Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Luiz Carlos Rugai (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 28/03/2004

Localização: São Paulo (SP)

Data de Nascimento: 00/00/1964 (40 anos)

Data de Falecimento: 28/03/2004

Sexo: Masculino Masculino
 

O empresário Luiz Carlos Rugai, 40 anos, e a mulher, Alessandra Fátima Troitiño, 33 anos, com quem Luiz Carlos estava casado há cerca de 10 anos, foram encontrados mortos em 28/03/2004, na casa da Rua Atibaia, em Perdizes, zona oeste de São Paulo, onde moravam e tinham uma produtora de vídeo.

O ex-seminarista Gil Rugai é acusado de matar a tiros o pai, Luiz Carlos Rugai

A polícia começou a suspeitar do filho mais velho de Luiz Carlos Rugai na mesma noite do crime. A frieza do ex-seminarista ao ver o pai e a madrasta mortos chamou a atenção dos investigadores. Pouco tempo depois, os policiais descobriram que, antes dos assassinatos, Gil Rugai tinha desviado cerca de R$ 100 mil da empresa do pai. Além disso, ele comprou uma pistola e fez curso de tiro.
 
Gil Rugai chegou a ficar preso entre 2004 e 2006, em 2009 teve a prisão decretada por ter se mudado para o Rio Grande do Sul sem informar à Justiça. O Ministério Público argumentou que o ex-seminarista poderia fugir do país em virtude da proximidade com a fronteira e o STJ revogou habeas corpus que o mantinha em liberdade, mas foi colocado em liberdade pelo Supremo Tribunal Federal (STF). 
 
A  data do júri popular ainda não foi marcada.
 
Cronologia do caso

29 de março de 2004 - Um dia após o empresário Luiz Carlos Rugai e a mulher, Alessandra Fátima Troitiño, serem encontrados mortos o vigia da rua diz ter visto Gil Rugai, filho de Luiz Carlos, saindo da casa na noite do crime, na companhia de outra pessoa;

30 de março de 2004 - A polícia descobre que a produtora sofreu desfalque de R$ 100 mil um mês antes do crime. Gil trabalhava na contabilidade;
 
4 de abril de 2004 - Perícia encontra cartucho disparado pela mesma arma usada nos assassinatos no quarto do estudante na casa do pai. No dia seguinte, é confirmado o desfalque de R$ 100 mil dado por Gil;
 
6 de abril de 2004 - O estudante se entrega e nega o crime. No dia 29, a Justiça acolhe denúncia do Ministério Público contra Gil;
 
21 de maio de 2004 - Laudo constata que a pegada do estudante é compatível com a encontrada em uma porta arrombada na casa do pai;
 
25 de junho de 2005 - Pistola semi-automática calibre 380 é encontrada na tubulação do prédio onde Gil mantinha sua produtora;
 
6 de julho de 2005 - Perícia conclui que a pistola é a mesma usada para matar Luiz Carlos e Alessandra;
 
9 de agosto de 2005 - Rugai tem liminar negada em dois habeas-corpus pelo ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal (STF). Foram negados o trancamento da ação penal a que o estudante responde na Justiça e a revogação de sua prisão preventiva;
 
15 de setembro de 2005 - Juiz Cassiano Ricardo Zorzi Rocha, do 5º Tribunal do Júri, anuncia que Gil Rugai vai a júri popular. A data do julgamento ainda não foi marcada;
 
18 de abril de 2006 - Após dois anos e 13 dias preso, o estudante Gil Rugai, de 22 anos, obtém habeas-corpus no Supremo Tribunal Federal para aguardar seu julgamento em liberdade;
 
19 de abril de 2006 - Gil Rugai sai do Centro de Detenção Provisória (CDP) e aguarda o julgamento em liberdade provisória;
 
9 de maio de 2006 - A 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça nega recurso da defesa de Gil Rugai e decide que ele vai a júri popular. No entanto, a data do julgamento não é definida.
 
8 de setembro de 2008 - Promotor pede revogação da liberdade provisória de Rugai. Ele é preso em casa, na Barra Funda, em São Paulo.
 
10 de fevereiro de 2009 - Gil Rugai é solto após ficar 150 dias preso em Tremembé, no interior paulista, por Superior Tribunal de Justiça (STJ).
 
22 de fevereiro de 2010 - As provas contra o estudante Gil Rugai, foram consideradas válidas pela 5ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça). A perícia comprovou que a marca de um chute dado em uma das portas do apartamento das vítimas é de um dos pés de Rugai.
 
A defesa de Rugai, em liberdade desde 2009 após liminar do STF (Supremo Tribunal Federal), afirmou que não manifestou-se quando o laudo foi entregue, já depois de iniciada a ação penal.
 
No habeas corpus, questionou o fato de o estudante ter sido submetido a exames (radiografias e ressonância magnética nos pés e tornozelos) no Instituto de Ortopedia e Traumatologia da Universidade de São Paulo. Segundo a defesa, houve cerceamento na elaboração prévia de quesitos defensivos, o que feriu o princípio do contraditório e da ampla defesa.
 
No entanto, os argumentos não foram aceitos pelo STJ. O relator do caso, ministro Arnaldo Esteves Lima, esclareceu que o princípio da ampla defesa não cabe na fase de inquérito policial, que se constitui apenas como peça informativa e não probatória.
 
Segundo o magistrado, a perícia foi iniciada durante o inquérito, apesar de ter sido concluída já com a ação penal em curso.
 
O ministro ressaltou, ainda, que não há ilegalidade nos exames médicos periciais feitos em Gil Rugai, pois ele esteve o tempo todo acompanhado por sua advogada, que poderia ter lhe orientado a não se submeter a tais exames que visavam confirmar se a marca deixada na porta da sala de TV das vítimas era compatível com o pé do acusado.
 
Após sete anos, o estudante e ex-seminarista Gil Rugai – acusado de matar o pai, Luiz Carlos Rugai, e a madrasta, Alessandra de Fátima Troitino – será levado a julgamento em 12 de dezembro, de acordo com a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de São Paulo. A data foi marcada pelo juiz Emanuel Brandão Filho, do Fórum da Barra Funda, em São Paulo, na terça-feira (30). O réu, que sempre negou os crimes, responde ao processo em liberdade.
 
De acordo com o que informou nesta quinta-feira (1º) a assessoria de imprensa do TJ-SP, sete jurados serão escolhidos e irão decidir se vão condenar ou absolver Gil Rugai pelos crimes cometidos em 28 de março de 2004. O júri será no mesmo plenário onde ocorreu o julgamento do caso Suzane Richthofen.
 
A acusação será feita pelo promotor do caso, Rogério Leão Zagallo. “Ele irá responder em liberdade pelo crime de duplo homicídio e estelionato”, disse Zagallo. "Caso seja condenado, terá de sair preso do tribunal".
Segundo o promotor, não cabe mais recurso para adiar ou anular o julgamento.
 
Em 1º de fevereiro de 2013 a Justiça marcou o julgamento de Gil Rugai para o dia 18 fevereiro de 2013. O Júri está previsto para acontecer no Plenário 10 do Fórum Criminal da Barra Funda, na Zona Oeste de São Paulo. 
 
O júri popular foi marcado pelo juiz Adilson Paukoski Simoni, da 5ª Vara do Júri da Capital. O julgamento foi adiado duas vezes em razão de pedidos da defesa, que pediu a realização de um novo exame de DNA do sangue recolhido na cena do crime e do acusado. Além disso, pediu esclarecimentos de um perito.
 
O juiz Adilson Paukoski Simoni divulgou na noite de 22 de fevereiro de 2013 a pena de Gil Rugai, condenado pela morte do pai e da madrasta, em março de 2004. Embora o rapaz tenha sido condenado a 33 anos e 9 meses de prisão em regime fechado, ele poderá recorrer em liberdade.
 
Por Sandra Domingues, com informações do Terra, R7 e G1
 
 

O ex-seminarista Gil Rugai é acusado de matar a tiros o pai, Luiz Carlos Rugai, e a madrasta, Alessandra de Fátima Trotino, no dia 28 de março de 2004. O crime ocorreu dentro da casa em que o casal morava na rua Atibaia, em Perdizes, zona oeste de São Paulo. 

Gil Rugai chegou a ficar preso entre 2004 e 2006, em 2009 teve a prisão decretada por ter se mudado para o Rio Grande do Sul sem informar à Justiça. O Ministério Público argumentou que o ex-seminarista poderia fugir do país em virtude da proximidade com a fronteira e o STJ revogou habeas corpus que o mantinha em liberdade, mas foi colocado em liberdade pelo Supremo Tribunal Federal (STF). 
 
Após sete anos, o estudante e ex-seminarista Gil Rugai – acusado de matar o pai, Luiz Carlos Rugai, e a madrasta, Alessandra de Fátima Troitino – será levado a julgamento em 12 de dezembro, de acordo com a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de São Paulo. A data foi marcada pelo juiz Emanuel Brandão Filho, do Fórum da Barra Funda, em São Paulo, na terça-feira (30). O réu, que sempre negou os crimes, responde ao processo em liberdade.
 
De acordo com o que informou nesta quinta-feira (1º) a assessoria de imprensa do TJ-SP, sete jurados serão escolhidos e irão decidir se vão condenar ou absolver Gil Rugai pelos crimes cometidos em 28 de março de 2004. O júri será no mesmo plenário onde ocorreu o julgamento do caso Suzane Richthofen.
 
A acusação será feita pelo promotor do caso, Rogério Leão Zagallo. “Ele irá responder em liberdade pelo crime de duplo homicídio e estelionato”, disse Zagallo. "Caso seja condenado, terá de sair preso do tribunal".
Segundo o promotor, não cabe mais recurso para adiar ou anular o julgamento.
 
Em 1º de fevereiro de 2013 a Justiça marcou o julgamento de Gil Rugai para o dia 18 fevereiro de 2013. O Júri está previsto para acontecer no Plenário 10 do Fórum Criminal da Barra Funda, na Zona Oeste de São Paulo. 
 
O júri popular foi marcado pelo juiz Adilson Paukoski Simoni, da 5ª Vara do Júri da Capital. O julgamento foi adiado duas vezes em razão de pedidos da defesa, que pediu a realização de um novo exame de DNA do sangue recolhido na cena do crime e do acusado. Além disso, pediu esclarecimentos de um perito.
 
O juiz Adilson Paukoski Simoni divulgou na noite de 22 de fevereiro de 2013 a pena de Gil Rugai, condenado pela morte do pai e da madrasta, em março de 2004. Embora o rapaz tenha sido condenado a 33 anos e 9 meses de prisão em regime fechado, ele poderá recorrer em liberdade.
 
Por Sandra Domingues, com informações do Terra, R7 e G1
 


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Beatriz da Silva Costa Araceli Cabrera Crespo Louise Sayuri Maeda Rufino Gomes Araújo Neto Rodrigo Vale Fonseca Yure da Silva Mello Julio César Menezes Coelho Flávia da Costa Silva Tereza Maria Nogueira Cobra Erica Almeida Marques Michellyne Rocha Araújo Lucas da Luz Alves Wagner Moreira Jéssica Laís da Silva Barbosa Renné Senna  Ketlin Bortoloso Suênio Rocha Melo Juliana Costa Nirvana Evangelista da Cruz Werwethon Fernando Assis de Jesus Cidia Costa Cardoso
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS