Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Cadela Preta (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 09/03/2005

Localização: Pelotas (RS)

Data de Nascimento: 09/12/2003 (1 ano)

Data de Falecimento: 09/03/2005

Sexo: Feminino Feminino
 
"Chegará o dia em que os homens conhecerão o íntimo dos animais, e, neste dia, um crime contra um animal será considerado um crime contra a humanidade." Leonardo da Vinci (1452-1519)

Os moradores de Pelotas-RS ainda tentam encontrar uma explicação para uma cena chocante ocorrida na madrugada de quarta-feira 09/03/2005, no centro da cidade. A cadela Preta de rua foi amarrada por jovens no pára-choque de um veículo e arrastada por mais de cinco quadras. Pedaços da cadela Preta e dos filhotes que nasceriam em um mês ficaram espalhados pelo asfalto.

A cadela Preta era o xodó da vizinhança. Recebia comida, carinho e tratamento de saúde. Quando nascessem, seus filhos já tinham endereço certo. Michele Silva, 29 anos, que cuidava da cadela há mais de um ano, estava se preparando para recebê-la em casa depois do parto e havia conseguido donos para a ninhada.

- Ela era toda preta com uma mancha branca no pescoço. Era uma pastor belga misturada. Muito dócil - relembra Michele, proprietária de uma pet shop localizada nas proximidades do local onde a cadela foi morta.

Em mãos, ela tem uma lista com mais de 15 nomes de pessoas que ajudavam a
cadela Preta. Durante o dia, a cadela Preta recebia comida dos moradores e de estudantes de Odontologia, cuja faculdade se localiza próximo ao lugar onde a cadela Preta vivia. À noite, ela se instalava junto à churrasqueira de um bar. Lá, tinha o privilégio de ter carne assada somente para ela.

- Era nossa amiga. Não dávamos restos. Tirávamos o churrasco do espeto mesmo - revela um morador que prefere não se identificar por medo de retaliações.

A madrugada de quarta-feira já começava quando um grupo de jovens bebia no bar onde a
cadela Preta costumava passar as noites. Por diversão, eles amarraram a cadela Preta em um poste.

- Meu irmão chegou e pediu que eles a desamarrassem porque era mansa e não machucava ninguém. Ficaram todos rindo. Isso foi lá pelas 3h - lembra um morador que estava no bar.

Michele e alguns amigos, que estavam em outra mesa do bar, escutaram os gritos da
cadela Preta de longe. Acharam que a cadela Preta havia sido atropelada. De repente, viram os rapazes em dois veículos, e a amiga peluda sendo arrastada por uma corda pela rua.

- Eles andaram com ela por mais de cinco quadras. Corremos para pegar o carro e saímos atrás. De nada adiantou nossos prantos. Eram jovens, de boa aparência. Para mim, isso é coisa de gente que não tem coração - diz Michele.

Os moradores próximos que costumavam ajudar a
cadela Preta estão revoltados com a violência contra o animal. A foto da cadela Preta ainda está no mural do bar onde ela costumava se abrigar.

A polícia abriu inquérito para investigar a queixa de crueldade contra a cachorra. Segundo o delegado Osmar Silveira dos Anjos, três pessoas já haviam sido ouvidas ontem. Um dos supostos envolvidos, de 21 anos, já teria sido identificado. A polícia deverá ouvir ainda outras testemunhas
do fato.
As investigações deverão apontar de que forma os responsáveis poderão ser punidos.

Em 2007, saiu a sentença na Justiça. Os três rapazes acusados de envolvimento na morte de uma cadela, que foi amarrada a um carro e arrastada pelas ruas de Pelotas, foram condenados a pagar R$ 5 mil ao canil municipal e obrigados a prestar 12 meses de serviços comunitários por maus-tratos contra o animal. A decisão foi determinada ontem pelo Juizado Especial Criminal de Pelotas.

Os 3 monstros: Alberto Conceição Cunha Neto (21 anos, advogado e engenheiro agrícola), Marcelo Schuch (21 anos, aluno de pré-vestibular) e Fernando Siqueira Carvalho (22 anos, engenheiro agrícola), aceitaram a proposta apresentada pelo Ministério Público.

Segundo a assessoria do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, o local onde os acusados vão prestar serviços ainda não foi definido, pois eles informaram que mudarão de cidade.

3 monstros Alberto Conceição Cunha Neto, Marcelo Schuch e Fernando Siqueira Carvalho por diversão arrastaram até a morte a cadela Preta em Pelotas - RS, em 09/03/2005.

Em 2007, saiu a sentença na Justiça. Os três rapazes acusados de envolvimento na morte de uma cadela, que foi amarrada a um carro e arrastada pelas ruas de Pelotas, foram condenados a pagar R$ 5 mil ao canil municipal e obrigados a prestar 12 meses de serviços comunitários por maus-tratos contra o animal. A decisão foi determinada ontem pelo Juizado Especial Criminal de Pelotas.

Os 3 monstros: Alberto Conceição Cunha Neto (21 anos, advogado e engenheiro agrícola), Marcelo Schuch (21 anos, aluno de pré-vestibular) e Fernando Siqueira Carvalho (22 anos, engenheiro agrícola), aceitaram a proposta apresentada pelo Ministério Público.

Segundo a assessoria do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, o local onde os acusados vão prestar serviços ainda não foi definido, pois eles informaram que mudarão de cidade.



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Evelin em 02/04/2013 23:46
Esses energúmenos deveriam ter o mesmo fim que a pobre cachorra. Quem maltrata animais e os assassina deveria ter leis próprias.


Lane em 13/07/2012 20:08
Odeio vermes covardes como estes. Outra coisa, quem tem a capacidade de tirar a vida de um ser tão inocente, tem a capacidade de tirar a vida de humanos. Geralmente estes monstros que torturam animais também torturam crianças e idosos. Para mim, quem mata um animal deveria morrer também, me dá muita raiva de ver este tipo de crueldade, ainda mais eu que amo demais os animais... Sempre penso que gostaria de viver em um mundo onde homens e animais vivessem sem ser mortos, onde não houvesse violência, desigualdade social, inveja, desonestidade, falsidade, maldade, mas, isso é apenas um sonho, pois nunca irá acontecer, não enquanto neste mundo viverem seres tão terríveis como os humanos monstros, que utilizam a sabedoria para fazer maldades, pois nenhum deles são loucos e sim malvados e malditos! Gostaria que Deus levasse embora todos aqueles que matam ou machucam animais e humanos...


Milene em 14/04/2012 03:01
Tô chocada com tamanha crueldade e tão pequena pena... bando de vagabundos sem coração. Eu teria muiiita vergonha de ser mãe de um delinquente desses, muita vergonha mesmo, crio minha filha co o maior amor do mundo, a respeitar e cuidar dos animas e até ela q hoje tem 3 aninhos de idade sabe fazer isso muito bem , tem sentimentos , tem coração... eu simplesmente tenho pena desses marginais porque a justiça daqui pode ser lenta... mais a justiça de Deus jamais vai falhar...


Cris em 22/03/2012 17:30
FILHOS DA P--- , ESSES MONSTROS TEM DE APODRECER NA CADEIA , RETARDADOS


Liz em 11/03/2012 00:04
PUNIÇÃO SEVERA, JÁ!!!! ESTE É O ÚNICO JEITO DE COIBIR ESTE TIPO DE ATO CRUEL!


Victor em 03/03/2011 13:44
MONSTROS, ETERNAMENTE MONSTROS.


Mariana Rick Severo em 08/10/2010 21:01
Acredito que enquanto houver pessoas como nós o mundo nao está perdido, agente só nao pode desistir nunca! Temos que criar filhos com bons valores, respeito e com limites! Fico louca tentando entender o q passa dentro da cabeça de um ser humano que faz atrocidades com animais, crianças, etc... LOUCA!

Aidir Pinagé de Lima Edward Robinson Cavalcanti Aryane Thaís Carneiro de Azevedo Marísia von Richthofen Jamile de Castro Nascimento Ana Beatriz de Souza Marcelo Henrique Prade Fabiana Santos de Oliveira Diego de Almeida Silva Joana Xavier de Souza Lisboa Júlio César Rodrigues Ike Cézar Gonçalves João Luiz Sá Freire Azevedo  Carlos Eduardo Lira dos Santos Rampini Guilherme Gabriel Caetano Dayanne Mendonça Maglione Rafael Fernandes de Oliveira Márcia Cristina Sales Militão Marco Antônio Velasco e Pontes Edson Roberto Domingues Miriam Afif José Baltresca
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS