Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Priscila Regina Jardim (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 09/06/2007

Localização: Cruzeiro (SP)

Data de Nascimento: 00/00/1978 (29 anos)

Data de Falecimento: 09/06/2007

Sexo: Feminino Feminino
 

Por Regina Jardim, mãe de Priscila Regina Jardim

Priscila Regina Jardim, 29 anos, foi cruelmente executada na madrugada de 09/06/2007, ao sair da danceteria Tulha (agora Chamillion), com 5 tiros à queima roupa (4 na cabeça e 1 no abdomem) por terminar namoro de 2 meses com Alexandre Bittencourt.

O crime ocorreu na saída da boate, o assassino saiu da Tulha, atrás de Priscila já armado, prestava serviços de informática à casa, por isso não era revistado. Para Lopez, “o crime passional não existe: ocorre em contexto sexista por homens incapazes de fazer o luto de relacionamento, os autores de crimes passionais não têm problemas psiquiátricos, esse crime não é por amor, mas um crime de quem sofre de narcisismo, não se deve esquecer que o criminoso, acha, no sexismo, na lei do mais forte, na valorização da masculinidade e na desenfreada competição social, as razões que lhe servem para justificar o seu ato." Julgado, o assassino foi condenado a apenas 13 anos de prisão.

Do ocorrido

A atendente Priscila Regina Jardim, de 29 anos, foi assassinada com seis tiros pelo ex-namorado, o comerciante Alexandre Bittencourt de Oliveira e Souza, de 27 anos, por volta das 4h do dia 09/06/2007 em Cruzeiro, no Vale do Paraíba, a 221 km de São Paulo. O crime ocorreu quando ela saía de uma boate de classe média alta, no bairro Jardim Paulista, em companhia de duas amigas.

Na saída da boate, Priscila foi abordada pelo ex-namorado. Testemunhas disseram que os dois começaram a discutir. Ela tentou encerrar a discussão, entrando no carro para ir embora. Souza foi até a porta do carro e fez seis disparos à queima roupa. Três atingiram a cabeça e o abdômen da jovem, que morreu na hora. Souza, que é dono de uma loja de computadores, conseguiu fugir. Na casa dele a Polícia Civil encontrou armas e munições. "Ele gostava muito de armas", contou um colega de Souza, que pediu para não ser identificado.

O crime chocou a população de Cruzeiro. No velório, amigos lamentaram a morte da jovem, "que era muito alegre e sempre estava sorrindo". Na página pessoal do site de relacionamento Orkut, eram inúmeras as manifestações de pesar e despedidas.

No dia 12 de junho, quando já havia passado o prazo das 48 horas para a prisão em flagrante, Souza se apresentou à polícia com um advogado e confessou o crime. Ele alegou "problema de ordem emocional". Logo após prestar depoimento na delegacia ele fugiu. Depois de passar três dias foragido, Souza foi preso em Taubaté por investigadores da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Cruzeiro. 
Ele estava sozinho em um prédio residencial na rua Chiquinha de Mattos, na região central de Taubaté, e não ofereceu resistência. Passado os 30 dias da prisão temporária, Souza teve a prisão preventiva decretada pela Justiça e desde então aguardava o julgamento preso.

Em 20/11/2009 o comerciante Alexandre Bittencourt de Oliveira e Souza, 27 anos, acusado de matar a ex-namorada, Priscila Regina Jardim, foi condenado a 13 anos e nove meses de prisão em regime fechado. Durante as 11 horas do júri foram ouvidas dez testemunhas -cinco arroladas pela defesa e cinco de acusação. Cerca de 80 pessoas acompanharam o julgamento. Depois das considerações da Promotoria e da defesa, os jurados votaram pela condenação do rapaz e a sentença foi anunciada pela juíza Fernanda Ambrogi.

A mãe e as irmãs da vítima preferiram não acompanhar o júri, mas de acordo com a advogada da família, Sandra Fonseca Miranda, elas acharam a pena ainda pequena para Alexandre. "Mesmo depois destes dois anos, a dor da família ainda é muito forte e optaram por não acompanhar o júri", disse a advogada.

Na opinião da advogada, a sentença atendeu as expectativas, já que a pena para o crime de homicídio qualificado varia de 12 a 30 anos de prisão e o réu tinha atenuantes de ter confessado o crime, apresentar bom comportamento durante a prisão e ser réu primário.

O advogado do acusado, Luciano Mariano Geraldo, disse que a defesa já recorreu da decisão em primeira instância ontem mesmo, logo após o julgamento.

Por Sandra Domingues, com informações do G1, Jornal da Tarde e Cruzeiro Agora

A atendente Priscila Regina Jardim, de 29 anos, foi assassinada com seis tiros pelo ex-namorado, o comerciante Alexandre Bittencourt de Oliveira e Souza, de 27 anos, por volta das 4h do dia 09/06/2007 em Cruzeiro, no Vale do Paraíba, a 221 km de São Paulo. O crime ocorreu quando ela saía de uma boate de classe média alta, no bairro Jardim Paulista, em companhia de duas amigas.

Na saída da boate, Priscila foi abordada pelo ex-namorado. Testemunhas disseram que os dois começaram a discutir. Ela tentou encerrar a discussão, entrando no carro para ir embora. Souza foi até a porta do carro e fez seis disparos à queima roupa. Três atingiram a cabeça e o abdômen da jovem, que morreu na hora. 

No dia 12 de junho, quando já havia passado o prazo das 48 horas para a prisão em flagrante, Souza se apresentou à polícia com um advogado e confessou o crime. Ele alegou "problema de ordem emocional".

Logo após prestar depoimento na delegacia ele fugiu. Depois de passar três dias foragido, Souza foi preso em Taubaté por investigadores da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Cruzeiro.

Ele estava sozinho em um prédio residencial na rua Chiquinha de Mattos, na região central de Taubaté, e não ofereceu resistência. Passado os 30 dias da prisão temporária, Souza teve a prisão preventiva decretada pela Justiça e desde então aguardava o julgamento preso.

Em 20/11/2009, por unanimidade, Alexandre Bittencourt de Oliveira e Souza, 27 anos, foi condenado a 13 anos e 9 meses em regime fechado por matar a ex-namorada Priscila Jardim. A sentença foi anunciada pela juíza Fernanda Ambrogi. O júri popular, formado por seis homens e uma mulher, teve início às 9h30 e prosseguiu até as 20h30. Cerca de 80 pessoas acompanharam o julgamento.

Por Sandra Domingues, com informações do G1, Jornal da Tarde e Cruzeiro Agora



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Suzana em 28/10/2011 17:53
sou de cruzeiro - sp e acompanhei esse caso,esa barbaridade. uma menina tão jovem tão linda ser executada sem nem ter a chance de se defender , nem ao menos pedir socorro.ele hoje está preso é o minimo , pois se eu fosse uma juíza -o condenaria á prisão perpétua.nada trará ela de volta mas pelo menos ia ser uma pena justa.coitada dessa mãe que ficou e que logo perdeu sua outra filha, a caçula lailah. que deus conforte o coração dessa mãe, e guarde essas irmãs que se foram cedo demais....

Priscila Dias Furtado Amanda Glívia Vale Marcia Nascimento Gomes Babila Teixeira Marcos Thamires Gomes Leão Machado Larissa dos Santos Atanázio Stephanie dos Santos Teixeira Milena Bittencourt Pontes Vinicius da Paz Almeida Caren Cristina dos Santos Barbosa França Maiara de Barros Felipe Bruna Marques Melo Ana Cláudia Melo e Silva Luiz Henrique de Andrade Carlos Murilo de Almeida Flavio Chalamai dos Santos Eveline Moreti Soares Marco Antônio Queiroz Muniz Jéssica Picolo Juliana Vania de Oliveira Daniel Pellegrine
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS