Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Ludmila Maria Fernandes Fragoso (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 04/08/2006

Localização: Rio de Janeiro (RJ)

Data de Falecimento: 04/08/2006

Sexo: Feminino Feminino
 

Ludmila Maria Fernandes Fragoso A policial civil foi morta depois de ser torturada em 04/08/2006, no distrito de Piabetá, em Magé.

Segundo a família, a policial Ludmila Fernandes sofria ameaças constantes as quais a ouvidoria da Policia Militar do Rio de Janeiro não considerou. Lembram ainda os últimos instantes da policial que deixou a mãe em casa e estava radiante para voltar para casa a fim de comemorar a tão esperada "Lua-de-mel" na casa nova. Porém, a caminho de casa enfretou um engarrafamento onde teve o último contato com a mãe ao pedir que verificasse os motivos do engarrafamento. Depois não retornou as ligações e foi encontrada em 04/08/2006 carbonizada.

O IML reconheceu Ludmila Fernandes pela placenta conservada que confirmava a gravidez  de 1 mês e constataram que a vítima foi torturada antes de ser queimada.

Rogério Firmino dos Santos confessou aos policiais sua participação no crime. Com ele, foi apreendida uma espingarda calibre 20, 46 papelotes de cocaína e um tablete de maconha. Ele foi preso em uma casa na esquina das ruas Nilo Peçanha com 14 de Julho, na comunidade do Sapê, em Imbariê, Duque de Caxias, a 300 metros do local onde os restos de Ludmila foram encontrados. O preso foi encaminhado para a 62ª DP (Imbariê) e a prisão provisória de Rogério foi solicitada.

Atualmente, a mãe de Ludmila Fernandes, Zoraíde Fernandes, continua a campanha pela paz e justiça no Rio de Janeiro.

 


Ludmila Maria Fernandes, 24 anos, foi torturada e morta por ser identificada como policial durante patrulha na Av. Brasil - RJ, em 04/08/2006.

O IML reconheceu Ludmila Fernandes pela placenta conservada que confirmava a gravidez  de 1 mês e constataram que a vítima foi torturada antes de ser queimada.

Atualmente, a mãe de Ludmila Fernandes, Zoraíde Fernandes, continua a campanha pela paz e justiça no Rio de Janeiro.



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Daniella Ferrante Perez Gazolla Fernando Eidi Yoshida Bruna da Silva Ribeiro Felipe Selhi Cunha João Vitor dos Santos Rodrigues e Igor Giovanni dos Santos Rodrigues Laryssa Wictória Coelho da Silva Ronaldo de Carvalho Pinto Ana Elizabeth de Oliveira Beatriz da Silva Costa Nirvana Evangelista da Cruz Caíque Müller de Oliveira Santana Michele Amorim Lopes Toni Bernado da Silva Luana Pepe Márcia Cristina Sales Militão Elisângela Francisco da Silva Felipe Tsutomu Honorato Shiba Luiz Carlos Soares da Costa Romeu Gabriel Muninhas Coutinho de Carvalho Clarisse Alves Mesquita Eloá Cristina Pimentel da Silva
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS