Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Ana Cláudia Melo e Silva (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 22/03/2009

Localização: São Paulo (SP)

Data de Nascimento: 00/00/1991 (18 anos)

Data de Falecimento: 22/03/2009

Sexo: Feminino Feminino
 

Ana Cláudia Silva e Melo, 18 anos, foi morta com 14 facadas. Acusado do crime, o ex-marido de Ana Cláudia Silva e Melo, Janken Ferraz Evangelista, 26 anos, foi preso na Bahia e confessou o homicídio, mas disse que tentava se defender durante uma briga com a ex-mulher.

O crime aconteceu em 22/03/2009, na casa da vítima em São Paulo. Evangelista diz que eles brigaram por causa de uma mensagem que Ana Cláudia Melo e Silva teria recebido no celular. Durante a discussão, segundo ele, a vítima teria pego uma faca. Ele conta que conseguiu tomar o objeto e esfaqueou Ana Cláudia Silva e Melo

Em seguida, o agressor fugiu com o filho de 1 ano e 8 meses. O menino foi encontrado com a avó paterna na Bahia e levado para o Conselho Tutelar de Teixeira de Freitas. A justiça determinou que ele ficasse com a avó paterna.

A Justiça decretou a prisão de Evangelista, denunciado pelo Ministério Público por três crimes: homicídio doloso (com intenção) qualificado (motivo torpe e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima), subtração de menor e furto (ele teria levado R$ 500 da casa da ex-mulher, Ana Cláudia Silva e Melo).

Testemunhas afirmaram à polícia que Evangelista foi visto deixando o prédio onde morava Ana Cláudia Silva e Melo, por volta das 20h do dia 22/03/2009, com o filho do casal, sendo que uma ordem judicial o proibia de sair do local sozinho com a criança. As câmeras do prédio gravaram o momento em que ele deixou o local com o menino.

Após denuncias, a Policia Civil prendeu o ex-jogador de futebol Janken Ferraz Evangelista, na cidade de Teixeira de Freitas, extremo-sul da Bahia. Evangelista é o principal suspeito de ter assassinado a ex-eposa e fugir com o filho, que foi encontrado na companhia da avó paterna.

O acusado será apresentado à Secretaria de Segurança Pública do estado da Bahia, em Salvador, ainda essa semana.
 
O Ministério Público decidiu que, por enquanto, o filho de Janken Ferraz Evangelista e Ana Cláudia Silva e Melo vai ficar com a avó paterna, na Bahia. O menino Gabriel, de um ano e oito meses, estava sob a guarda do Conselho Tutelar de Teixeira de Freitas, na Bahia, onde Evangelista foi preso , acusado de matar Ana Cláudia. A mãe dele mora na cidade. A decisão do Ministério Público foi tomada porque o menino chorou muito à noite e perguntou pelo pai e pela avó. Mas, ela não é definitiva. A Justiça ainda vai decidir quem ficará com Gabriel, já que a mãe de criação de Ana Cláudia também luta pelo direito de criar o menino.
 
Na quarta-feira, a criança foi localizada na casa da avó paterna, Dermivalda Ferraz da Silva. O pai, Janken Ferraz Evangelista, 29 anos, foi preso e confessou ter matado a ex-mulher, Ana Cláudia Silva e Melo, de 18 anos. A princípio, a polícia havia deixado Gabriel com a avó paterna.
 
- Ela não cometeu crime nenhum. De acordo com a constituição, parentes de 1 grau não podem ser responsabilizados criminalmente por ajudar alguém a fugir da polícia - disse o delegado Neles de Araújo Júnior.
 
Mas ainda na quarta-feira, a família de Ana Cláudia pediu a guarda de Gabriel na Vara da Família do Jabaquara, na zona sul da capital paulista. O pedido foi feito em nome de Ana Lúcia Viveiros, de 51 anos, mãe adotiva de Ana Cláudia, e os familiares da jovem aguardavam a concessão de uma liminar para viajar para a Bahia, com o objetivo de trazer a criança de volta para São Paulo.
 
- Assim que conseguirmos essa liminar, pegamos o avião para buscar o Gabriel - afirmou o empresário João Lourenço da Silva, tio de Ana Cláudia.
 
Além dele e de Ana Lúcia, Odair Bezerra da Silva, irmão de Ana Cláudia, e José Beraldo, advogado da família, vão até a Bahia.
 
- Estamos confiantes. Quando Gabriel retornar, ficará a maior parte do tempo com Ana Lúcia, mas também poderá ficar conosco, já que a Ana Cláudia morava comigo - disse Silva.
 
Segundo o empresário, a descoberta do paradeiro do foragido não surpreendeu a família da garota assassinada.
 
- Tínhamos quase certeza de que Janken buscaria abrigo com a família dele, na Bahia, pois ele sempre demonstrou ser dependente da mãe - afirmou o tio da vítima.
 
Advogados ouvidos pelo jornal Diário de S.Paulo afirmam que a família de Ana Cláudia tem mais chances de ficar com a guarda de Gabriel.
 
- O juiz dificilmente vai premiar o pai, que matou a mãe da criança, dando à família dele a guarda do filho. Podemos dizer que seria como dar preferência ao lado criminoso. Mas os avós maternos têm que fazer o pedido à Justiça - disse Álvaro Villaça Azevedo, professor de direito civil da USP.
 
Nelson Sussumo, especialista em direito da família, também considera que a família da mãe leva vantagem na disputa pelo garoto. "Mas os avós paternos também podem pleitear a guarda do menino."
 
O ex-jogador de futebol Janken Ferraz Evangelista, acusado de matar a facadas sua ex-esposa, Ana Cláudia Melo da Silva, foi condenado a 22 anos de prisão. O julgamento terminou às 19h50 ddo dia 07 de dezembro de 2011, depois de quase 30 horas divididas em três dias.
 
O Conselho de Sentença negou a absolvição de Evangelista e a alegação da defesa de que o réu teria agiu com “excesso culposo” após ter sido provocado pela vítima. Os jurados consideraram que o ex-jogador cometeu um homicídio triplamente qualificado - por motivo torpe, já que pretendia ter a guarda do filho; meio cruel, por ter dado inúmeras facadas na ex-mulher e não ter dado à vítima possibilidade de defesa.

A Justiça decretou a prisão de Evangelista, denunciado pelo Ministério Público por três crimes: homicídio doloso (com intenção) qualificado (motivo torpe e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima), subtração de menor e furto (ele teria levado R$ 500 da casa da ex-mulher, Ana Cláudia Silva e Melo).

Após denuncias, a Policia Civil prendeu o ex-jogador de futebol Janken Ferraz Evangelista, na cidade de Teixeira de Freitas, extremo-sul da Bahia. Evangelista é o principal suspeito de ter assassinado a ex-eposa e fugir com o filho, que foi encontrado na companhia da avó paterna.

O ex-jogador de futebol Janken Ferraz Evangelista, acusado de matar a facadas sua ex-esposa, Ana Cláudia Melo da Silva, foi condenado a 22 anos de prisão. O julgamento terminou às 19h50 ddo dia 07 de dezembro de 2011, depois de quase 30 horas divididas em três dias.

O Conselho de Sentença negou a absolvição de Evangelista e a alegação da defesa de que o réu teria agiu com “excesso culposo” após ter sido provocado pela vítima. Os jurados consideraram que o ex-jogador cometeu um homicídio triplamente qualificado - por motivo torpe, já que pretendia ter a guarda do filho; meio cruel, por ter dado inúmeras facadas na ex-mulher e não ter dado à vítima possibilidade de defesa.


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Camila Graziele dos Santos Vitoriano Isabella Oliveira Nardoni Michelle Chaffin Cubeiro Amanda Correia Márcia Andréia do Prado Constantino Diego da Rosa Hammes Danilo Ryden Viana Merlini Nicollas Maciel Franco Adna Priscila Alves da Silva Fábio Paulus Rafaella Morais de Souza Nirvana Evangelista da Cruz Maria Vitória Oliveira de Souza Babila Teixeira Marcos Mariana da Silva Paranhos Glauco Villas Boas Renata Novaes Pinto Shara Ruana Reis Maria Helena Priscila Fernandes Hércules Araújo Lima Gelson Domingos da Silva
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS