Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Priscila Dias Furtado (Outro)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 21/12/2009

Localização: Pelotas (RS)

Data de Nascimento: 18/06/1983 (26 anos)

Data de Falecimento: 25/12/2009

Sexo: Feminino Feminino
 

 A história de uma jovem que sonhava em ser modelo teve um triste fim na tarde de 25/12/2009 em Pelotas. Priscila Dias Furtado, de 26 anos, morreu em decorrência de queimaduras em todo o corpo. na UTI do Hospital Universitário São Francisco de Paula.

Priscila Dias Furtado morava com o companheiro em uma casa na rua Dezesseis do Dunas e na madrugada do dia 21 foi levada em estado gravíssimo ao Pronto-Socorro de Pelotas. O pai, Valdeci Rodrigues Furtado, 59, informou à polícia que o casal possuía desavenças e que testemunhas teriam escutado brigas durante a noite.
Segundo o boletim de ocorrência, o marido, de 32 anos, nega a autoria e quer que o fato seja investigado para provar sua inocência. Ele relatou estar deitado quando foi acordado pela esposa, que estaria incendiando as vestes. Disse ter a jogado sob o chuveiro para apagar o fogo e chamado a ambulância para socorrê-la.
 
Priscila Dias Furtado faleceu no início da tarde do dia de Natal por queimaduras provocadas com álcool. 
 
Em 19/02/2010 ainda inconsoláveis com a morte de Priscila Dias Furtado,  a família realizou um protesto . Para a Civil, a morte foi acidente. Mas para a família a justiça não foi feita.

Antes da passeata, pelo Centro da cidade, os parentes distribuiram uma carta-protesto contando a história de Priscila. De acordo com sua irmã Fernanda, a batalha da família começou no nascimento da jovem. Priscila nasceu gêmea de uma menina que não resistiu aos primeiros minutos de vida. Além disso era prematura e precisou ir para a incubadora. No entanto, Priscila conseguiu crescer com saúde. Quando era adolescente ingressou em cursos preparatórios para modelo e participou de desfiles.

Passados os anos ela conheceu seu marido. Eles casaram e há dois anos tiveram uma filha. Segundo Fernanda, no início tudo corria bem até começarem os desentendimentos entre o casal. De acordo com a família, o companheiro de Priscila se tornou agressivo. E no dia 21 de dezembro ele teria sido responsável pelo fogo que tomou conta do corpo da vítima. No entanto, o homem se declarou inocente e afirmou que tudo foi um acidente.

Investigação

A Delegacia da Mulher (DM) trabalhou no caso e encerrou o inquérito em fevereiro de 2010. Para os agentes, a versão do marido é a verdade.

De acordo com a delegada Carla Vernetti, testemunhas foram ouvidas e nada levou os investigadores a concluírem que o companheiro de Priscila seja culpado. "Nós esgotamos as investigações e acreditamos que realmente tenha ocorrido um acidente", afirmou. De acordo com a delegada, as principais testemunhas foram os enfermeiros do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). E ambos afirmaram que logo quando chegaram na casa perguntaram à vítima o que havia ocorrido. Priscila teria respondido que havia sido um acidente. Além disso, ela se referia a ele com ternura e o chamava de amor. No entanto, a Civil não sabe precisar exatamente o que ocorreu. Como a vítima morreu dias depois, a perícia não foi acionada e não pode examinar a residência.

Mas a família se nega a acreditar na conclusão da polícia. Para a mãe, Tereza Furtado Dias, não há dúvidas de que houve um crime. "Ela não estava queimada nas mãos. Se realmente fosse um acidente ela teria se debatido e ficado ferida nas mãos também. Para mim, ela foi amarrada", desabafou. Agora o pai Valdeci Furtado só espera por justiça. "Queremos que ele pague pelo que fez", afirmou.

A Delegacia da Mulher (DM) trabalhou no caso e encerrou o inquérito em fevereiro de 2010. Para os agentes, a versão do marido é a verdade.

De acordo com a delegada Carla Vernetti, testemunhas foram ouvidas e nada levou os investigadores a concluírem que o companheiro de Priscila Dias Furtado seja culpado. "Nós esgotamos as investigações e acreditamos que realmente tenha ocorrido um acidente", afirmou. De acordo com a delegada, as principais testemunhas foram os enfermeiros do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). E ambos afirmaram que logo quando chegaram na casa perguntaram à vítima o que havia ocorrido. Priscila teria respondido que havia sido um acidente. Além disso, ela se referia a ele com ternura e o chamava de amor. No entanto, a Civil não sabe precisar exatamente o que ocorreu. Como a vítima morreu dias depois, a perícia não foi acionada e não pode examinar a residência.

Mas a família se nega a acreditar na conclusão da polícia. Para a mãe, Tereza Furtado Dias, não há dúvidas de que houve um crime. "Ela não estava queimada nas mãos. Se realmente fosse um acidente ela teria se debatido e ficado ferida nas mãos também. Para mim, ela foi amarrada", desabafou. Agora o pai Valdeci Furtado só espera por justiça. "Queremos que ele pague pelo que fez", afirmou.


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Fernanda Dias Furtado em 09/02/2011 20:11
aqui é uma irmã deseperada pela falta de justiça com que foi tratado o caso da morte de minha irmã. tenho vontade de postar na internete as fotos dela e perguntar se um pudim causaria queimaduras de quarto grau logo após ter brigado com o marido? será que o fato do marido ter vários "amigos do rei" não ajudou ele37?

Thiago do Nascimento Braz Raquel Barros de Oliveira Sabrina Silvestre Fontão Eduardo Henrique Demoro Hamilton de Mattos Felipe Silva Caffé Mariana Valente Viveiros de Paula Halisson Vasconcelos Coradini Mariana Gonçalves de Souza Caroline Bonomi Ana Paula Mendes Oliveira Ecio Carlos Cristofani Mário dos Santos Sampaio Alana Ezequiel Diego Gonçalves Carvalho Lucas Vargas Terra Camila Bezerra Pedro Paulo Lemes Jéssica Carline Ananias da Costa Michelle Domingos da Silva Madeleine Beth McCann Cauã Figueiredo de Mendonça Souza
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS