Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Thays Coppola Rupp (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 05/11/2002

Localização: Paraty (RJ)

Data de Nascimento: 22/05/1983 (19 anos)

Data de Falecimento: 05/11/2002

Sexo: Feminino Feminino
 

Thays Coppola Rupp, 19 anos, artista plástica, estava grávida de dois meses quando desapareceu em Paraty, Rio de Janeiro, em 05/11/2002, após um passeio com o namorado, Visuambhara Dasa Gutierrez Vargas, principal e único suspeito do assassinato.

Desde então, sua mãe, Maria José Coppola, iniciou as buscas por conta própria sendo ameaçada diversas vezes por desconhecidos. Chegou até a informação de que viram sua filha sendo enterrada e dando-lhe as coordenada da cova. Mas não resultando em nada.

Os restos mortais de Thays Coppola e um saco com sua blusa e roupas íntimas as quais foram reconhecidos pela mãe, Maria José Coppola, foram encontrados, em 08/04/2004, em um mangue, por um pescador, próximo ao Camping da família do namorado.

Thays Coppola foi enterrada em Campinas SP em 18/04/2004 ao lado de seu pai.

Em 29/10/09 o único suspeito de tê-la matado, Visuambhara Dasa Gutierrez Vargas, conhecido por Nimai, foi pronunciado por crime Hediondo e foi  à júri em Parati, Rio de Janeiro, no dia 01/12/2010.

Após um julgamento que durou mais de dez horas, Nimai foi condenado, por unanimidade, a 15 anos de prisão. Além do homicídio, Gutierrez também pegou um ano e meio por ocultação de cadáver. Ainda cabe recurso.

O acusado já cumpria pena em um presídio no Rio de Janeiro, por ter sido apontado como acusado de matar a namorada.



Em 29/10/09 o único suspeito de ter matado, Thays Coppola Rupp,  Visuambhara Dasa Gutierrez Vargas, conhecido por Nimai, foi pronunciado por crime Hediondo e foi  à júri em Parati, Rio de Janeiro, no dia 01/12/2010. Julgado e condenado há 16 anos e 6 meses de prisão, em regime fechado.



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Rodrigo em 02/04/2014 11:44
Boa tarde: Meu nome é Rodrigo e escrevo da capital gaúcha. Encontrei seu site após procurar por esse crime macabro... Confesso que nunca tinha ouvido falar! Alias CRIMES em nossos país/aumentam cada vez mais. E com tais LEIS BRANDAS_aumentam tais ainda mais. Uma tristeza mesmo, pois a jovem era talentosa/inteligente: tinha um futuro promissor_e percebo que há CONTRADIÇÕES (sem falar que um jogava para o outro a culpa). Isso que envolve religião é até sério... Além de DIFERENÇAS CULTURAIS. Recordo que minha mãe tinha receio de relacionamentos que minha irmã teve (a probabilidade de se encontrar alguém que não presta é enorme!). A 1a faleceu e a 2a está solteira... Pelo menos tais preocupações não existiriam mais! E ainda sobre esse crime: até me pergunto se o tal NATIVO seria o assassino, pois com as MODALIDADES haventes: poderia ser at´UM DOS PAIS (e o tal ACOBERTANDO). E que vivamos em paz. Valeu, Rodrigo. * Há uma coisa que gosto na tal religião que tem a ver com o caso... os INCENSOS (risos!).

Leandro Bossi Joanna Cardoso Marcenal Marins Ana Cleide Macedo Silva André Luíz de Andrade e Maciel Aline Cristina Faria Ramos Cesar de Almeida Franco Halisson Vasconcelos Coradini Maiara de Barros Felipe Bruno Souza Lopes André Luiz Lemos da Costa Marcelo Castelo Branco Iudice Nirvana Evangelista da Cruz Abdias Felício de Souza Eugênio Bozola João Luiz Sá Freire Azevedo Luciana Gonçalves de Novaes Bianca Rocha Tavares Ana Carolina Antoniolli Palmerina Pires Ribeiro Renata Novaes Pinto Maria Vitória Oliveira de Souza
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS