Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Max Fernando de Paiva Oderich (Latrocínio)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 17/08/2002

Localização: Porto Alegre (RS)

Data de Nascimento: 18/07/1976 (26 anos)

Data de Falecimento: 17/08/2002

Sexo: Masculino Masculino
 

Max Fernando de Paiva Oderich, 26 anos, foi assassinado quando ia comprar  um terno para sua formatura no caminho de São Sebastião do Caí - RS a Porto Alegre-RS em 17/08/2002.

Luiz Fernando Oderich, pai de Max Fernando de Paiva Oderich, deu inicio a formação da ONG "Brasil sem Grades", depois que seu único filho foi assassinado. Um crime que chocou a todos e aconteceu em agosto de 2002.

O empresário transformou a dor da perda do filho, Max Fernando de Paiva Oderich, em iniciativa para mudar o país. Segundo Oderich não basta à população se esconder atrás de grades, esse é um modo que encontramos para conviver com a criminalidade. Para expor esta e outras reflexões sobre a crise geral do Estado brasileiro, em agosto de 2005 ele lançou o livro “O Beijo Gelado – Paternidade Irresponsável – A Tragédia Brasileira”.

Biografia de Max Oderich

Nascido em Porto Alegre - RS, aos 18 dias do mês de julho de 1976. Max Fernando de Paiva Oderich, filho de Luiz Fernando Oderich e Maria Isabel de Paiva Oderich, foi assassinado dia 17 de agosto de 2002 (aos 26 anos), na mesma cidade de Porto Alegre, uma semana antes de sua formatura. Residia em São Sebastião do Caí - RS e neste dia fora a Porto Alegre comprar o terno de formatura.

A vida

Max veio antes do tempo e foi-se antes do tempo. Nasceu prematuro, de parto cesárea, com 1,8 kg, no Hospital Fêmina. Sua chance de sobrevida logo após o nascimento era de 20%. Foi transferido para a UTI neonatal do Hospital Ernesto Dorneles onde, na época, havia melhores recursos para os seus cuidados. Cerca de 23 dias após, veio para casa. Muito pequeno, mal conseguia mamar cinco ml de leite, na mamadeira, a cada vez.
 
Com um ano e poucos meses transferiu-se com os pais para São Sebastião do Caí onde teve uma infância normal, cercada de muitos animais domésticos. Teve cachorros, gatos, patos, peixes como animais de estimação. Fez o primário em São Sebastião do Caí, mais tarde transferiu-se para o Colégio Sinodal, em São Leopoldo - RS.
 
O segundo grau fez praticamente todo no Cetemp – Centro de Treinamento Tecnológico, do SENAI, em São Leopoldo. Nos anos de 92 e 93 recebeu um aluno de intercâmbio, vindo da Suécia. Nos anos de 1993 (2º semestre) foi sua vez de fazer um intercâmbio, indo para o Canadá, onde acabou concluindo o segundo grau na Academia Saint Mary.
 
No final de 1994 prestou vestibular para Engenharia Mecatrônica da PUC, passando a residir por alguns anos em Porto Alegre. Vendo que não era aquela sua vocação, um ano e meio após, fez novo vestibular para Administração de Empresas, na mesma Universidade.
 
Neste período fez estágio em várias empresas, posto que a idéia era vê-lo preparado para exercer a futura gerência da empresa de seu pai, tendo antes provado sua competência e autonomia em várias empresas. O que fez com brilhantismo. Várias portas ficaram abertas para ele.
 
Tinha um sonho de juntar a atividade empresarial à de professor universitário. Batalhou e conseguiu bolsa junto ao CNPq ajudando vários professores em suas pesquisas, valendo-se de sua determinação e conhecimentos da língua inglesa.
 
Vendo a realidade brasileira, de miséria e descaso, e acreditando na educação como forma de transformar a sociedade, apresentou-se como voluntário para informática em escolas de periferia. Lecionou, aos sábados pela manhã, na Vila Restinga e também em vilas populares perto da PUC.
 
Quando já dispunha de maiores conhecimentos técnicos de Administração, apresentou-se também como voluntário para prestar assessoria a pequenas empresas instaladas na incubadora de empresas na mesma Restinga.
 
Em 2000 viu que era chegada a hora de começar a participar da administração da empresa familiar. Naquele ano ainda tentou continuar morando e estudando em Porto Alegre e trabalhar em São Sebastião do Caí. Fez novo vestibular para Administração na Unisinos estudando lá 2001 e 2002, terminando seu curso.
 
Nesta nova Universidade também participou de pesquisas e teve seu trabalho de conclusão aprovado com louvor. Um dos cinco melhores trabalhos apresentados. Fora aprovado no exame nacional para cursos de pós-graduação, estando habilitado a escolher a Universidade que melhor lhe conviesse.
 
Entendia que o futuro está no conhecimento. Por isto estava escrevendo um livro “A Gestão do Conhecimento na Indústria Brasileira”. Para tanto, estava reunindo trabalhos publicados no Brasil e no exterior e estava fazendo pesquisas junto às empresas brasileiras. O livro, lamentavelmente, ainda estava em fase embrionária, com cerca de 40 páginas mas, como a vida do Max, foi interrompido antes da hora.

Max Fernando de Paiva Oderich, 26 anos, foi assassinado quando ia comprar  um terno para sua formatura no caminho de São Sebastião do Caí - RS a Porto Alegre-RS em 17/08/2002.



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Matheus Favaro Freire Marcelo Ribeiro Kuczmarski Luiza Paula da Silveira Machado Jacqueline Ruas  Núbia Carmen Conte Haick Fabrício Rangel Kengen Carolina Rodrigues Macchiorlatti Flávio Luiz Paixao dos Santos Hércules Araújo Lima Eveline Moreti Soares Marcelo Alexandrino Costa dos Santos Petrus Soares da Silva Rodrigo Lopes de Marcelos Quênia Rosa Santos Sidney Júnior Andrade Souza Lucas da Luz Alves Carla Vicentini Vírgilio Augusto de Jesus Grace Kelly da Silva Kamyle Vitória do Nascimento Roberta Pires Teixeira de Miranda
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS