Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Lucas Vargas Terra (Pedofilia)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 21/03/2001

Localização: Salvador (BA)

Data de Nascimento: 19/10/1986 (14 anos)

Data de Falecimento: 21/03/2001

Sexo: Masculino Masculino
 

Lucas Vargas Terra, 14 anos, foi amarrado e amordaçado para não gritar e colocado dentro de uma caixa de madeirit e queimado vivo, Salvador-BA, em 21/03/2001.

Segundo Laudo da Policia técnica, na ocasião dos fatos, Lucas Terra,  estudante de catorze anos de idade,  foi queimado vivo, após ter sofrido (entre outros) violência sexual.

Após detalhada investigação, a policia baiana, concluiu que o autor do crime, seria Silvio G.aliza, "Pastor de uma Igreja" que o menino Lucas Terra frequentava. 

Pelo relatório final, evidenciou-se que Lucas Terra teria sido amarrado e amordaçado para não gritar e colocado dentro de uma Caixa de Madeirit. Em seguida, conforme informações de Carlos Terra (Pai de Lucas Terra) e relatos de  Galiza, o autor do crime  supostamente acompanhado de mais duas pessoas, que se identificavam igualmente como pastores, carbonizaram o corpo do garoto para encobrir os Vestígios de Pedofilia.

O pastor acusado de participar do assassinato do adolescente Lucas Terra, em 2001, foi beneficiado com o regime semi-aberto. A defesa de Silvio Roberto Galiza conseguiu a transferência do regime fechado para o semi-aberto na Colônia Lafayete Coutinho, junto ao juiz José Carlos Rodrigues do Nascimento, da Vara de Execuções Penais do Tribunal de Justiça.

Galiza cumpria pena em regime fechado há quatro anos e seis meses. Apesar de a decisão ter sido publicada no Diário Oficial do Judiciário, a transferência ainda não havia sido realizada por causa greve dos agentes penitenciários, que foi suspensa no início da noite de (17/06/2008).
Em junho de 2004 foi proferida ao acusado uma sentença de 23 anos e quatro meses de prisão. Um segundo júri ocorreu e a pena foi reduzida para 18 anos. Em 2007, o Tribunal de Justiça da Bahia reduziu o tempo de reclusão para 15 anos.

Galiza confessou ter participado do assassinato de Lucas Terra em 21/03/2001. O menor foi violentado sexualmente e em seguida teve o corpo carbonizado em um terreno da Avenida Vasco da Gama. Mais dois integrantes da Igreja Universal do Reino de Deus são acusados do crime.

Carlos Terra e Marion Terra passaram a se dedicar em tempo integral para que o assassinato do filho, não caia jamais no esquecimento, bem como tentam exemplificar a cruel capacidade que pode colocar qualquer um de todos, em condição desumana. Onde a Justiça nem sempre é feita para punir os autores corretamente e na medida da gravidade do delito.

Carlos Terra escreveu um livro: Lucas Terra: Traído pela obediência.

E já há muito busca  uma editora para lançar o livro, que foi produzido de forma independente. Um dos maiores objetivos da obra literária é arrecadar fundos para a formação da "LUTE" - Centro Lucas Terra de Proteção às Vítimas de Violências.

7º PROTESTO PÚBLICO DO MOVIMENTO MÃES DA PRAÇA PIEDADE!

Será realizado na próxima sexta-feira, dia 5 de Agosto de 2011, o 7º Protesto Público da Mães da Praça Piedade, em Salvador, Bahia. O movimento (MMPP), tem por objetivo denunciar criminosos, recolher assinaturas da população em geral a favor de PRISÃO PERPÉTUA PARA CRIMES HEDIONDOS e menos benefícios para assassinos e seus cúmplices. Participem, compareçam, divulguem em suas redes sociais, temos que dar um basta a tanta impunidade e cobrar das autoridades JUSTIÇA e PAZ para as vítimas e PUNIÇÃO para os criminosos.

Por Marion Terra

Dia 25-11-11, sexta feira ás 09:00 da manhã na Segunda Vara do Júri no Fórum Rui Barbosa no Campo da Pólvora, a ultima audiência do Bispo Fernando e do Pastor Joel da Universal, a sociedade baiana deve exigir que eles sentem no Banco dos Réus, para serem julgados pelo assassinato do adolescente LUCAS TERRA que foi espancado,amarrado,violentado,amordaçado e queimado vivo.Compareça a entrada no Fórum é franca. Na Bahia existem autoridades dignas e honradas que não se curvam diante do poder econômico.

Às portas fechadas, a última audiência sobre o assassinato do garoto Lucas Terra, para decidir se dois acusados irão a júri popular, ocorreu na sexta-feira (25), na 2° Vara do Júri Sumariante, no Fórum Ruy Barbosa, em Salvador.

Os atuais réus são um bispo e um pastor da Igreja Universal do Reino de Deus. O principal autor do crime é o pastor Silvio Roberto Galiza, que já foi condenado a 18 anos de prisão e hoje responde em regime semiaberto. Ele acusou o bispo e o pastor de participação no assassinato, porque, Lucas Terra ao entrar no Gabinete Pastoral da Universal no bairro da Pituba em Salvador, flagrou o bispo Fernando e o pastor Joel, fazendo SEXO, com receio que Lucas fosse comentar o flagrante, resolveram assassina-lo.
Os dois ainda não foram julgados. “Eles estão em liberdade, passeando por ruas e shoppings de Salvador como se nada tivesse acontecido, como se um cachorro tivesse sido morto”, lamenta o pai, Carlos Terra.
A promotoria acredita que os acusados irão a júri popular. “Não tenho a mínima dúvida que os dois serão submetidos a julgamento popular muito em breve se Deus quiser”, relata o promotor David Gallo. No fim da audiência, os acusados saíram do local sem falar com a imprensa e sob protesto da mãe da vítima, que dizia: “Fujam, seus assassinos, é só isso que vocês têm que fazer. Se esconder, entrar e sair pela porta dos fundos”.
 
As testemunhas de defesa foram ouvidas na sessão judicial e, a pedido dos advogados, os pais da vítima não puderam assistir os depoimentos. “A gente se sente humilhados como pais do Lucas, esperando que a Justiça seja feita”, diz a mãe Marion Terra. Segundo a Promotoria de Justiça, o adolescente foi abusado sexualmente, colocado em uma caixa de madeira e queimado vivo em um terreno baldio na Avenida Vasco da Gama, na capital baiana.
 
Do G1 BA, com informações da TV Bahia
 
Em 13/07/2012, o ex-pastor Silvio Roberto Galiza, condenado a 18 anos de prisão pela morte do adolescente Lucas Terra, teve o pedido de progressão de regime semiaberto para aberto aceito pela Justiça. A decisão foi tomada pela juíza Patrícia Sobral Lopes, da Vara de Execuções Penais de Lauro de Freitas.
 
No regime aberto, Galiza permanecerá preso na Casa do Albergado e Egressos Geral de Salvador, na Mata Escura. De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap), ele poderá sair durante o dia para trabalhar ou estudar, mas voltará à noite e não poderá sair durante os finais de semana.
 
Acusados pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) de envolvimento no assassinato do estudante Lucas Vargas Terra, o bispo Fernando Aparecido da Silva e o pastor Joel Miranda não vão a júri popular.
Ambos foram impronunciados no dia 27/11/2013, numa decisão da juíza Gelzi Maria Almeida Souza, da 2ª Vara do Júri. A decisão sai publicada na edição desta quinta, 28, do Diário Oficial da Justiça.
 
Conforme a denúncia do MP-BA, Silva e Miranda, integrantes da Igreja Universal do Reino de Deus, além do pastor Sílvio Roberto Santos Galiza, tiveram participação na morte do adolescente. Apenas Galiza (que em 2006 delatou os outros dois acusados) foi julgado e condenado pelo crime.
 
Na decisão desta quarta, a juíza Gelzi Souza entendeu que não havia indícios suficientes de autoria para que Silva e Miranda fossem levados a julgamento. "No presente caso, as declarações de Sílvio Galiza são contraditórias, inverossímeis, frágeis e até fantasiosas e têm o firme propósito de eximi-lo da responsabilidade da condenação que já lhe foi imposta", diz trecho da decisão da magistrada.
 
O promotor Davi Gallo confirmou que vai recorrer da decisão no próprio Tribunal. "Não me conformo com essa decisão. Há uma série de depoimentos e elementos no processo que sustentam a acusação", ressaltou.
 
Por Sandra Domingues, com informações do site Oficial e Portal A Tarde
 

 

Lucas Vargas Terra, 14 anos, foi amarrado e amordaçado para não gritar e colocado dentro de uma caixa de madeirit e queimado vivo, Salvador-BA, em 21/03/2001. 
 
Após detalhada investigação, a policia baiana, concluiu que o autor do crime, seria Silvio Galiza, "Pastor de uma Igreja" que o menino Lucas Terra frequentava. 
 
Em 13/07/2012, o ex-pastor Silvio Roberto Galiza, condenado a 18 anos de prisão pela morte do adolescente Lucas Terra, teve o pedido de progressão de regime semiaberto para aberto aceito pela Justiça. A decisão foi tomada pela juíza Patrícia Sobral Lopes, da Vara de Execuções Penais de Lauro de Freitas.
 
No regime aberto, Galiza permanecerá preso na Casa do Albergado e Egressos Geral de Salvador, na Mata Escura. De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap), ele poderá sair durante o dia para trabalhar ou estudar, mas voltará à noite e não poderá sair durante os finais de semana.
 
Acusados pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) de envolvimento no assassinato do estudante Lucas Vargas Terra, o bispo Fernando Aparecido da Silva e o pastor Joel Miranda não vão a júri popular. Ambos foram impronunciados no dia 27/11/2013 numa decisão da juíza Gelzi Maria Almeida Souza, da 2ª Vara do Júri. 
 
Por Sandra Domingues, com informações do site Oficial e Portal A Tarde


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Evelin em 02/04/2013 22:49
Os culpados devem ser colocados no meio da cadeia para que os outros presos abusem sexualmente deles. Conste que não é somente padres que estrupam as crianças. Vejam este caso e mais outros. Independente disso, todos que cometem tais atrocidades devem pagar. Morrer é muito pouco para eles. Acho que não merecem perdão e nem se regeneram.


Elias Nunes em 22/03/2012 15:33
O caso LUCAS é mais um dentre muitos, no mundo!! É necessário, por mais difícil que seja, ser equilibrado na análise dos fatos!! Não podemos nos esquecer que, em qualquer área da vida, em qualquer grupo familiar, profissional, religioso, etc, existem os dignos e indignos, os bons e os maus. Não adianta 99,99% de uma Igreja, como a UNIVERSAL, ter comportamento efetivamente voltado para a obra de DEUS, quando os 0,01% cometem um ato de repercussão negativa nacional, como no caso de Lucas, pois a tendência é que se lance "SOMBRAS" sobre toda a UNIVERSAL. O mesmo se pode dizer em relação a igreja católica e os casos de pedofilia, com repercussão mundial, ou os casos de espiritismo/ magia negra que também já sacrificaram vidas, conforme a mídia. O fato é que estamos lidando com o SER HUMANO, e se lembrarmos que Judas traiu Jesus com um beijo, em troca de dinheiro, podemos admitir que o ser humanno é capaz de qualquer ato INSANO, INDIGNO, porque não dizer CRIMINOSO. Por isso se estabelecem Leis que punam, de acordo com cada caso, aqueles que ferem a ordem natural das coisas, mas penso que a pena de morte serie como que PAGAR NA MESMA MOEDA os atos que sofremos, por mais radicais que sejam. Acredito que a prisão perpétua, em alguns casos, é aplicável, mas não excluo a possibilidade de alguém se arrepender e se redimir de um ato criminoso.


Adriana Magalhaes em 03/02/2011 12:03
Com certeza estes monstros hão de pagar um dia por suas monstruosidades com as suas vidas. Deus existe!!! Animais como estes deveriam ser executados. Pena de morte no brasil!!! para casos como este.

Patrícia Gomes Ávilla Marcelo Alexandrino Costa dos Santos Júnia Aparecida da Silva Alexandre Pereira Pinto Almeida Kelly Cristina Rodrigues Patricia Leal dos Santos Edson Gilmar Garcia Schaffer Cínthia Lívia de Araújo Wagner Moreira George Alexandre Queiroz Lisboa Ricardo Viveiros Filho Gil Melo Sicuro Roberta Yuri Yoshifusa Giovani Schiller Balau Rodrigo da Silva Netto Danilo Masahiko Kurisaki Renata de Cássia Yoshifusa Rufino Gomes Araújo Neto Ana Paula Moreno Germano Décio Sá Wilson Roberto Tafner
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS