Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Alessandra de Melo Carvalho (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 24/06/2007

Localização: João Pessoa (PB)

Data de Nascimento: 25/04/1980 (27 anos)

Data de Falecimento: 24/06/2007

Sexo: Feminino Feminino
 

Luciano Augusto de Sousa, 36 anos, vigilante, inconformado com o fim do casamento de 9 anos, abordou a ex-esposa, Alessandra de Melo Carvalho, 27 anos, no ponto de ônibus no Conjunto José Vieira Diniz, no Bairro do Jardim Veneza, na manhã do dia 24 de junhode 2007. Mesmo na companhia do pai, José Pereira de Carvalho, à época com 57 anos, Alessandra foi atingida por mais de 40 golpes de faca e morreu no local. Seu José também foi atingido e hospitalizado em estado grave.

A separação aconteceu por conta das constantes agressões causadas pelo ciume doentio de Luciano. Decidida a por um ponto final em seu sofrimento, Alessandra voltou para a casa dos pais com os dois filhos do casal, na ocasião com 7 e 5 anos de idade.
Luciano atacou a ex-mulher com duas facas e fugiu logo em seguida. Na prisão, ficou conhecido como “Açougueiro”.
 
Luciano Augusto de Sousa, assassino confesso de Alessandra de Melo Carvalho foi a júri popular no dia 10/02/2011. O Julgamento aconteceu no Fórum Criminal de João Pessoa/ PB.
 
As entidades paraibanas de defesa dos Direitos Humanos, como Casa da Mulher Renasce Companheiras, Cunhã Coletivo Feminista e Fundação Margarida Maria Alves se organizaram para pedir justiça por mais um crime hediondo.
O protesto foi realizado em frente ao Fórum Criminal, à Avenida João Machado, em frente ao Hospital Santa Paula, a partir das 13:30 do dia 10/02/20011 com o objetivo de pedirem justiça por Alessandra e tantas outras mulheres que foram assassinadas por seus companheiros e ex-companheiros.
 
Luciano Augusto de Sousa, 35 anos, foi condenado na noite de 09/02/2011, a 23 anos e oito meses de prisão pelo assassinato de sua esposa Alessandra de Melo Carvalho, que morreu com 40 facadas, em 2007.
O julgamento foi no Fórum Criminal de João Pessoa e ocorreu através de Júri Popular.
O julgamento teve início às 15h e o pai da vítima, José Pereira de Carvalho, foi a primeira testemunha a ser ouvida. Ele afirmou que estava confiante na condenação do réu. “Espero que a justiça seja feita e que o acusado seja condenado. Não vai trazer minha filha de volta, mas pode diminuir a minha dor”, disse José.
O promotor do caso, Alexandre Varandas, pediu a condenação do réu, que permaneceu cabisbaixo durante grande parte do julgamento.

Seu José Pereira de Carvalho e o Neto, pai e filho de  Alessandra de Melo Carvalho

Movimento Mães na Dor apoiam a família de Alessandra de Melo Carvalho no protesto realizado em frente ao Fórum no julgamento do Luciano Augusto de Sousa, assassino confesso de Alessandra.

Alessandra de Melo Carvalho, 27 anos, foi atingida por mais de 40 golpes de faca e morreu no local. O assassino confesso é o ex marido. O crime  aconteceu em 2007 em João Pessoa/PB.

Luciano Augusto de Sousa, 36 anos, assassino confesso de Alessandra de Melo Carvalho foi a júri popular no dia 10/02/2011. O Julgamento aconteceu no Fórum Criminal de João Pessoa.

Luciano Augusto de Sousa, 35 anos, foi condenado na noite de 09/02/2011, a 23 anos e oito meses de prisão pelo assassinato de sua esposa Alessandra de Melo Carvalho, que morreu com 40 facadas, em 2007.

O julgamento teve início às 15h e o pai da vítima, José Pereira de Carvalho, foi a primeira testemunha a ser ouvida. Ele afirmou que estava confiante na condenação do réu. “Espero que a justiça seja feita e que o acusado seja condenado. Não vai trazer minha filha de volta, mas pode diminuir a minha dor”, disse José.
O promotor do caso, Alexandre Varandas, pediu a condenação do réu, que permaneceu cabisbaixo durante grande parte do julgamento.


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Celia E Elson em 09/02/2011 23:23
A injustiça que se faz à um,é a ameaça que se faz a todos. Amanhã queremos ver JUSTIÇA na PARAIBA. Pais de Elton

Wesley Guilber de Andrade Erica Almeida Marques Thiago do Nascimento Braz Patrícia da Costa Pessanha Raphael Alves Franco Breno Luigi Silvestrini de Araújo Márcio Costa Ana Luíza Santos Carolina Rodrigues Macchiorlatti Abdias Felício de Souza Elaine Gabriel Duarte de Lima Hugo Ribeiro Santos Camargo Renné Senna Bruno Ernesto R. Morais  Pedro Lucas Barreto da Conceição Eliza Silva Samudio Lucas Henrique Babolim Marcos José Aloise da Rocha Rodrigo Monteiro Sakavicius Lennon Sant’ana Ramos Jaciene Ianca Farias dos Santos
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS