Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Rodrigo Balsalobre Damus (Latrocínio)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 27/09/1999

Localização: São Paulo (SP)

Data de Nascimento: 19/01/1979 (20 anos)

Data de Falecimento: 27/09/1999

Sexo: Masculino Masculino
 

Rodrigo Balsalobre Damus, 20 anos, trabalhava, estudava jornalismo na FIAM em São Paulo. Tinha sonhos para sua vida, seus pais também tinham sonhos de vida para ele. Em 27/09/1999, foi vítima de latrocínio na Av. Giovani Gronch altura 5.500 em São Paulo. Crime cometido por três criminosos maiores de idade e um menor que confessou ter atirado no Rodrigo Damus.

Os três maiores de idade foram condenados a 22 anos de prisão, mas conseguiram uma redução da pena para 20 anos e continuam pedindo o abrandamento da pena anualmente. O menor ficou na Febem por 18 meses e foi libertado.

Os pais de Rodrigo Damus, Jorge Damus e Teresinha Damus, lutam pela redução da maioridade penal e defendem mudanças nas leis para crimes praticados por menores de idade.

Por Jorge Damus, pai do Rodrigo Damus

Tenho 20 anos...E quero viver...
No dia em que morri a noite estava linda, aberta para a alegria de viver que sempre tive. Lembro-me que sai da Faculdade e fui à casa de minha namorada, lá pelas 22:00 horas me despedi . Ela me perguntou. “Não vai avisar seu pai que esta aqui?” Respondi que não precisava, pois, eu estava dentro do meu horário normal e não tinha necessidade de avisar meu pai ou minha mãe. Queria voltar para casa e sai com todo o cuidado para a av. Giovani Gronch. Meu pai me avisou que esta região é muito perigosa, por causa dos assaltos e que já haviam ocorrido assassinatos nestes locais. E com toda a cautela segui em frente. Ao me deparar com um farol de transito fechado na altura do no. 5500 parei. Não vi na esquina escondidos na vegetação 04 indivíduos, dois pularam na frente do meu carro e dois ficaram ao lado. Puxei o freio de mão e coloquei o carro em ponto morto. Ouvi um tiro e os 04 indivíduos fugindo. Meu corpo sentiu um calafrio muito forte e um grande susto, depois tudo sumiu numa escuridão. Acordei, ao meu lado pessoas e policiais apressados me levaram para o pronto socorro do Campo Limpo. Meu corpo estava perfurado por uma bala, disparada por aquele cara que eu não conhecia, que não fiz nada, que nunca vi antes, e não entendi porque fez isso comigo. Todos estavam apressados em me socorrer. Curioso, eu não sentia dor, não sentia nada. Ao chegar no pronto socorro os médicos me examinaram e cobriram-me com um lençol. Hei tirem isso de cima de mim, tirem-me desse mármore frio!  Não consegui erguer-me, não consegui mover um dedo sequer.  Eu não posso estar morto, tenho apenas 20 anos. Meu pai, minha mãe, minha irmã e nossa cachorrinha me esperam. Quero viver, tirem esse lençol que me incomoda, deixe-me sair daqui. Ninguém me ouvia, não sei porque. Levaram-me para outro prédio, outro lugar e localizaram o projétil por uma chapa de raios-X, meu Tio Eduardo estava comigo e também não me ouvia. Arrumaram-me o melhor possível e fomos para outro lugar muito cheio de gente. Meu pai com o rosto lavado em lagrimas e muito abatido. Minha mãe, minha irmã e minha avó, soluçavam de desespero sobre o meu rosto e meu peito. Amigos e parentes passavam por mim, fitavam-me com tristeza , minhas amigas e minha namorada acariciavam minhas mãos, rosto e cabelos. O Silvio pediu minha ajuda para encontrar os seres que me assassinaram, não entendi muito bem. Por favor eu preciso acordar. Ajudem-me, tirem-me deste caixão e deixe-me sair. Tenho apenas 20 anos, quero viver, tenho uma vida inteira pela frente. Quero namorar, passear, estudar, ser jornalista, quero o amor de meus pais, de minha irmã, de minha avó, de meus parentes e amigos.Quero jogar bola, gosto disso, quero ver meu time do coração campeão. Meu Deus, dê-me mais uma chance. Tudo o que quero é VIVER esta linda vida que eu vivia. Já falei, tenho 20 anos e quero viver!

Rodrigo Balsalobre Damus
- Jovem, trabalhador, estudante do 2o. ano de jornalismo, assassinado na av. Giovani Gronch, alt. no. 5500, em 27/09/1999, por um menor de idade e mais três co-autores maiores de 18 anos, tinha apenas 20 anos e queria viver.

Rodrigo Damus e muitas outras vítimas viram apenas um número nas estatísticas. Será que é isso que queremos para nossos filhos? Nós cidadãos ordeiros, até quando seremos assaltados em nossos direitos e na rua pelos acima da lei? Até quando continuaremos impassíveis, medrosos, dentro da lei ? Acorda Brasil! Reação já! Até quando a população suportará crimes como esse sem reagir? Parece que estão todos anestesiados! Será que cada família brasileira terá que perder um filho ou filha para agir? Espero que não!

Não se mata somente com armas brancas ou de fogo.
Mata-se com gestos, palavras e omissões.
Mataram o sonho, mataram a esperança. E o Estado prevaricando de suas atribuições vira co-autor dos crimes e da impunidade que impera.
Mataram portanto, as chances de que justiça seja feita.
Crime para o qual o castigo é inverso.
Pune-se a vitima. A ela é decretada -  A Solidão, a cova fria de um cemitério e a saudade de seus familiares.

Por Sandra Domingues, com informações do site oficial 


 

Rodrigo Balsalobre Damus, 20 anos, trabalhava, estudava jornalismo na FIAM em São Paulo. Tinha sonhos para sua vida, seus pais também tinham sonhos de vida para ele. Em 27/09/1999, foi vítima de latrocínio na Av. Giovani Gronch altura 5.500 em São Paulo. Crime cometido por três criminosos maiores de idade e um menor que confessou ter atirado no Rodrigo Damus.

Os três maiores de idade foram condenados a 22 anos de prisão, mas conseguiram uma redução da pena para 20 anos e continuam pedindo o abrandamento da pena anualmente. O menor ficou na Febem por 18 meses e foi libertado.

Os pais de Rodrigo Damus, Jorge Damus e Teresinha Damus, lutam pela redução da maioridade penal e defendem mudanças nas leis para crimes praticados por menores de idade.

Por Sandra Domingues, com informações do site oficial 



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Marcela em 22/03/2013 14:15
Saudades Rodrigo ... Saudades ... Dói ...


Célia Mãe De Elton em 11/12/2011 09:52
Quando ainda nem imagina que iria fazer parte de uma DOR semelhante ao dos meus amigos, já havia criado com essa família um laço muito grande de Amizade,hoje mais que nunca sei da DOR e LUTA desses amigos GUERREIROS,pois ela também é minha.


Marcela Gavioli em 13/09/2011 08:50
Saudades de você meu querido amigo ... tempos de Portal do Bandeirantes, Colégio Modulo, nossa éramos tão felizes ... mais ainda sinto que você está mil vezes em paz, e eu to aqui passando por um momento delicado com minha mãe e ao mesmo tempo do lado de sua familia, SEMPREEE ! Amo vcs até que a morte nos separe! Beijos fica em paz!


Sandra Domingues em 21/07/2011 12:39
O QUADRO PENDURADO NA PAREDE... O quarto vazio e o quadro do Rodrigo Balsalobre Damus pendurado há 11 anos na parede mostram que ele não está mais entre nós. Recordo-me o dia em que fui fazer uma visita a minha querida amiga Teresinha Damus e da tristeza que senti ao entrar no quarto do Rodrigo. Tudo arrumadinho e o quadro gigante na parede, com o sorriso contagiante do jovem rapaz me levou aos prantos e fui consolada pela mãezinha dele, me dizendo: - Hei amiga, não chora não, eu mesma brigo com ele, venho aqui e digo: - Por que você me deixou? Mas depois eu entro aqui e o sinto comigo, isso me conforta. Eu gosto de entrar aqui...converso com o meu Rô, rio, choro e o sinto perto de mim. Rodrigo Damus, teve sua vida e sonhos interrompidos por um "Menor" que completaria 18 anos no dia seguinte. O "menor" já cumpriu a medida sócio educativa e há muito está livre. Não sabemos se fez novas vítimas, mas o quarto do Rodrigo continua vazio e o que restou foi o quadro pendurado na parede.


Sandra Domingues em 01/10/2010 23:12
Mesmo sem ter vivido essa dor, consigo sentí-la como minha, ao testemunhar o sofrimento e a dor irreparável dessa família. Os pais de Rodrigo Damus, e também meus amigos, Jorge e Teresinha, sofrem até hoje, como se fosse ontem a tragédia e apesar dos 11 anos passados nada lhes tira do peito a dor da saudade e a revolta pela impunidade. Até quando ??? Até quando menores poderão tirar a vida de nossos entes queridos e nada acontecer? Até Quando ???

Larissa de Carvalho Fernanda Tripodi Renata Aparecida Leite Cristiano Rispoli Barros Ana Paula Mendes Oliveira Cínthia Lívia de Araújo Natasha Manuelle Correia Pinheiro Igor Cordeiro Manhães Luiz Paulo Viola Manoel Vazquez Larissa dos Santos Atanázio Bruna da Silva Ribeiro Maria Vitória Oliveira de Souza Kamyle Vitória do Nascimento Ricardo Wagner Léslis Silva Ana Cristina de Macedo Renata Silva Monteiro César Dias de Oliveira Joemir Lucimar Rubio Sérgio Luis Mendes Nicholas Marins Prado
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS