Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Michelle Silveira de Moraes (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 21/11/1999

Localização: Niterói (RJ)

Data de Nascimento: 22/05/1977 (22 anos)

Data de Falecimento: 21/11/1999

Sexo: Feminino Feminino
 

Michelle Silveira de Moraes, 22 anos, estudante, foi assassinada pela GORDA que buscava dinheiro para comprar drogas em 21/11/1999, Niterói, Rio de Janeiro.

Depois do crime o pai da Michelle de Moraes, Wagner de Moraes, criou a ONG TMAMIM Tributo a Michelle de Moraes que luta contra a violência em diversas frentes. A Clínica Michelle de Moraes para Tratamento de Dependentes Químicos em Santa Cruz é um dos trabalhos da TAMIM.

O pai da Michelle de Moraes é cirurgião e opera mensalmente crianças carentes gratuitamente que são portadoras de defeitos faciais até 10 anos de idade.

Dois livros foram escritos por Wagner de Moraes, pai da vítima, sobre sua filha, chamados: Michelle Minha Filha Volume I e Volume II.

Do ocorrido

Um tiro certeiro no coração matou a universitária Michele Silveira de Moraes, aos 22 anos, no dia 21/11/1999. Filha de uma família de classe média alta de Niterói, Michele caiu numa emboscada do destino ao iluminar com os faróis de seu Tigra uma dupla de assaltantes em ação. Ela saía da casa de uma amiga no bairro de Santa Rosa quando foi alvejada.

Segundo a polícia, o disparo foi feito por uma mulher, que se sentiu incomodada pelo farol. As investigações chegaram a Alessandra Mariano de Barros, 18 anos. No momento do crime, ela estava praticando um assalto em companhia de um homem. A morte de Michele, aluna de um curso de Medicina, chocou o Estado pela frieza da suposta assassina. Até o governador Anthony Garotinho não se conteve e desabafou: “Esta mulher é uma fera.” Antes de ser presa, no Rio de Janeiro, Alessandra já havia sido detida duas vezes por assaltos em ônibus.

O chefe de investigações da delegacia Romildo Cristino disse que ela começou a trabalhar para o tráfico aos 13 anos. “Foi gerente de boca de fumo e era respeitada pelos traficantes”, contou. “Ela é uma psicopata”. O pai de Alessandra Osvaldino Barros contou que as pessoas que conviviam com ela morriam de medo.

Por Sandra Domingues, com informações do Site Oficial

Um tiro certeiro no coração matou a universitária Michele Silveira de Moraes, aos 22 anos, no dia 21/11/1999. Filha de uma família de classe média alta de Niterói, Michele caiu numa emboscada do destino ao iluminar com os faróis de seu Tigra uma dupla de assaltantes em ação. Ela saía da casa de uma amiga no bairro de Santa Rosa quando foi alvejada.

Segundo a polícia, o disparo foi feito por uma mulher, que se sentiu incomodada pelo farol. As investigações chegaram a Alessandra Mariano de Barros, 18 anos. No momento do crime, ela estava praticando um assalto em companhia de um homem. A morte de Michele, aluna de um curso de Medicina, chocou o Estado pela frieza da suposta assassina. Até o governador Anthony Garotinho não se conteve e desabafou: “Esta mulher é uma fera.” Antes de ser presa, no Rio de Janeiro, Alessandra já havia sido detida duas vezes por assaltos em ônibus.

Por Sandra Domingues, com informações do Site Oficial



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)






Gláucia Victer em 04/06/2014 18:41
Até agora, só sabia que a Angela Bismark havia se casado com um cirurgião. Fiquei penalizada com a história da morte de sua filha, e ao mesmo tempo encantada com o trabalho que desenvolve a favor de dependentes químicos. Só faltou dizer qual foi a pena que a criminosa pegou e se a cumpre ou não em Niterói.


Fernando De Barros Mourelle em 05/09/2013 14:26
eu fiquei na clinica e vi senti deus etive carinho e amor eu quero ajudar 11969230391 ou fernandomourelle face


Fábio Mello em 27/07/2012 18:45
Estive internado,nesta clínica e não sabia exatamente toda a história da fundação da mesma,mas hoje,conhecendo,vejo o quanto é importante a sua manutenção e importância para pessoas que estão lutando para não ser escravo destas drogas,que invandem o nosso convívio e destroem tudo quanto é mais importante para nós....as pessoas que amamos!!!!


Bruno Vargas Costa em 18/06/2012 00:31
Estudei com a Michelle no Colégio São Vicente de Paulo e recordo com emoção da minha amiga... além de linda era uma aluna inteligente, solidária e sempre tratava as pessoas com muito carinho. Quando completou 15 anos me convidou pra ser um dos dançarinos na sua festinha o que me deixou muito feliz na época. Lamento até hoje esta perda e rezo sempre pela minha amiga!


Prisilla Brolo Marchon em 01/01/2012 21:37
Eu fiquei internada nessa clinica,foi um momento muito dificil pra mim mas que me ajudou intensamentee...hj continuo me cuidando e quero ajudar pq fui ajudada.A minha internação nessa clínica Michelle de Moraes,foi o ponto de partida para me ajudar a me livrar das drogas!obrigada


Andrea em 08/11/2011 10:53
Temos que agradecer a Deus todos os dias,por existirem pessoas como senhor,um grande exemplo,a ser seguido,muiiiiiito obrigado e que Deus continue o abençoando e protegendo a cada dia de sua vida,em nome de jesus,amem!!!!


Mônica Luize em 10/09/2011 00:27
E muito triste saber q ainda hoje depois de tanto tempo passado após a morte de sua filha ainda vermos pessoas q amamos sendo tiradas do seio de nossas famílias , por essa desgraça q enventaram denomida DROGA , q hoje e a exatamente 3 anos também me faz participar um pouco da sua dor ,de ter todos os dias q saber q nunca mais as coisas vão ser completas ,as comemorações em família jamais serão as mesmas , tudo o q sei e q a pouco tempo tive um filho e o q eu mais queria e q minha irmã o conhecece , quando ela faleceu eu estava gravida de 7 meses foi e é muito dificil saber q ela o queria conhecer mas não deixaram q ela tivesse a oportunidade espero q um dia assim como o senhor fez a história de sua filha se reverter em bem para outras pessoas , também eu faça com q também conheçam e tenham por exemplo a história de minha irmã, um abraço e obrigado por ajudar o mundo a ser um pouco melhor. ass :Mônica Luize


Noemy em 05/09/2011 08:57
Eu também assisti o depoimento de um pai que apesar de toda dor que ele passou e está passando.Teve uma iniciativa muito humilde,para salvar vidas de pessoas com tal dependencia. E até ajudá-los a recuperar a vida que perderam para as drogas... Parabéns...


Isabel em 03/09/2011 20:50
Que bom que a novela serviu para que outras pessoas, como eu, buscassem mais informações sobre o episódio. Nós sempre achamos que "certas" coisas não acontecem conosco, mas infelizmente, acho que na minha família, também estamos passando por um caso de dependência química. Se possível, favor repassar meu e-mail ao Dr. Wagner, pai da Michele, que emocionou a todos com o seu depoimento. Espero que sua dor esteja um pouco amenizada após esses anos.


Monica Pinho em 02/09/2011 16:05
Boa tarde à todos! Lendo o caso dessa jovem,me vem a mente apenas uma frase " é preciso educar as crianças,para que não seja preciso punir os adultos". Lamento que uma vida tenha sido ceifada dessa maneira trágica,como acontece a cada minuto em nosso País, por causa de drogas.Meu sobrinho tem 16 anos e desde de os 13,ele usa drogas.Ele mora em Resende com a mãe, mas já morou com o pai,que aliás, o internou a poucos meses numa clinica,e não houve nenhum resultado positivo,pois ele ainda é usuário. Imagino a dor desses pais, que perdem seus filhos,como vitimas dessas pessoas. Quero deixar minha revolta,indignação e tristeza pela perda de tantas vidas.Mas termino meu texto, deixando uma pergunta: "Até quando, a sociedade brasileira,ficará a mercê de tanta violência,e o governo observa e não faz nada para melhorar as condições de vida dos menos favorecidos em todos os sentidos".


Rakel Vieira Souza De Deus em 02/09/2011 15:59
Assistindo a novela O clone no"vale a pena ver denovo",ouvi o depoimento de um pai dolorido e dilacerado pela violencia das drogas.Gostaria de parabenizar por esta iniciativa.Que Deus lhe der forças para continuar com esse movimento tão bonito.


Patricia em 02/09/2011 15:50
gostaria de entrar em contato com o Dr. Wagner, pai de Michele. Por favor repassem meu email para ele. obrigada

Reni Aparecida Candinho Daniel Duque Pittman Marcelo Vidal Leite Ribeiro Murilo Rezende da Silva Rebecca Cristina Alves Simões Rosângela Barbosa Alves Igor Moraes da Silva Mayara Lilian Alves Ferraz Marcelo Alves da Silva Thiago Klemtz de Abreu Pessoa João Marcos Campos Moraes Eliza Silva Samudio Ana Nery Monteiro de Souza Kelly dos Santos Benincaza Rodrigo Macedo Silva Grace Kelly da Silva Renata Aparecida Leite Délio Márcio Rodrigues de Souza João Roberto Amorim Soares José Edmilson Costa dos Reis Aidir Pinagé de Lima
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS