenhum dos suspeitos foi identificado até o momento.

A dupla de assaltantes fugiu em um carro para com uma terceira pessoa que dava cobertura.

A polícia acredita que o outro disparo tenha partido da arma de um dos criminosos.O policial já se apresentou na delegacia e prestou depoimento. O PM vai aguardar o julgamento em liberdade.

Antes de concluir o inquérito, o delegado deve pedir a reconstituição do crime, além de ouvir novamente o policial militar e a esposa dele, que presenciou a troca de tiros. Segundo José Carlos Fernandes da Silva, o PM deve ser indiciado por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, ou por homicídio por legítima defesa.

 

O corpo de Thaís Tokomoto foi enterrado, às 16h, do dia 18/02/2011 no cemitério do Flamboyant.
 
Em mídias sociais amigos deixaram mensagens para traduzir o sentimento de perda da amiga. Um dos colegas, que estava no velório, disse que o noivado era um dos assuntos que estava sendo comentado com as amigas antes de ir para o distrito de Barão Geraldo.

 

Balas Perdidas...quando isso vai ter fim?

O cantor, Leandro Sapucahy, expressou nessa linda música " Bala Perdida" toda a realidade da dor de uma família que perde o seu ente querido, vítima de bala perdida...

"Pra nunca mais ver na TV outra mamãe chorar, sofrer...enxugue as lágrimas que rolam em pranto...Deus que cubra a todos com Sagrado Manto!"
 
Abaixo-assinado Movimento O Rio Pede Paz e Gabriela Sou da Paz juntos pelas Famílias Vítimas de Balas Perdidas
 
Por favor Assine e Divulgue a Petição Pública
 

A arquiteta Thaís Tokomoto, 25 anos, morta na noite de 17 de fevereiro de 2011 durante tentativa de assalto em Campinas, foi atingida na cabeça por um disparo da arma de um policial militar à paisana, que trocou tiros com os bandidos.

De acordo com o laudo divulgado pelo Instituto de Medicina Legal (IML) de Campinas sobre a análise feita no corpo da arquiteta Thaís Tokomoto, o exame mostra que os dois disparos que atingiram a arquiteta foram pelas costas e acertaram a nuca e o ombro esquerdo.

O laudo balístico divulgado pela DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Campinas, em 18/03/2011 confirmou que a bala que atingiu a cabeça da arquiteta Thaís Tokomoto. Segundo o titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Campinas, José Carlos Fernandes da Silva, o tiro partiu de uma pistola semiautomática calibre 380. Além da cabeça, Thais também foi alvejada por um segundo disparo no ombro esquerdo por um dos assaltantes

A polícia acredita que o outro disparo tenha partido da arma de um dos criminosos.O policial já se apresentou na delegacia e prestou depoimento. O PM vai aguardar o julgamento em liberdade.

Antes de concluir o inquérito, o delegado deve pedir a reconstituição do crime, além de ouvir novamente o policial militar e a esposa dele, que presenciou a troca de tiros. Segundo José Carlos Fernandes da Silva, o PM deve ser indiciado por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, ou por homicídio por legítima defesa.



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Cláudio Carvalho Tenório João Marcos Campos Moraes Ives Yossiaki Ota Alex Damaceno de Souza Ryan Alves Camargo João Cláudio Cardoso Leal Tarsila Gusmão Vieira de Melo Josenildo José Ferreira de Oliveira Larissa de Carvalho Laís Matavelli Carlos Magno Oliveira Marcos Vinícius Gonçalves Souza Gilmar Rafael Souza Yared Marcos dos Reis Henriques Marcia Nascimento Gomes Saulo Victor da Silva Edinei Pereira Gomes Luiza Paula da Silveira Machado Victor Emanuel Muanis Fabrício Krettli de Souza Amanda Glívia Vale
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS