Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Josefa Santos Cunha (Chacina)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 16/12/1998

Localização: Maceió (AL)

Data de Nascimento: 15/08/1949 (49 anos)

Data de Falecimento: 16/12/1998

Sexo: Feminino Feminino
 

Josefa Santos Cunha, conhecida como Ceci Cunha, de acordo com o processo que tramita na Justiça Federal, em 16/12/1998, no dia da diplomação dos eleitos no pleito de 1998, os assessores do médico e então Deputado Federal Talvane Albuquerque, executaram a seu mando um plano para executar a Deputada Ceci Cunha.

Mendonça Medeiros, um dos assessores de Talvane confessou à Polícia Federal que esteve no Fórum Desembargador Jairo Maia Fernandes, no Barro Duro, onde acontecia a cerimônia de diplomação dos eleitos, para constatar a presença de Ceci Cunha e avisar aos encarregados da sua execução.

Ao sair do Fórum, Ceci Cunha, seguida pelos assessores de Talvane, foi visitar sua irmã que acabara de dar a luz e, por volta de 19:30, a varanda da  casa no bairro da Gruta de Lourdes, em Maceió, onde conversavam a Deputada Ceci Cunha, seu marido Juvenal Cunha, a senhora ítala Maranhão, seu filho Iran Maranhão e mais dois sobreviventes, foi invadida por três assessores de Talvane fortemente armados: Jadielson Barbosa da Silva; Alécio César Alves e José Alexandre, que disparam vários tiros, não dando chances de defesa e provocando a morte de quase todos que estavam na varanda.

Ceci Cunha morreu sentada, com uma flor branca no colo.  O crime ficou conhecido como “a chacina da Gruta”.

Após a brutal chacina, os assessores de Talvane seguiram para Satuba, onde encontraram com Mendonça Medeiros (que estava com outro veículo, pertencente ao cunhado de Talvane) e queimaram o Uno verde usado na perseguição e na fuga.

De acordo com a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal, o crime teve como motivação a não eleição do médico Talvane Albuquerque para um segundo mandato na Câmara Federal. Matar a Deputada Ceci Cunha, então, seria a única maneira de Talvane voltar ao cenário político e à imunidade parlamentar, pois ele era seu primeiro suplente.

Seu enterro contava com mais de 50 mil pessoas desoladas e chocadas com a brutalidade do crime.

Em março de 1999, Talvane chegou a assumir o lugar de Ceci Cunha na Câmara Federal, tendo logo depois perdido o mandato por falta de decoro parlamentar, devido às suas ligações com pistoleiros e sido preso juntamente com seus assessores.

A morte de Ceci Cunha interrompeu uma vida de trabalho ao próximo e de benefícios incalculáveis a todo o país, em especial ao Estado de Alagoas e foi notícia nacional e internacional.

Atualmente todos os acusados estão soltos, esperando o júri popular a ser realizado pela Justiça Federal.

Não vamos deixar que esse crime seja mais um caso de impunidade em nosso Estado. Vamos mudar essa história e impedir que assassinos convivam livremente com pessoas de bem.

Após 13 anos, assassinos de deputada Ceci Cunha vão a júri popular

Está marcado para o dia 16 de janeiro de 2012 o júri popular dos assassinos da deputada federal Ceci Cunha (PSDB-AL). O crime ocorreu há 13 anos, quando a parlamentar recém-empossada foi fuzilada com o marido e dois parentes em casa.
 
O julgamento fechará assim um dos dez casos de impunidade, selecionados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que mais afetam hoje a credibilidade do Poder Judiciário e mancham a imagem do País no exterior.
 
O ex-deputado Talvane Albuquerque, acusado de ser o mandante do crime, e os quatro suspeitos apontados como autores não têm mais chance de adiar o julgamento. O juiz André Granja, da 1.ª Vara Federal de Alagoas, decidiu que novos recursos, sempre possíveis no sistema penal brasileiro, não terão efeito suspensivo e só serão apreciados depois do julgamento.
 
Em mais de 12 anos de tramitação, o processo sofreu várias reviravoltas, envolvendo conflitos de competência entre a Justiça Federal e a Estadual, além de sucessivos recursos movidos pelos réus, o que atravancou a ação. Mesmo após a confissão de participantes do assassinato e a conclusão da investigação, o caso ainda não teve um desfecho e os réus estão até hoje em liberdade.
 
A Justiça condenou, em 18 de janeiro de 2012, os réus no processo sobre a morte da ex-deputada alagoana Ceci Cunha a penas de entre 75 e 105 anos de prisão. Treze anos depois do crime, os jurados condenaram por homicídios duplamente e triplamente qualificados os cinco homens acusados pela  morte de Ceci Cunha e de três familiares dela, em 16 de dezembro de 1998, no crime conhecido como Chacina da Gruta. Eles tiveram suas prisões preventiva decretadas.
 
O ex-deputado federal Talvane Albuquerque Neto - acusado de ser o mandante do crime - foi condenado a 103 anos e 4 meses reclusão. De acordo com a sentença, Talvane, então filiado ao PTN, encomendou e planejou os assassinatos com o objetivo de obter a cadeira de Ceci, de quem era suplente na Câmara dos Deputados. Ceci era deputada pelo PSDB. 
 
Penas - Os quatro assessores de Talvane no crime pagarão penas variadas. Jadielson Barbosa da Silva e José Alexandre dos Santos, acusados de serem os executores das mortes,  foram condenados a 105 anos de reclusão em regime fechado. Alécio César Alves Vasco foi condenado a 87 anos e 3 meses de prisão. Mendonça Medeiros Silva participou da ação criminosa e ajudou na fuga dos criminosos tendo pena de 75 anos e 7 meses.
 
Em relação ao assassinato da deputada, a Justiça entendeu tratar-se de homicídio duplamente qualificado; já na morte dos três familiares de Ceci Cunha, o homicídio teve uma tripla qualificação. No crime, foram assassinados, além da deputada, o marido dela, Juvenal Cunha, a sogra, Ítala Neyde Maranhão Pureza, e o cunhado, Iran Carlos Maranhão. Silva foi apontado como um dos atiradores por Claudinete Santos Maranhão, irmã de Ceci, que estava no local da chacina e conseguiu escapar dos atiradores.
 
Ceci foi morta com um tiro na nuca horas depois de assumir o posto e no momento em que estava reunida com parentes para comemorar a conquista. O processo se arrastava na Justiça há treze anos. Houve dezenas de recursos e uma discussão sobre a competência para julgar o caso - da Justiça Estadual ou da Justiça Federal. A ação tem trinta volumes e treze apensos.

Ceci Cunha morreu sentada, com uma flor branca no colo.  O crime ficou conhecido como “a chacina da Gruta”.

Após a brutal chacina, os assessores de Talvane seguiram para Satuba, onde encontraram com Mendonça Medeiros (que estava com outro veículo, pertencente ao cunhado de Talvane) e queimaram o Uno verde usado na perseguição e na fuga.

De acordo com a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal, o crime teve como motivação a não eleição do médico Talvane Albuquerque para um segundo mandato na Câmara Federal. Matar a Deputada Ceci Cunha, então, seria a única maneira de Talvane voltar ao cenário político e à imunidade parlamentar, pois ele era seu primeiro suplente.
 

A Justiça condenou, em 18 de janeiro de 2012, os réus no processo sobre a morte da ex-deputada alagoana Ceci Cunha a penas de entre 75 e 105 anos de prisão. Treze anos depois do crime, os jurados condenaram por homicídios duplamente e triplamente qualificados os cinco homens acusados pela  morte de Ceci Cunha e de três familiares dela, em 16 de dezembro de 1998, no crime conhecido como Chacina da Gruta. Eles tiveram suas prisões preventiva decretadas.
 
O ex-deputado federal Talvane Albuquerque Neto - acusado de ser o mandante do crime - foi condenado a 103 anos e 4 meses reclusão. De acordo com a sentença, Talvane, então filiado ao PTN, encomendou e planejou os assassinatos com o objetivo de obter a cadeira de Ceci, de quem era suplente na Câmara dos Deputados. Ceci era deputada pelo PSDB. 
 
Penas - Os quatro assessores de Talvane no crime pagarão penas variadas. Jadielson Barbosa da Silva e José Alexandre dos Santos, acusados de serem os executores das mortes,  foram condenados a 105 anos de reclusão em regime fechado. Alécio César Alves Vasco foi condenado a 87 anos e 3 meses de prisão. Mendonça Medeiros Silva participou da ação criminosa e ajudou na fuga dos criminosos tendo pena de 75 anos e 7 meses.
 
Em relação ao assassinato da deputada, a Justiça entendeu tratar-se de homicídio duplamente qualificado; já na morte dos três familiares de Ceci Cunha, o homicídio teve uma tripla qualificação. No crime, foram assassinados, além da deputada, o marido dela, Juvenal Cunha, a sogra, Ítala Neyde Maranhão Pureza, e o cunhado, Iran Carlos Maranhão. Silva foi apontado como um dos atiradores por Claudinete Santos Maranhão, irmã de Ceci, que estava no local da chacina e conseguiu escapar dos atiradores.
 
Ceci foi morta com um tiro na nuca horas depois de assumir o posto e no momento em que estava reunida com parentes para comemorar a conquista. O processo se arrastava na Justiça há treze anos. Houve dezenas de recursos e uma discussão sobre a competência para julgar o caso - da Justiça Estadual ou da Justiça Federal. A ação tem trinta volumes e treze apensos.


Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Thiago do Nascimento Braz Larissa Izabel Heymer Priscila Eiras Sandra Ribeiro de Jesus Adriele Camacho de Almeida Rafael Fernandes de Oliveira Milena dos Santos Nascimento Carla Vicentini José Cláudio Ribeiro da Silva Diego da Rosa Hammes Danielle Tobler Esser Púbio Theodoro de Sousa Miguel Cestari Ricci dos Santos Fabrício Rangel Kengen Luana Neves Ribeiro Guilherme do Nascimento de Oliveira Daniel Carrilho Evaristo Alan Fagner Clemente Soares Edinei Pereira Gomes Jackson Wataru Komati Bárbara Syndel Nascimento
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS