Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Jorge Antônio Careli (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 10/08/1993

Localização: Rio de Janeiro (RJ)

Data de Nascimento: 00/00/1963 (30 anos)

Data de Falecimento: 10/08/1993

Sexo: Masculino Masculino
 

Jorge Antônio Careli, 30 anos, servidor da Fiocruz, falava em um orelhão público da favela de Varginha, em Manguinhos, quando, segundo testemunhas, foi abordado, espancado e levado para uma Kombi por policiais da DAS que iniciavam uma batida no local em busca de um suspeito de seqüestro, em 10/08/1993.

A imprensa começa a cobrir o caso e a Fiocruz mobiliza a sociedade para a busca de Jorge Antônio Careli. Os dias se passam e provas irrefutáveis aparecem. A polícia admite a possibilidade da participação da equipe da DAS - então chefiada pelo delegado Hélio Vígio. Numa Kombi da DAS são descobertos restos de cabelo, vestígios de água e perfurações de bala.

Após mais de dois anos de processo, uma sentença de absolvição tão estúpida quanto injusta: o juiz Heraldo Saturnino de Oliveira, da 6ª Vara Criminal, conclui que "não há dúvida de que Jorge Antônio Careli foi espancado e talvez morto por algum dos réus, mas não logrou a acusação demonstrar quem, entre os 23 acusados, assim agiu e muito menos conseguiu provar a adesão dos demais policiais à prática ilícita". São absolvidos 22 acusados e a punibilidade do acusado Armando Correia da Silva fica extinta por causa de sua morte.

A Presidência da Fiocruz, a Asfoc e outras instituições de defesa dos direitos humanos denunciam a absolvição à Anistia Internacional e à Comissão de Direitos Humanos da OEA e a promotoria entra com recurso no Tribunal de Justiça. Em 25/08/1995, Lindalva dos Prazeres testemunha ter visto Careli na "sala do pau" da DAS na manhã em 11/08/1993. "Eu perguntei a ele, você é seqüestrador? E o rapaz disse: não, eu trabalho na Fiocruz", contou Lindalva, durante entrevista ao Jornal Nacional da TV Globo. O Ministério Público reabre o caso mas, meses depois, ao término da apuração, o juiz Heraldo Saturnino ratifica a sentença anterior.

Em 1999, com o governo do Estado do Rio de Janeiro reconhecendo sua responsabilidade, os pais de Jorge Antônio Careli, Antonio e Maria Careli, receberam, cada um, uma indenização de R$ 22,5 mil por danos morais e pensão mensal de R$ 875 por danos materiais. O corpo de Jorge Antônio Careli nunca foi encontrado.

Após mais de dois anos de processo, uma sentença de absolvição tão estúpida quanto injusta: o juiz Heraldo Saturnino de Oliveira, da 6ª Vara Criminal, conclui que "não há dúvida de que Jorge Antônio Careli foi espancado e talvez morto por algum dos réus, mas não logrou a acusação demonstrar quem, entre os 23 acusados, assim agiu e muito menos conseguiu provar a adesão dos demais policiais à prática ilícita". São absolvidos 22 acusados e a punibilidade do acusado Armando Correia da Silva fica extinta por causa de sua morte.



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Marcos Itiberê Rodrigues de Castro Caiado Filho Caroline Silva Lee Adelson Loiola da Silva Antônio de Pádua Guerra Ramalho Kelly Cristina Rodrigues Bruna Giovana De Siqueira Fontoura Mário Sérgio Gabardo Enedith Monteiro de Brito Ludmila Maria Fernandes Fragoso Cínthia Lívia de Araújo Graziele Marçal Franco Vitor Gurman Danielle Tobler Esser Kenefer Maria de Jesus Guimarães Sigouney Tereza Coelho de Moraes Tatiane de Almeida Alves Renata Melo do Amaral Carla Ingrid de Oliveira Correa Ana Karina Matos Guimarães Willian de Souza Marins Rodrigo Macedo Silva
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS