Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Aidir Pinagé de Lima (Erro Médico)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 27/05/2010

Localização: Rio de Janeiro (RJ)

Data de Nascimento: 30/12/1936 (73 anos)

Data de Falecimento: 27/05/2010

Sexo: Masculino Masculino
 

O meu nome é Sandro Machado, sou psicólogo, casado e tenho dois filhos lindos.

A nossa família está passando por um drama, pois o meu pai, Aidir Pinagé, de 73 anos, morreu em um procedimento de transfusão de sangue em um hospital particular, que fica no bairro de Campo Grande-RJ.

A minha bandeira será em alertar as pessoas quanto a esse tema, que é tão delicado e que acontece constantemente.

O meu pai era maravilhoso, um homem excelente que não merecia morrer assim.

O  hospital se negou a nos dar o prontuário médico e dizem que foi uma fatalidade. Irei provar o contrário, pois senão fosse isso  ele estaria entre nós!

Basta com os erros médicos! Justiça sempre!

Do ocorrido - Por Sandro Machado, filho de Aidir Pinagé

No dia 22/05/2010 pela manhã minha mãe ligou para mim dizendo que meu pai estava sentindo tonturas e enjôos. Ela relatou que ele vomitou ao que parecia sangue. Como eu moro perto deles cheguei em 5 minutos. Ao chegar medi então a sua pressão arterial, que apresentava normalidade, mas combinamos (eu e meu irmão mais velho) levá-lo ao hospital para que fosse investigado a tontura.

Fomos então a um hospital particular, no Bairro de Campo Grande –RJ, pois ele tinha plano se saúde. Chegando lá ele foi atendido na emergência e a médica que o atendeu fez alguns exames e constatou uma diferença no seu eletrocardiograma, mas essa diferença sempre aparecia nos eletros anteriores, pois quando ele teve a isquemia cerebral em 2008 e teve um pequeno infarto, cujo o seu cardiologista disse que não geraria um problema maior. Para isso o médico só prescreveu um a.s. infantil.
Então a médica resolveu interna-lo, pois ela achava que ele estava um pouco branquinho demais. Ele então foi transferido para a unidade corananiana para observação. Neste mesmo dia fizeram uma endoscopia e constataram uma hemorragia digestiva, provocada por uma úlcera. A noite entrei em contato com a médica do setor e ela me disse que a úlcera já estava sendo tratada e que ele até já havia jantado e que ele estava bem.
Ele então ficou nesse setor de sábado até na segunda de manhã, onde foi trasferido para o quarto particular. Ele não estava mais com o soro e não apresentava nenhum sinal de tontura, somente o nível da glicose dele ainda estava um pouco alto, mas que estava diminuindo a cada dia.
 
Minha mãe passou a acompanha-lo no quarto desde o dia 24/05/2010 (segunda-feira). Nós iamos visita-lo todos os dias e percebiamos uma evolução a cada dia,ele já estava corado.
No dia 27/05/2010 o médico ao passar pela manhã informou a minha mãe de que ele teria que passar por uma transfusão de sangue, pois segundo o médico ele estava com 17,5 de hemácias, mas o mesmo não disse dos riscos que esse procedimento poderia gerar. Neste mesmo dia passei a tarde toda no hospital, ele fazia caminhada pelo quarto e até brincou comigo e fez algumas flexões. Sendo que por volta das 16 horas veio uma enfermeira do hemocentro veio coletar o sangue dele e eu questionei se era realmente necessário essa transfusão, pois ele estava bem corado e disposto."Ela respondeu de que ele ficaria melhor depois da transfusão e perguntou o tipo sanguineo dele. Respondi que não sabíamos, pois ele nunca sofreu uma cirurgia e que teria que ser pesquisado.
 
Até a hora da transfusão ele foi bem tratado pelo hospital, mas o procedimento foi ao meu ver supostamente equivocado (cabe a autoridade policial e o CREMERJ averiguar os fatos).
 
Esperei então até quase às 18 horas e a transfusão ainda não tinha sido feita, perguntei se minha mãe queria ir para casa, pois eu ficaria com ele. Como anoiteceu pensei que o procedimento não iria mais acontecer, pois esse procedimento tem que ser feito preferencialmente de dia.
Me despedi dele com um abraço e um beijo em sua testa. Eu não sabia que este seria o último gesto de carinho entre pai e filho.
 
Por volta das 22 horas recebi uma ligação do meu irmão, que estava desesperado e me disse que meu pai havia morrido. Como ele estava no centro da cidade (trabalhando) eu achei que era um trote, pois deixei o meu pai bem no hospital. Parti então para o hospital e lá vi a minha mãe na sala dos enfermeiros e eu queria saber o que tinha acontecido. Pasmem!!! ninguém veio nos explicar o que tinha acontecido. A minha mãe estava em estado de choque pois ela viu ele morrer. Então eu achei que algo errado aconteceu, mas ninguém veio explicar o que aconteceu.
 
Eu queria ir fazer o registro na DP, mas o desespero da família foi tanta,que na hora eu desisti. Quando a minha mãe conseguiu ficar mais calma, ela foi relatando tudo, tipo: Ele havia jantado normalmente e viu as duas novelas da globo, quando a enfermeira do hemocentro entrou no quarto, a mesma errou a veia dele e após colocar o sangue nele, se ausentou da sala por volta de 10 minutos, logo após ela colocar o sangue no braço dele, ele começou a ter reações de tremedeira, a minha mãe questionou a reação e que o sangue estava descendo muito rápido, a enfermeira relatou que era normal. E se ausentou e quando voltou percebeu que algo não ia bem e foi buscar ajuda, só que naquele horário não tem médico no setor (SEGUNDO FOI RELATADO POSTERIORMENTE PELO MÉDICO QUE PRESQUEVEU A TRANSFUSÃO), ela então foi buscar a médica no setor de emergência e quando a médica entrou no quarto colocou a mão no bolso e ficou olhando o meu pai morrer. E para piorar a enfermeira queria colocar a segunda bolsa de sangue nele, sendo que a médica não deixou.
 
A mesma só deu duas bombadas no coração dele e disse que ele teve um ataque cardíaco e não fez mais nada, dizendo que ele havia morrido, não tentando nenhum outro tipo de ressuscitação ou o uso do desfribilador, ou encaminha-lo a outro setor. Eu fui o primeiro a chegar ao hospital e lá ninguém veio falar comigo para dizer do que o meu pai morrido, todo mundo se esquivou.
 
Então logo após  o seu enterro procurei a ouvidoria do hospital no dia 31/05/2010 e eles se negaram a me fornecer o prontuário médico. E só deram alguma explicação 15 dias depois e disseram que foi uma fatalidade (que foi choque anafilático)!
 
No dia 04/06/2010 fui fazer uma denúncia ao CREMERJ protocolo número 10108916 e no mesmo dia fiz o registro na 35º DP Número 035-07494/2010, mas o CREMERJ não apurou nada até a presente data e nem tive o acesso ao prontuário médico.Na delegacia só dizem que o caso foi para a justiça,mas não tive acesso em que condições o inquérito foi fechado.A nossa preocupação é essa, pois na época em que o meu pai morreu.A DP solicitou a fita das câmeras do hospital, onde se comprovaria  todo o relato que minha mãe teria visto.
 
Ele tinha 73 anos, ele foi um excelente pai, um exemplo em todos os sentidos. Com isso estudei alguns assuntos sobre transfusão de sangue e questiono alguns pontos:
      
1 - Como pode um técnico se ausentar no início do processo de transfusão, se ela tem que ficar pelo menos 10 minutos, para ver se o paciente vai ter uma reação transfusional (foi o que meu pai teve)?
 
2- O fluxo do sangue estava descendo muito rápido, quando deveria estar devagar, ainda mais se tratando de uma pessoa idosa e a enfermeira não identificou a reação transfusional, onde todos os manuais médicos apontam que a transfusão deve ser interrompida imediatamente,coisa que ela não fez. 
 
3 - por que fizeram a transfusão em um horário que não há médicos no setor?
 
4 - Por que a médica (que veio lá de baixo,na emergência) não fez uma manobra de reanimação cardíaca, usando equipamentos de reanimação, ou transferisse ele para um setor de urgência, pois ele estava vivo quando ela entrou no quarto?
 
5 - Uma médica disse que ele teve um ataque cardíaco, depois falaram que ele teve um choque anafilático, mas as características em que me minha mãe relatou me parece um suposto ataque cardíaco (trincou os dentes e urinou). Ele morreu na hora da transfusão.
 
A família está desestruturada, pois não imaginávamos que isso pudesse ocorrer, na circunstância em que ele estava, pois ele estava tão bem que o médico cogitava a sua alta. E nos acontece isso.
 
Pedimos Justiça ! Basta com Erros Médicos !!!
 
Por Sandra Domingues, com informações do Liberal e Blog Basta com Erros Médicos
 
"Basta com os erros médicos
 
Está na câmara dos deputados o Projeto de Lei 6867/2010 que visa avaliação dos profissionais de saúde.
A ligação é gratuita 0800 619-619. Ligue e nos ajude nessa luta que é de todos nós.

Aidir Pinagé, 74 anos, segundo relato da família, morreu vítima de erro médico, dia 27/05/2010 em um hospital do Rio de Janeiro.

Ainda de acordo com a família, o  hospital se negou a dar o prontuário médico e dizem que foi uma fatalidade, porém a família diz que irá provar o contrário.

Por Sandra Domingues, com informações do Liberal e Blog Basta com Erros Médicos



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Sandra Domingues em 13/02/2011 01:43
E se fosse o SEU PAI ??? Erro Médico é Crime !!! Você consegue se imaginar levando o seu PAI...o seu herói, seu exemplo de vida, de honestidade, sua base familiar, a um hospital para fazer uma transfusão de sangue, abraçá-lo, beijá-lo na testa e deixá-lo sorrindo e horas depois retornar, ao mesmo hospital , para retirar o CORPO do SEU PAI para ser velado?! É difícil de entender não é ?! Mas esse é o drama que a família de Sandro Machado está enfrentando e tendo que brigar contra o CORPORATIVISMO que envolve essa "classe" e provar que seu pai foi Vítima de Erro Médico! Assim como Sandro Machado, hoje milhões de pessoas já passaram ou passam por esse drama... ERRO MÉDICO É CRIME e como crime deve ser tratado. BASTA COM ERROS MÉDICOS! JUSTIÇA SEMPRE!!!

Juan de Moraes Luciana Barreto Montanhana Brayan Yanarico Capcha Kátia Fernandes Karatanasov Patrícia Amieiro Branco de Franco Sandro Antonio Cordon Elisângela Francisco da Silva Pérola Bichara Benjamin Geralda Lúcia Ferraz Guabiraba Daniela Nogueira Oliveira Juliana Rodrigues Marcos Roberto Pretel Viana Juliana Costa Raimundo Nonato Bezerra Alexandre dos Santos Ronaldo de Carvalho Pinto Ana Lidia Sousa Gomes Eloá Cristina Pimentel da Silva Kamilly Rodrigues Sales Tamiris Araújo dos Santos Fernanda Lages Veras
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS