Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Renata Alexandre Costa Coelho (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 18/12/2010

Localização: Camaragibe (PE)

Data de Nascimento: 00/00/1985 (25 anos)

Data de Falecimento: 18/12/2010

Sexo: Feminino Feminino
 

A advogada Renata Alexandre Costa Coelho, 25 anos, foi assassinada pelo marido, o supervisor de vendas Rogério Damascena, 29 anos,  na festa de seu casamento. O crime aconteceu em 18/12/2010, no condomínio Casa Grande de Aldeia, no quilômetro 14 da estrada do bairro. Na sexta-feira (17/12/2010), o casal havia realizado a cerimônia no civil. 

Além de assassinar a esposa, Rogério Damascena assassinou  o chefe dele e padrinho do casal, Marcelo Guimarães, 40 anos, depois se matou com um tiro na testa durante sua festa de casamento. O irmão da noiva, Tiago Guerra, ficou ferido. Ele foi atendido no Hospital Santa Joana e teve alta.  
 
Rogério Damascena chegou a ser internado no Hospital da Restauração (HR), mas não resistiu e teve morte cerebral na manhã do domingo (19/12/2010). O enterro dele foi realizado no cemitério Parque das Flores. O corpo de Renata Coelho foi velado e enterrado no Cemitério de Santo Amaro na capital Pernambucana. Já o enterro de Marcelo Guimarães foi no cemitério Morada da Paz, em Paulista.
 
Segundo testemunhas, a festa transcorria normalmente até o momento em que o noivo dirigiu-se à caminhonete do pai, onde supostamente estaria a arma. A caminhonete do pai e o carro onde o noivo foi levado para o HR já foram periciados e acredita-se que a arma do crime seja uma pistola calibre .380. Essa arma segue desaparecida.
 
Familiares e amigos ficaram perplexos com o desfecho de uma história de amor.
 
Relatos da família e de pessoas ligadas à noiva, Renata Coelho, redesenharam o perfil do noivo, como uma pessoa calma, mas com rompantes de ciúmes. Em um deles, durante uma reunião de amigos, alguns meses atrás, Rogério teria discutido e chegado a empurrar o marido de uma sobrinha de Renata, achando que o homem estava flertando com a noiva. Por causa do episódio, a moça não teria ido ao casamento da tia, realizado em um condomínio de luxo em Aldeia, Camaragibe.
 
A hipótese de traição foi descartada por amigos e familiares dos três envolvidos – o casal e Marcelo André Zloccowick, gerente financeiro da empresa onde Rogério trabalhava como vendedor.Uma amiga de faculdade de Renata, que não quis se identificar, disse que ela havia dito que o noivo ´tinha um gênio horrível`. De acordo com ela, em 2008, o casal ficou dois meses separados.Segundo outra colega da faculdade, Renata já havia contado para algumas amigas que o noivo era ciumento e que ele cobrava ciúmes dela. ´Quando ela estava no carro com ele, não podia nem olhar para os lados`, contou outra amiga. Além de advogada, a noiva era defensora pública do município de Amaraji, na Mata Sul.
 
O supervisor de vendas Rogério Damascena premeditou o crime segundo a polícia:
 
- Ele chegou e anunciou que todos teriam uma surpresa. O cenário revela um quadro técnico de premeditação, tanto é que havia uma arma no veículo e ele, em algum momento da festa, a pegou. Ele premeditou de modo calculado, para que isso acontecesse depois do casamento civil, realizado na sexta-feira (17/12), não há dúvida – diz o delegado João Brito, que registrou o flagrante no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).
 
Formada em Direito no ano de 2008 na Universidade Salgado Oliveira (Universo), Renata Alexandre Costa Coelho, já seguia a carreira de advogada e era considerada uma pessoa querida e de bem com a vida. Os amigos da universidade reunidos eram o retrato dos elogios feitos à moça. Uma amiga da vítima chegou a considerar que o velório mais parecia uma brincadeira de mau gosto. Outros presentes chegavam a comentar que por volta das 3h, Rogério disse à noiva que iria buscar um presente no carro. Na volta, ele teria dado um abraço e um beijo em Renata, seguidos de disparos da arma que ele já levava nas mãos. Alguns relatos deram conta de que depois de atirar em Renata e no amigo Marcelo, Rogério aparentava procurar uma outra pessoa.
 
Uma das amigas mais próximas de Renata, que preferiu não se identificar, contou que saiu da festa por volta da 1h30, e não acreditou quando recebeu a notícia, já que o noivo em nenhum momento aparentava desespero ou nervosismo. “Ela (Renata) estava linda, a festa estava linda, e eles estavam muito felizes. Eu não tinha muito contato com ele (Rogério), mas percebi que ele estava bastante alegre, cantando, dançando e brincando com todos a todo momento”, disse. Assim como a amiga, a maioria dos presentes no velório de Renata dizia não ter muito contato com Rogério, portanto não conseguiam enxergar a motivação para o crime.
 
Uma prima de Rogério contou apenas que ele morava com a mãe no bairro de San Martin, mas que já havia comprado um apartamento onde iria morar com Renata. Ainda segundo ela, os pais de Rogério são separados, e ele era muito ligado ao pai, com quem tinha uma forte amizade. E foi o pai de Rogério, identificado como João Bosco, quem prestou o primeiro depoimento colhido pelo delegado João Brito, da Força Tarefa Norte, uma vez que a arma estava na Picape pertencente a ele.
 
A polícia ouvirá a vítima que estava ferida no hospital, outros familiares e convidados. “Se o acusado não tivesse ido a óbito seria indiciado por duplo homicídio e tentativa. Mas as investigações terão continuidade. A polícia que saber onde está arma usada no crime e se mais alguma pessoa sabia que essa tragédia iria ocorrer”
 
Até agora foi ouvido o pai do noivo, João Bosco Damasceno, 59, que, segundo a Polícia, não acrescentou muito às investigações, já que não morava com Rogério. O inquérito tem prazo de 30 dias para ser concluído e será entregue ao Ministério Público. Em seguida será arquivado por não existir punibilidade.

 

Foto: Reprodução / Internet
Rogério e Renata: assassinatos e suicídio depois do casamento

Uma história terrível: a noite era de comemoração. Um casamento. (Reprodução/Portal G1)

A advogada Renata Alexandre Costa Coelho, 25 anos, foi assassinada pelo marido, o supervisor de vendas Rogério Damascena, 29 anos,  na festa de seu casamento. O crime aconteceu em 18/12/2010 em um condomínio em Camaragibe, na Grande Recife.

Além de assassinar a esposa, Rogério Damascena assassinou  o chefe dele e padrinho do casal, Marcelo Guimarães. Depois, se matou com um tiro na testa durante sua festa de casamento.
 
A polícia ouvirá a vítima que estava ferida no hospital, outros familiares e convidados. “Se o acusado não tivesse ido a óbito seria indiciado por duplo homicídio e tentativa. Mas as investigações terão continuidade. A polícia que saber onde está arma usada no crime e se mais alguma pessoa sabia que essa tragédia iria ocorrer”, salientou o delegado João Brito.
 
Até agora foi ouvido o pai do noivo, João Bosco Damasceno, 59, que, segundo a Polícia, não acrescentou muito às investigações, já que não morava com Rogério. O inquérito tem prazo de 30 dias para ser concluído e será entregue ao Ministério Público. Em seguida será arquivado por não existir punibilidade.


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Lucas Cardoso Fortuna Daniela Nogueira Oliveira Rosa Maria Leite Alves Anderson Silva de Oliveira Júnior Márcia Andréia do Prado Constantino Pedro Davison Pedro Augusto Santos Prates Beltrão Flavio Chalamai dos Santos Suênia Souza Faria Madeleine Beth McCann Stephanie dos Santos Teixeira Marcos Roberto Pretel Viana Evaldo José Nalin Eliza Silva Samudio Luana de Jesus Amorim Miranda Wagner Marques dos Santos Danilo Barros de Souza Monique Valéria de Miranda Kelbson Nogueira Diógenes Rosângela Barbosa Alves Miriam Afif José Baltresca
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS